Porto Velho (RO) sexta-feira, 18 de outubro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Deputados paranaenses dobram salário


Ana Paula de Carvalho - Agência O GloboCURITIBA - Por unanimidade, os deputados eleitos do Estado do Paraná aprovaram na última sessão do ano projeto de lei que deve dobrar o salário dos parlamentares a partir de fevereiro de 2007. A remuneração mensal dos deputados no Paraná, que corresponde a 75% do que recebem os deputados federais, deve passar de R$ 9.750 para R$ 18.375, resultado do "efeito cascata" gerado com o aumento dado pelos deputados federais.- Aumentando lá, automaticamente será implantado aqui como em todas as assembléias - justificou o presidente da Assembléia Legislativa do Paraná, Hermas Brandão (PSDB).Assim, os 54 deputados estaduais vão consumir, por mês, uma verba de R$ 1 milhão prevista no orçamento geral do estado. Atualmente, os deputados estaduais recebem ainda um teto de R$ 27 mil para manutenção de seu gabinete, como luz, telefone, correio e viagens.O presidente da Assembléia, que não disputou a reeleição, garante que o orçamento da Casa permite o reajuste.- Temos sobras de recursos - defendeu ele. As despesas da Assembléia Legislativa do Paraná correspondem a 3,2% do orçamento geral do Estado, que prevê uma arrecadação de R$ 18,8 bilhões para 2007.O deputado estadual André Vargas (PT) afirmou que dá como certo o recebimento dos novos honorários.- Passado esse imbróglio, os deputados estaduais não têm outra alternativa a não ser receber o salário - considerou. Ele acusou os promotores públicos de receberem acima do teto.- Enquanto 513 parlamentares vão receber esse reajuste, existem 1.500 promotores que ganham mais do que o teto - alegou.Para o petista, os deputados estaduais não deveriam ganhar menos do que os juízes e promotores de segunda instância.- Tem ministro de Estado que ganha menos do que um secretário do Requião. É uma coisa comparativa - minimizou.Já o líder da oposição na Assembléia, deputado estadual Valdir Rossoni (PSDB), disse que deixou o plenário quando percebeu que a votação seria unânime.- Sou figura de oposição e tenho mil problemas com o poder aqui. Dois ou três eram contra o projeto de aumento e saímos do plenário quando vimos que a votação seria por unanimidade - descreveu. É do Paraná que deve partir uma ação popular contra o aumento concedido pelos parlamentares em Brasília. O jurista paranaense René Dotti e o ex-ministro da Justiça e atualmente coordenador do movimento "Da Indignação à Ação", Miguel Reale Junior, devem entrar na Justiça contra o aumento concedido a deputados e senadores.- Estamos apenas aguardando uma documentação do deputado federal Fernando Gabeira (PV-RJ) para propor uma ação popular - afirmou Dotti.Segundo ele, esta é a única forma da sociedade civil mostrar sua indignação contra o que intitulou "epidemia".- Precisamos nos unir, porque a falta de ética assumiu o poder de forma epidêmica - acusou.Ele afirmou que a ação prevê a suspensão do aumento e ainda pode resultar numa liminar para sustar possíveis pagamentos.- Esse é o momento do cidadão se levantar e se indignar contra essa situação - criticou ele.

Mais Sobre Política - Nacional

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

 Há pelo menos seis anos, setores do governo brasileiro estudam construir quatro grandes hidrelétricas, duas delas na Região Norte, uma delas em Rondô

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

A Câmara dos Deputados aprovou na noite desta segunda-feira o PL 2438/19 de autoria da deputada Mariana Carvalho (RO) e do deputado Rafael Motta que