Porto Velho (RO) sexta-feira, 18 de janeiro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Cautelosos, petistas não cobram cargos nem a saída de Meirelles


Gerson Camarotti - Agência O GloboBRASÍLIA - Ao sair da reunião do conselho político do PT com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o presidente do partido, Marco Aurélio Garcia, disse que a reunião foi produtiva e não discutiu a distribuição de cargos no segundo governo. Ainda segundo ele, Lula disse que a reforma ministerial ficará para a segunda quinzena de janeiro- Não discutimos questões de varejo, discutimos o atacado. Não queremos apenas a continuidade do governo atual, mas aprofundar o caminho de um desenvolvimento mais forte - disse Marco Aurélio.Os petistas foram cautelosos na reunião desta quarta-feira e não pressionaram Lula por espaço no governo nem pediram a saída do presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, como vinham demonstrando. O líder do partido na Câmara, Henrique Fontana (RS), disse que quem dirige a política econômica é o presidente Lula, mas afirmou que o PT trabalha para criar condições de o governo ser mais ousado na condução da economia.

Mais Sobre Política - Nacional

HASTA LA VISTA, BAMBINO

HASTA LA VISTA, BAMBINO

Césare Battisti buscou a proteção de Evo Morales, seu aliado de esquerda.

Jair Bolsanaro assina decreto e  pessoas acima de 25 anos podem ter até 4 armas de fogo

Jair Bolsanaro assina decreto e pessoas acima de 25 anos podem ter até 4 armas de fogo

A partir do decreto assinado pelo presidente Jair Bolsonaro hoje (15), no Palácio do Planalto, cidadãos brasileiros com mais de 25 anos poderão compra

O filho de Hamilton Mourão e o irmão de José Alencar: dois casos exemplares

O filho de Hamilton Mourão e o irmão de José Alencar: dois casos exemplares

São casos exemplares que demonstram comportamentos opostos dos governos

Governo de Bolsanaro vai fazer pente fino em 2 milhões de benefícios do INSS

Governo de Bolsanaro vai fazer pente fino em 2 milhões de benefícios do INSS

O governo federal vai fazer uma auditoria em 2 milhões de benefícios pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) que têm indícios de irregul