Porto Velho (RO) sexta-feira, 18 de outubro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Cristovam: Precisamos mudar a cor da cara da elite brasileira


Hilda Badenes e Rui Pizarro - Agência O GloboRIO - Primeiro candidato a participar da série de entrevistas com os principais presidenciáveis feita pelo jornal "O Globo", Cristovam Buarque (PDT) não surpreendeu. Ele passou a maior parte do tempo falando sobre sua principal bandeira de campanha: a educação. O senador voltou a defender uma revolução na área, apontada por ele como o caminho para a solução de todos os outros problemas do país. Leia aqui os principais trechos da entrevista- O Brasil precisa dar uma virada. Fazer uma revolução. Estou aqui para isso. Não vejo propostas de fazer uma revolução. A única que se pode fazer é a da educação. Só assim se consegue dar o salto nesse muro para quebrar a desigualdade vergonhosa. Só a educação vai fazer esse salto. Essa é uma causa subversiva. Saltar o muro precisa de duas pernas, estabilidade e educação.Para Cristovam, a política de cotas para negros em universidades deve ser apenas uma medida provisória. Mas ressaltou que é preciso mudar a cor da elite brasileira.- Sou favorável. Como solução do problema, não. A verdadeira cota que eu defendo é 100% dos meninos e meninas terminando o segundo grau com qualidade. Precisamos mudar a cor da cara da elite brasileira - disse. (Veja o vídeo)E completou:- Temos que colocar mais negros na universidade. Cota não vai trazer revolução na qualidade do ensino. Você quando vai ao médico pergunta em que lugar ele entrou na universidade? Sou a favor (da cota) como instrumento provisório para mudar a cara da elite brasileira.Indagado o motivo pelo qual o Pro-Uni não foi aprovado durante sua gestão como ministro da Educação do governo Lula, o candidato do PDT disse que foi ele quem deu o pontapé inicial no programa. E lembrou que a proposta original tinha algumas diferenças. Segundo ele, a princípio, a universidade pagaria pelo aluno, sem receber subsídio. Em troca, o estudante teria que participar do programa de alfabetização de adultos.- Eu comecei esse programa (ProUni) - afirmou.Cristovam afirmou ainda que o projeto original não foi aprovado porque não atendia aos interesses das corporações:- As corporações dominam o governo Lula e não quiseram. Lula não fala para o país, vê o país dividido em corporações. Lula não vê o Brasil como um sistema, mas como um quebra-cabeça. Não vê que o país tem uma alma. Acirrou o corporativismo.Cristovam fez outras críticas ao ex-companheiro Lula, subindo um pouco o tom somente ao final da entrevista.Para o candidato do PDT, o grande salto cultural do Brasil começa na escola. Segundo ele, a educação tem que ser uma "manifestação cultural".- No dia que 40 milhões de meninos forem ao cinema, cineasta não vai precisar de dinheiro do governo. A gente dá subsídio como aspirina, enquanto a gente deveria dar incentivo ao consumo dessa cultura - disse o candidato, que em seguida, se dirigiu aos jornalistas:- Vocês (jornalistas) ficam brigando para ver quem rouba leitor de quem, mas não percebem que quando acabar o analfabetismo no Brasil vai faltar jornal para tanto leitor - afirmou Cristovam, arrancando aplausos da platéia.A revolução da educação, segundo Cristovam, deve estar pautada em três padrões: bons salários para professores, educação e equipamentos e padrão de conteúdo. Ao ser questionado pela colunista Cora Rónai sobre a construção de novas escolas e a disputa das crianças entre a escola e o tráfico, Cristovam respondeu que é preciso, além de construir 30 mil novas escolas dar incentivos às famílias, como o Poupança-Escola, que visa depositar R$ 100 na conta de cada criança que passa de ano.- Claro que sempre haverá perda para o crime, mas não por falta de oportunidade, de escolas. E mesmo assim serão poucos. Por isso defendo a federalização da educação, com responsabilidade da União, mas não gerenciamento da União - disse o ex-ministro, que também respondeu a perguntas de leitores.O colunista Fernando Calazans quis saber quais as causas da perda de civilidade no Brasil e como combatê-las, lembrando que na China há campanhas sobre reeducação no dia-a-dia.Cristovam disse ter ficado feliz com a pergunta:- A reeducação tem de ser permanente. A cada cinco anos o conhecimento adquirido na universidade fica obsoleto. Por isso acho que os diplomas deveriam ser provisórios.Bem-humorado, o candidato do PDT reconhece que suas chances são remotas. Mas não desanima, e diz que em 2010 ainda terá idade para concorrer.Nesta terça-feira, às 11h, a entrevistada dos colunistas do "Globo" será a candidata do PSOL, Heloísa Helena. O terceiro a participar da série será o tucano Geraldo Alckmin, na quarta-feira, às 15h. A quinta-feira está reservada ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, candidato à reeleição pelo PT, que ainda não confirmou sua presença.

Mais Sobre Política - Nacional

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

 Há pelo menos seis anos, setores do governo brasileiro estudam construir quatro grandes hidrelétricas, duas delas na Região Norte, uma delas em Rondô

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

A Câmara dos Deputados aprovou na noite desta segunda-feira o PL 2438/19 de autoria da deputada Mariana Carvalho (RO) e do deputado Rafael Motta que