Porto Velho (RO) sexta-feira, 18 de janeiro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Candidatos com registros rejeitados devem perder espaço na propaganda, diz Marco Aurélio


Isabel Braga - Agência O GloboBRASÍLIA - O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Marco Aurélio Mello, disse nesta quinta-feira que, apesar de a rejeição dos registros de candidatura eleitoral pelos Tribunais Regionais Eleitorais (TREs) ainda não ser definitiva, os candidatos que tiveram os pedidos impugnados não devem aparecer na propaganda eleitoral no rádio e na TV. Segundo o entendimento do presidente do TSE, se os candidatos quiserem voltar a exibir suas propostas no horário eleitoral, terão que conseguir uma liminar na Justiça. Marco Aurélio não comentou se o tribunal terá de rever o tempo dos candidatos no horário gratuito.- Enquanto não houver medida cautelar eles não podem aparecer na propaganda eleitoral. Eles simplesmente não têm o registro já numa fase própria e a participação na propaganda pressupõe a potencialidade na participação, nas eleições. Se ele não tem o registro, portanto, é um cidadão comum, não é um cidadão candidato - disse Marco Aurélio.

Mais Sobre Política - Nacional

HASTA LA VISTA, BAMBINO

HASTA LA VISTA, BAMBINO

Césare Battisti buscou a proteção de Evo Morales, seu aliado de esquerda.

Jair Bolsanaro assina decreto e  pessoas acima de 25 anos podem ter até 4 armas de fogo

Jair Bolsanaro assina decreto e pessoas acima de 25 anos podem ter até 4 armas de fogo

A partir do decreto assinado pelo presidente Jair Bolsonaro hoje (15), no Palácio do Planalto, cidadãos brasileiros com mais de 25 anos poderão compra

O filho de Hamilton Mourão e o irmão de José Alencar: dois casos exemplares

O filho de Hamilton Mourão e o irmão de José Alencar: dois casos exemplares

São casos exemplares que demonstram comportamentos opostos dos governos

Governo de Bolsanaro vai fazer pente fino em 2 milhões de benefícios do INSS

Governo de Bolsanaro vai fazer pente fino em 2 milhões de benefícios do INSS

O governo federal vai fazer uma auditoria em 2 milhões de benefícios pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) que têm indícios de irregul