Porto Velho (RO) sexta-feira, 18 de outubro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

CNBB e OAB protestam contra aumento de parlamentares


Agência Brasil, Gerson Camarotti - Agência O GloboBRASÍLIA - A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) divulgou nota defendendo a reforma política, como forma de evitar fatos como a decisão tomada nesta semana pelo Congresso Nacional de aumentar para R$ 24.500 os salários dos parlamentares. "Um salário de R$ 24.500, diante do salário mínimo de apenas R$ 350 sinaliza mais interesses particulares do que a defesa da justiça ou gesto de partilha em solidariedade à população empobrecida", diz a nota.O órgão máximo de representação da Igreja Católica ressalta que são necessários "instrumentos legais para inibir decisões como essa, que obscurecem a dignidade da política".O assunto vai ser abordado nos sermões deste domingo, durante a celebração de missas nas igrejas, em que será feita a pergunta: "O que devemos fazer?". A CNBB lembra que, diante dessa pergunta, o apóstolo João Batista "respondia com simplicidade, oferecendo critérios éticos de ação para a defesa da dignidade da pessoa humana: a partilha, a justiça e o poder como serviço"."Esta decisão dos membros do Parlamento leva a crescer o fosso entre os legisladores e o povo. Acontece que eles foram eleitos pelo povo para o poder-serviço", diz a CNBB.Na nota, presidente da entidade, cardeal Geraldo Majella Agnelo, arcebispo de Salvador, afirmou que a decisão dos membros do Parlamento "leva a crescer o fosso entre os legisladores e o povo". "Acontece que eles foram eleitos pelo povo para o poder-serviço", escreveu o presidente da CNBB.Para o cardeal, o fato do aumento do salário dos parlamentares "nos convoca a um empenho ainda maior para uma urgente Reforma Política". "Precisamos de instrumentos legais para inibir decisões como esta que obscurecem a dignidade da política", observou em seu texto.O secretário-geral da entidade, dom Odilo Pedro Scherer, bispo auxiliar de São Paulo, classificou de "escandaloso" o aumento do subsídio e reforçou a posição tomada pelo cardeal Geraldo Majella.Em entrevista ao Globo, na tarde deste sábado, dom Odilo disse que o fato dos parlamentares aprovarem o aumento de seus próprios salários num valor bem acima da inflação deve ser um tema de reflexão. Principalmente, ressaltou o prelado, porque há dificuldade do governo em conceder um reajuste do salário mínimo, que hoje é de R$ 350. Ele ressaltou ainda o contexto social do país com a disparidade dos salários dos parlamentares.- Essa questão merece uma reflexão da população. É lamentável um aumento tão grande enquanto se briga por uns poucos reais para aumentar o salário mínimo. Essa decisão dos parlamentares é escandalosa. Principalmente, dentro do contexto de uma grande pobreza no país e de uma realidade de baixos salários da maioria da população - ressaltou.Mas dom Odilo disse que não há determinação ou recomendação para que os padres falem sobre o tema nas missas deste fim de semana. Segundo ele, cada sacerdote tem liberdade para escolher o tema de suas homilias.Aumento de parlamentares foi "canetaço", diz secretário da OABO secretário-geral da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Ercílio Bezerra, disse que "indignação" é a palavra mais correta para o aumento dos vencimentos de deputados e senadores. Bezerra afirmou que a medida, "tomada com a complacência dos presidentes da Câmara e do Senado, foi um canetaço, uma certidão negativa e uma brecha para que os Executivos municipais sigam o mesmo caminho".Segundo ele, o reajuste aprovado esta semana significa uma correção salarial de mais de 200%, considerando os três últimos aumentos nos salários dos parlamentares.- A única opção que vemos no momento é estimular a pressão popular, a movimentação dos segmentos organizados para tentar barrar esse abuso. É o caminho que temos para tentar evitar mais esse malefício que o Parlamento promove contra a sociedade brasileira, numa mostra de que perdeu o senso do limite -disse, acrescentando que a OAB deve tomar providências contra o reajuste.- Não é admissível que uma classe receba um aumento exagerado como esse, um salário estratosférico, principalmente quando se vê a vergonha que foi o trabalho dessa última legislatura, desse parlamento, em meio a denúncias de sanguessugas e da existência de mensalão.Para o advogado, os parlamentares aproveitaram-se deste momento, que reúne os festejos de fim de ano e a posse do presidente Luiz Inácio Lula da Silva em janeiro, e da "pouca memória do povo brasileiro" para aprovar o aumento salarial.- Tentaram colocar isso aí [o reajuste], sabendo que em fevereiro temos novos parlamentares, novas posses, enfim, para que isso caia no esquecimento. E nós esperamos que a sociedade brasileira saiba dizer um não a tudo isso.

Mais Sobre Política - Nacional

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

 Há pelo menos seis anos, setores do governo brasileiro estudam construir quatro grandes hidrelétricas, duas delas na Região Norte, uma delas em Rondô

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

A Câmara dos Deputados aprovou na noite desta segunda-feira o PL 2438/19 de autoria da deputada Mariana Carvalho (RO) e do deputado Rafael Motta que