Porto Velho (RO) sexta-feira, 26 de abril de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Candidatos a presidente fazem promessas no último bloco do debate


Agência O GloboRIO - No bloco reservado para as considerações finais do debate entre os candidatos a presidente realizado nos estúdios do SBT, em São Paulo, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) voltou a listar os números do seu governo para mostrar o que considerou avanços de sua administração e alfinetou o adversário. Lula também disse que tem um sonho de transformar o "Brasil no país mais democrático no acesso a universidade". Geraldo Alckmin (PSDB) citou o ex-governador de São Paulo Mário Covas, criticou o governo Lula e prometeu gerar mais empregos.Lula iniciou os agradecimentos com uma crítica a Alckmin ao dizer que estão em discussão dois projetos de governo: - Estou pedindo a vocês que reflitam sobre dois projetos em discussão. De um lado o candidato que depois de governar o Brasil por oito anos e o estado de São Paulo por doze anos diz coisas que não pode fazer - afirmou sem completar a frase.Em seguida, o presidente listou alguns números do seu governo como os 8,4 milhões de pessoas que saíram da miséria e 7 milhões que chegaram a classe média, a criação de 5,6 milhões de empregos, o aumento de 26% no salário mínimo, a alfabetização de 5,3 milhões de brasileiros e a ampliação dos programas sociais com 11 milhões de pessoas beneficiadas pelo Bolsa Família.- Eu tenho um sonho de transformar o Brasil no país mais democrático no acesso a universidade e gerar muito mais empregos porque eu vivi duas crises na vida como trabalhador. Só peço a Deus que no dia 29 o povo reflita e vote naquilo que está vendo no Brasil. No crescimento econômico, no controle da inflação, no custo de vida. Quero transformar definitivamente o Brasil num país rico e numa das maiores democracias do mundo.Alckmin iniciou seu agradecimento dizendo que o "PT teve a sua oportunidade":- Foram quatro anos e o que vimos do ponto de vista ético foi um descalabro. Esse é um governo que não funciona. São 34 ministérios, a saúde está piorando, a segurança pública é um caso grave. Do ponto de vista do crescimento, o Brasil deixou passar a oportunidade e não está saindo do lugar, ficando parado no crescimento de 2%.O tucano disse ainda que "não vai permitir que empresas estatais sejam privatizadas por um partido político".- Isso está errado. As empresas são do povo e devem servir à sociedade. O governo não é para os companheiros. Política é serviço. Mário Covas dizia que administração primeiro é gente, segundo é gente e terceiro é gente. Se não tiver a pessoa certa no lugar certo nem com dinheiro as coisas vão funcionar.Alckmin finalizou prometendo baixar os juros e fazer o país crescer. O candidato do PSDB também disse que vai trabalhar para gerar mais empregos.- Vamos trabalhar pelo emprego. Esse é o grande problema brasileiro. Emprego é investimento. Governo gera emprego de forma complementar. Quem gera emprego são os investidores. O Brasil está com a receita errada. Vamos trabalhar para pôr a receita certa.

Mais Sobre Política - Nacional

Mariana reforça luta a favor de pacientes com doenças raras

Mariana reforça luta a favor de pacientes com doenças raras

A deputada Mariana Carvalho (RO) participou na quarta-feira (24) de debate promovido pela Comissão de Defesa da Pessoa com Deficiência sobre as dif

Presidente Jair Bolsonaro extingue horário de verão

Presidente Jair Bolsonaro extingue horário de verão

O Brasil não adotará mais o horário de verão a partir deste ano. O presidente Jair Bolsonaro assinou hoje (25) decreto que extingue a medida, em cerim

Senador Marcos Rogério sugere o afastamento cautelar de diretor-geral da ANTT

Senador Marcos Rogério sugere o afastamento cautelar de diretor-geral da ANTT

Na manhã desta terça-feira, durante a abertura da reunião da Comissão de Infraestrutura, o senador Marcos Rogério sugeriu o afastamento cautelar do

Cultura: Contratos de patrocínio da Petrobras passam por revisão, diz Jair Bolsonaro

Cultura: Contratos de patrocínio da Petrobras passam por revisão, diz Jair Bolsonaro

O governo federal determinou a revisão dos contratos da Petrobras que estão em vigor para patrocínios ligados ao setor de cultura. Em publicação hoje