Porto Velho (RO) terça-feira, 3 de agosto de 2021
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Capacidade de produção de gás boliviano está esgotada, diz Gabrielli


Agência O Globo SÃO PAULO - O presidente da Petrobras, Sérgio Gabrielli, disse que a capacidade de produção de gás natural na Bolívia está esgotada e o governo de Evo Morales terá que atrair investimentos para cumprir com seus compromissos, principalmente os contratos com o Brasil e a Argentina, os dois maiores consumidores de gás boliviano. - Há necessidade de investimentos em exploração. São investimentos de risco que os investidores vão avaliar o risco em relação ao retorno esperado - disse Gabrielli, que não descartou futuros investimentos na Bolívia, apesar dos problemas recentes com o país vizinho. - Novos investimentos dependerão de uma avaliação de risco e retorno caso a caso. Gabrielli acrescentou que, por enquanto, o compromisso da estatal brasileira com o governo boliviano é de aplicar US$ 200 milhões nos próximos 30 anos para manter a produção de 17 milhões de metros cúbicos/dia, que são operados pelas refinarias estatizadas. Na palestra que fez no seminário Gás Summit Latin America, na capital paulista, Gabrielli demonstrou a preocupação da Petrobras com a depedência do gás boliviano. Hoje, mais da metade do gás consumido no Brasil vem da Bolívia (24 milhões metros cúbicos/dia). Para reduzir essa dependência, Gabrielli anunciou investimentos para expandir a produção local e ações para encontrar novos fornecedores internacionais de gás natural. Segundo ele, até 2011, a produção nacional deverá chegar a 71 milhões de metros cúbicos/dia - quase três vezes mais do que é produzido atualmente. Os investimentos previstos pela Petrobras na cadeia de gás natural neste período somam US$ 18,5 bilhões (US$ 11 bilhões em exploração e US$ 7,5 bilhões em infra-estrutura e transporte). A estatal também está estudando a compra ou aumento do fornecimento de gás natural da Nigéria, Argélia, Catar, Trinidad Tobago e México. Gabrielli também explicou que a Petrobras estuda alternativas para ampliar a oferta de gás natural no Cone Sul americano, região que é atendida pela Bolívia através do gasoduto Brasil-Bolívia (Gasbol). Nesse sentido, disse que poderia ser construída uma unidade de gasificação de GNL (Gás Natual Liquefeito) no estado de Santa Catarina e de outras duas unidades no Nordeste do Brasil, assim como ampliar a linha sul ga Gasbol. Após participar do seminário, Sérgio Gabrielli admitiu que a estatal poderá aceitar o pagamento pelas refinarias estatizadas na Bolívia em gás natural. Como ainda não existe uma proposta oficial do governo boliviano, Gabrielli não arriscou especificar em que condições se daria o pagamento dos US$ 112 milhões, valor estipulado para as as duas refinarias na Bolívia. - Nós esperamos que a Bolívia pague em dinheiro, provavelmente em duas parcelas. Agora, se eles quiserem pagar em gás, temos que analisar as condições desse pagamento em produto. Gás natural, para nós, é dinheiro - afirmou Gabrielli.

Mais Sobre Política - Nacional

Mariana Carvalho defende novas medidas aprovadas pelo Congresso no enfrentamento à Covid-19

Mariana Carvalho defende novas medidas aprovadas pelo Congresso no enfrentamento à Covid-19

A deputada federal Mariana Carvalho (PSDB-RO) defendeu nesta quinta-feira (2) as medidas que estão sendo aprovadas pela Câmara e pelo Senado no

Relator revisor da MP 924 - Coronavírus, Dep Lucio Mosquini destaca liberação de 5 Bilhões para enfrentamento da crise na saúde

Relator revisor da MP 924 - Coronavírus, Dep Lucio Mosquini destaca liberação de 5 Bilhões para enfrentamento da crise na saúde

O deputado federal Lucio Mosquini é o relator revisor da MP 924/2020, conhecida como MP do Enfrentamento do coronavírus. O Senador Eduardo Gomes també

Deputados federais apresentam no STF pedido de impeachment do ministro Weintraub

Deputados federais apresentam no STF pedido de impeachment do ministro Weintraub

Rede Brasil Atual - Deputados da oposição anunciaram hoje (5) que vão apresentar denúncia no Supremo Tribunal Federal (STF) contra o ministro da Edu