Porto Velho (RO) sexta-feira, 17 de agosto de 2018
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Entenda melhor a operação Dilúvio


Agência O GloboO QUE É O ESQUEMA? O esquema consistia no uso de uma importadora, que atuava na compra de diferentes produtos para empresas brasileiras. Nem a importadora e nem as empresas brasileiras, no entanto, apareciam no negócio.A transação era realizada entre exportadoras fictícias, no exterior (Uruguai, Panamá, Ilhas Virgens Britânicas ou Estados Unidos, no estado de Delaware) e importadoras de fachada, que também não eram empresas efetivas.O quadro societário destas companhias é constituído por "laranjas" vinculadas ao grupo.Também ficou demonstrado que o grupo tinha estrutura para atender a um variado perfil de clientes, desde aqueles de menor expressão econômica a grandesdistribuidores de marcas conhecidas no mercado. QUEM ERAM OS CLIENTES? Os principais clientes eram empresas brasileiras que se beneficiavam de custos operacionais e tributários mais baixos, com notas subfaturadas. Eles estão localizados nos estados do Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro e Pernambuco.As investigações da Polícia Federal e da Receita Federal apontam vínculos com a loja Daslu e com o comerciante chinês naturalizado brasileiro Law Kin Chong.QUANTO PODE TER SIDO SONEGADO? As investigações mostram que as empresas do grupo importaram mais de R$ 1,1 bilhão, nos últimos quatro anos. Considerando que os valores declarados provêm de um subfaturamento em média de 50%, pode-se estimar uma sonegação de tributos federais aduaneiros em mais de R$ 500 milhões, sem levar em conta os outros tributos como ICMS, IPI, PIS, COFINS e Imposto de Renda.QUEM SÃO OS PRESOS? Entre os presos estão diretores e sócios de grandes distribuidoras de produtos importados que são clientes do esquema fraudulento de importação, reais beneficiários da "economia" irregular de tributos, servidores públicos federais e estaduais, entre outros.COMO FOI ESTRUTURADA A OPERAÇÃO? Cerca de 950 policiais federais e 350 servidores da Receita Federal participam da operação. As equipes executam mandados de busca e apreensão expedidos pela Justiça Federal de Paranaguá (PR) e Itajaí (SC) em locais nos estados do Paraná, Santa Catarina, São Paulo, Bahia, Rio de Janeiro, Pernambuco, Ceará e Espírito Santo.Com a colaboração do DHS (Departamento de Segurança Interna dos EUA), uma equipe de policiais federais e auditor da Receita Federal também faz buscas na cidade de Miami - EUA, sob autorização da justiça americana, em empresas controladas pelo grupo empresarial brasileiro, objeto da investigação.

Mais Sobre Política - Nacional

 Moro age como se fosse autoridade superior, diz Favreto no CNJ

Moro age como se fosse autoridade superior, diz Favreto no CNJ

O desembargador do TRF-4 Rogério Fraveto, que em 8 de julho determinou a soltura do ex-presidente Lula, decisão que não foi cumprida, disse, em sua de

Grupo Abril pede recuperação judicial

Grupo Abril pede recuperação judicial

O grupo Abril entrou com um pedido recuperação judicial nesta quarta-feira (15); plano de recuperação judicial será mostrado aos credores em até 60 di

Sonegação de R$ 26 bi do Itaú vai a julgamento. É a maior da história

Sonegação de R$ 26 bi do Itaú vai a julgamento. É a maior da história

Está revogada a decisão do Carf que havia livrado o banco de pagamento de multa de R$ 26 bilhões por sonegação de impostos; é a maior da história...

Bancários se manifestam em Brasília em defesa de bancos públicos

Bancários se manifestam em Brasília em defesa de bancos públicos

Bancários protestam contra as resoluções da Comissão Interministerial de Governança Corporativa e de Administração de Participações Societárias da Uni