Porto Velho (RO) sexta-feira, 13 de dezembro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Brasil deve investir em pesquisa para evitar aquecimento global, dizem especialistas



Luana Lourenço
Agência Brasil


Brasília - Para reduzir os impactos das mudanças climáticas no Brasil e garantir que as populações mais vulneráveis se adaptem às possíveis transformações no sistema climático, é preciso antes detalhar as conseqüências do aquecimento global sobre os ecossistemas do país, de acordo com representantes do governo e da sociedade civil, que participam da 3ª Conferência Nacional do Meio Ambiente.

"O IPCC [Painel Intergovernamental sobre Mudança Climática] tem seus modelos, mas são modelos de larga escala, o que nós estamos tentando fazer é buscar aprofundar, melhorar a nossa capacidade de projetar as vulnerabilidades dos vários sistemas aos potenciais impactos que a mudança do clima poderia trazer [para o Brasil]", defendeu a secretária de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental do Ministério do Meio Ambiente, Thelma Krug.

Entre as conclusões que o painel de cientistas das Nações Unidas apresentou em 2007, em seu quarto relatório, estão cenários que prevêem a savanização da Amazônia (a floresta passaria a ter estrutura semelhante a do cerrado) e a transformação do semi-árido nordestino em deserto.

De acordo com a secretária do MMA, um dos eixos da Política Nacional de Mudança do Clima, que deve ser enviada ao Congresso este ano, trata especificamente do estímulo a atividades de pesquisa e desenvolvimento relacionadas às transformações climáticas. "É fundamental que a gente conte com o apoio de pesquisas muito específicas e modelos muito específicos para o Brasil, que mostrem um perfil mais preciso sobre o nosso território", avalia.

A recém-criada Rede Brasileira de Pesquisas sobre Mudanças Climáticas Globais – Rede Clima foi citada pelo representante do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas, professor Marcos Freitas, como uma das ações fundamentais para subsidiar a elaboração das políticas públicas sobre o assunto.

A necessidade de integração entre a ciência e a realidade das populações diretamente afetadas pelos possíveis efeitos das mudanças climáticas também foi apontada pelo coordenador-geral da Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (Coiab), Gecinaldo Sateré-Maué. "É preciso uma unificação entre a academia, a ciência, o capital privado e os governos e para que a gente realmente faça uma grande revolução para salvar o nosso planeta", sugeriu.

O líder indígena listou as recentes secas na Amazônia e a mudança no intervalo de ciclos biológicos, como o início da piracema, entre os "fatos concretos" identificados pelas populações tradicionais como conseqüências do aquecimento do planeta. "A natureza já começa a mostrar fúria, isso tem que trazer uma reflexão muito grande sobre o futuro do nosso planeta. E as populações indígenas também sofrem junto com o mundo esses impactos."


 

Mais Sobre Política - Nacional

Jaqueline Cassol cobra votação da MP que garante Revalida

Jaqueline Cassol cobra votação da MP que garante Revalida

A deputada federal Jaqueline Cassol (PP-RO) cobrou do presidente Rodrigo Maia (DEM-RJ) a votação, antes que encerre o prazo, da Medida Provisórias cri

Supremo Tribunal Federal mantém decisão que proíbe gestantes em atividade insalubre

Supremo Tribunal Federal mantém decisão que proíbe gestantes em atividade insalubre

Por unanimidade e em ambiente virtual, o Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitou recurso da Advocacia-Geral da União (AGU) e manteve a decisão, tomada

Boa notícia: Lula dará ao velho amigo 1ª entrevista fora da prisão

Boa notícia: Lula dará ao velho amigo 1ª entrevista fora da prisão

Neste ano e meio que ele está preso, não tive condições de viajar a Curitiba e fiquei esperando o amigo sair da prisão para poder falar com ele, certo

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p