Porto Velho (RO) quarta-feira, 18 de setembro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Capitais concentram mais de 28 milhões de eleitores


Nas próximas eleições municipais, em outubro deste ano, do total de 127.359.483 de eleitores aptos a votar em todo o País, 28.249.528 estão concentrados em 26 capitais, ou seja, pouco mais de 22% do eleitorado. Em Brasília, esse número chega a 1.662.422, porém, como não há eleição para prefeito e vereadores nesta capital, ela não foi contabilizada. Os dados são referentes a levantamento feito pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) tomando por base o mês de dezembro de 2007.

O maior eleitorado está na cidade de São Paulo, onde estão 8.089.941 eleitores. Em seguida, vem a cidade do Rio de Janeiro, com 4.526.330, e Belo Horizonte, com 1.741.601; Salvador, com 1.720.283; Fortaleza, com 1.448.644; Curitiba, com 1.231.665; Manaus, com 1.032.774; Recife, com 1.085.809 e Porto Alegre, com 1.025.419 eleitores.

Com menos de um milhão de eleitores estão as cidades de Belém, com 951.883; Goiânia, com 833.758; São Luís, com 622.145; Natal, com 497.955; Campo Grande, com 493.403; Maceió, com 486.184; Teresina, com 478.421; João Pessoa, com 433.216; Cuiabá, com 358.175; Aracaju, com 351.074; Florianópolis, com 295.809; Porto Velho, com 245.828; Vitória, com 239.108; Macapá, com 211.160; Rio Branco, com 194.839; Boa Vista, com 155.653 e Palmas, com 120.596 eleitores.

De todas as capitais que participam das eleições 2008, apenas três – Rio Branco, Boa Vista e Palmas – ficariam de fora de um possível segundo turno. Esta situação só recai sobre municípios com mais de 200 mil eleitores, como determina a Constituição Federal (artigo 29, inciso II), e quando nenhum dos candidatos consiga a maioria absoluta dos votos no primeiro turno.

Partidos

Dos 27 partidos com representação junto ao TSE, apenas oito conseguiram eleger em 2004 prefeitos nas capitais brasileiras.

O Partido dos Trabalhadores (PT) concentrou o maior número de capitais e elegeu prefeitos em nove delas - Rio Branco, Macapá, Fortaleza, Vitória, Belo Horizonte, Recife, Porto Velho, Aracaju e Palmas.

Em seguida vem o Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), com cinco capitais – São Paulo, Florianópolis, Curitiba, Teresina e Cuiabá. O Partido Democrático Trabalhista (PDT) tem três prefeituras em capitais – Maceió, São Luís e Salvador.

O Partido da Frente Liberal (PFL, atual DEM), está representado em duas capitais: Manaus e Rio de Janeiro. O Partido do Movimento Democrático Social (PMDB) tem prefeitos em Goiânia e Campo Grande. O Partido Socialista Brasileiro (PSB) está representado em João Pessoa e Natal. O Partido Popular Progressista (PPS) em Boa Vista e Porto Alegre. Já o Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) conquistou a prefeitura de Belém.

Como alguns prefeitos eleitos em 2004 se afastaram dos cargos para concorrer ao Governo estadual em 2006, a chefia do Executivo mudou em capitais como São Paulo, hoje comandada pelo prefeito Gilberto Kassab (DEM); Aracaju, que tem Edvaldo Nogueira (PC do B) como titular do cargo; e Boa Vista, assumida pelo vice-prefeito Iradilson Sampaio (PPS).

Três prefeitos também mudaram de partido após a vitória em 2004. Foram os casos de José Cícero, em Maceió, que migrou para o Partido Progressista (PP); João Henrique Carneiro, que mudou do PDT para o PMDB baiano; e Dário Elias Berger, que deixou o PSDB pelo PMDB, em Florianópolis.

Dados gerais

Das 26 capitais, 11 elegeram seus prefeitos e vereadores em 2004 já no 1º Turno – Rio Branco, Macapá, São Luís, Belo Horizonte, Campo Grande, João Pessoa, Recife, Rio de Janeiro, Boa Vista, Aracaju e Palmas.

Entre os prefeitos, Cesar Maia (PFL, atual DEM), da cidade do Rio de Janeiro, manteve uma margem de 975.664 votos de diferença do segundo colocado. Na casa de 500 mil votos estão José Serra (PSDB), da cidade de São Paulo, com uma diferença de 590.027 votos; Fernando Pimentel (PT), de Belo Horizonte, com 582.407 e João Henrique Carneiro (PDT), de Salvador, com 579.292.

Em Recife, o prefeito João Paulo Lima e Silva (PT) fez uma diferença de 232.999 votos do segundo colocado. Em Aracaju, Marcelo Déda (PT) fez 139.341 votos de diferença. Em Fortaleza essa diferença baixou para 137.089 votos entre a prefeita Luizianne de Oliveira Lins (PT) e o segundo colocado.

Em Campo Grande, o prefeito Nelson Trad Filho (PMDB) se elegeu com 125.214 votos de diferença. Em Belém, essa diferença chegou a 119.440 a favor do prefeito eleito Duciomar Gomes da Costa (PTB). O prefeito de João Pessoa, Ricardo Coutinho (PSB) se elegeu com 112.541 votos de diferença.

Com menos de 100 mil votos de diferença para o segundo colocado estão: Carlos Alberto Richa (PSDB) em Curitiba, com 86.277; Iris Resende (PMDB) de Goiânia, com 82.592; Carlos Tadeu Aguiar (PDT) em São Luís, com 73.404; Sílvio Mendes (PSDB), de Teresina, com 59.382; José Fogaça (PPS) de Porto Alegre, com 53.721; José Cícero de Almeida (PDT) de Maceió, com 43.855; Maria Tereza Jucá (PPS) com 38.901; Dário Berguer (PSDB) de Florianópolis com 34.366; João Carlos Coser (PT) de Vitória com 28.410; Raul Lustosa Filho (PT) de Palmas, com 28.229 e Serafim Correa (PFL), de Manaus, com 25.187.

Abaixo dos 20 mil votos de diferença para o segundo colocado estão Rildo Alaor da Silva (PT), de Macapá, com 19.693; Wilson Pereira dos Santos (PSDB), de Cuiabá, com 15.326; Carlos Eduardo Alves (PSB) de Natal, com 14.264; Raimundo Vasconcelos (PT) de Rio Branco, com 10.943 e Roberto Eduardo Sobrinho (PT), de Porto Velho, com 2.105 votos de diferença.

Reeleitos

Seis prefeitos conseguiram se reeleger em 2004 e, portanto, não podem concorrer novamente ao mesmo cargo nas eleições deste ano. São eles João Henrique Pimentel (PT) de Macapá; Tadeu Palácio (PDT), de São Luís; João Paulo (PT), de Recife; Cesar Maia (PFL), do Rio de Janeiro; Carlos Eduardo Alves (PSB), de Natal e Marcelo Déda (PT), de Aracaju.

Entre eles, a principal característica é que a maioria foi eleita em 1º turno. Apenas Carlos Eduardo Alves se elegeu em 2º Turno. Os prefeitos de Natal e de São Luís eram vice-prefeitos e assumiram a prefeitura em 2002, quando os titulares se desincompatibilizaram para se candidatar a outros cargos. Em 2004, foram eleitos para a prefeitura, o que, para a legislação eleitoral, conta como um segundo mandato

Quadro Geral

Capital          
Prefeito/Partido
Nº de Votos
Rio Branco (AC)    
Raimundo Angelim (PT)     
69.732
Maceió (AL)         
José Cícero (PDT) – atualmente no PP                
189.697
Manaus (AM)   
Serafim Correa (PSB)          
386.767
Macapá (AP)     
João Henrique (PT)                  
65.425
Fortaleza (CE)      
Luizianne Lins (PT)                
620.174
Vitória (ES)     
João Carlos Coser (PT)                    
104.057
Goiânia (GO)         
Iris Rezende (PMDB)             
349.133
São Luís (MA)        
Tadeu Palácio (PDT)               
221.854
Belo Horizonte (MG)         
Fernando Pimentel (PT)        
872.601
Salvador (BA)   
João Henrique Carneiro (PDT) – atualmente no PMDB    
876.278
Campo Grande (MS)
Nelson Trad Filho (PMDB)             
213.195
Cuiabá (MT)           
Wilson Santos (PSDB)           
142.280 
Belém (PA) 
Duciomar Costa (PTB)
420.280
João Pessoa (PB)  
Ricardo Vieira Coutinho (PSB)         
215.649
Recife (PE)          
João Paulo Lima e Silva (PT)                    
458.846 
Curitiba (PR)
Beto Richa (PSDB)                 
494.440       
Teresina (PI)    
Silvio Mendes (PSDB)           
204.662 
Rio de Janeiro (RJ)  
Cesar Maia (DEM)              
1.728.853
Natal (RN)              
Carlos Eduardo Alves (PSB)             
192.513
Porto Velho (RO)     
Roberto Sobrinho (PT)            
90.985
Boa Vista (RR)      
Tereza Jucá (PPS) – atualmente Iradilson Sampaio – (PPS)              
63.024
Florianópolis (SC) 
Dário Elias Berger (PSDB) – atualmente no PMDB            
118.644
São Paulo (SP)        
José Serra (PSDB)           (atualmente é Gilberto Kassab – DEM)    
3.330.179
Aracaju (SE) 
                  
Marcelo Déda (PT) (atualmente é Edvaldo Nogueira - PC do B)
186.507
Palmas (TO)         
Raul Filho (PT)                      
57.244
Porto Alegre (RS)    
José Fogaça (PPS) – atualmente PMDB
431.820 

Fonte: TSE

Mais Sobre Política - Nacional

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

 Há pelo menos seis anos, setores do governo brasileiro estudam construir quatro grandes hidrelétricas, duas delas na Região Norte, uma delas em Rondô

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

A Câmara dos Deputados aprovou na noite desta segunda-feira o PL 2438/19 de autoria da deputada Mariana Carvalho (RO) e do deputado Rafael Motta que

Justiça partidária condena PT em Curitiba e blinda PSDB em São Paulo

Justiça partidária condena PT em Curitiba e blinda PSDB em São Paulo

Implacável para condenar lideranças do PT na República de Curitiba, a Justiça brasileira não mostra o mesmo furor para investigar e julgar os tucanões

FGTS: Anúncio sobre saques fica para a próxima semana, diz Onyx

FGTS: Anúncio sobre saques fica para a próxima semana, diz Onyx

O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, afirmou que o anúncio da liberação de saques das contas ativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviç