Porto Velho (RO) quarta-feira, 16 de outubro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Candidatos a presidente fazem promessas no último bloco do debate


Agência O GloboRIO - No bloco reservado para as considerações finais do debate entre os candidatos a presidente realizado nos estúdios do SBT, em São Paulo, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) voltou a listar os números do seu governo para mostrar o que considerou avanços de sua administração e alfinetou o adversário. Lula também disse que tem um sonho de transformar o "Brasil no país mais democrático no acesso a universidade". Geraldo Alckmin (PSDB) citou o ex-governador de São Paulo Mário Covas, criticou o governo Lula e prometeu gerar mais empregos.Lula iniciou os agradecimentos com uma crítica a Alckmin ao dizer que estão em discussão dois projetos de governo: - Estou pedindo a vocês que reflitam sobre dois projetos em discussão. De um lado o candidato que depois de governar o Brasil por oito anos e o estado de São Paulo por doze anos diz coisas que não pode fazer - afirmou sem completar a frase.Em seguida, o presidente listou alguns números do seu governo como os 8,4 milhões de pessoas que saíram da miséria e 7 milhões que chegaram a classe média, a criação de 5,6 milhões de empregos, o aumento de 26% no salário mínimo, a alfabetização de 5,3 milhões de brasileiros e a ampliação dos programas sociais com 11 milhões de pessoas beneficiadas pelo Bolsa Família.- Eu tenho um sonho de transformar o Brasil no país mais democrático no acesso a universidade e gerar muito mais empregos porque eu vivi duas crises na vida como trabalhador. Só peço a Deus que no dia 29 o povo reflita e vote naquilo que está vendo no Brasil. No crescimento econômico, no controle da inflação, no custo de vida. Quero transformar definitivamente o Brasil num país rico e numa das maiores democracias do mundo.Alckmin iniciou seu agradecimento dizendo que o "PT teve a sua oportunidade":- Foram quatro anos e o que vimos do ponto de vista ético foi um descalabro. Esse é um governo que não funciona. São 34 ministérios, a saúde está piorando, a segurança pública é um caso grave. Do ponto de vista do crescimento, o Brasil deixou passar a oportunidade e não está saindo do lugar, ficando parado no crescimento de 2%.O tucano disse ainda que "não vai permitir que empresas estatais sejam privatizadas por um partido político".- Isso está errado. As empresas são do povo e devem servir à sociedade. O governo não é para os companheiros. Política é serviço. Mário Covas dizia que administração primeiro é gente, segundo é gente e terceiro é gente. Se não tiver a pessoa certa no lugar certo nem com dinheiro as coisas vão funcionar.Alckmin finalizou prometendo baixar os juros e fazer o país crescer. O candidato do PSDB também disse que vai trabalhar para gerar mais empregos.- Vamos trabalhar pelo emprego. Esse é o grande problema brasileiro. Emprego é investimento. Governo gera emprego de forma complementar. Quem gera emprego são os investidores. O Brasil está com a receita errada. Vamos trabalhar para pôr a receita certa.

Mais Sobre Política - Nacional

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

 Há pelo menos seis anos, setores do governo brasileiro estudam construir quatro grandes hidrelétricas, duas delas na Região Norte, uma delas em Rondô

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

A Câmara dos Deputados aprovou na noite desta segunda-feira o PL 2438/19 de autoria da deputada Mariana Carvalho (RO) e do deputado Rafael Motta que