Porto Velho (RO) sexta-feira, 18 de janeiro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Bispo entrega carta a Lula


Agência o Globo SÃO PAULO - O bispo de Barra (BA), dom Luiz Cappio, enviou nesta quinta-feira uma carta ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva condenando a retomada do projeto de transposição do Rio São Francisco. O documento apresenta um projeto alternativo para amenizar a falta de água no semi-árido nordestino. Para o bispo, que chegou a fazer greve de fome para impedir o início do projeto, o governo pretende gastar R$ 6,6 bilhões no projeto, o que é quase 50% do que pretende alocar em recursos hídricos no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Segundo ele, o próprio presidente Lula havia lhe pedido, em audiência no Palácio do Planalto em dezembro de 2005, uma alternativa.- Agora, a gente está apresentando uma proposta com menor custo ambiental e mais favorável à população pobre do semi-árido - avaliou em entrevista na sede da Cúria Metropolitana de Brasília.Segundo o bispo, o diálogo proposto pelos movimentos sociais como alternativa ao projeto não é uma discussão apenas "ideológica".- O debate vai se dar em torno de sugestões concretas, inclusive de órgãos oficiais - ressaltou.Dom Cappio também negou querer atrapalhar o governo.- Ninguém aqui está contra o governo - disse. - A gente quer apenas ajudar o presidente a administrar o projeto e comprometer-se com as reais necessidades da população.O bispo diz na carta que deseja retomar as negociações com o governo, a quem pretende mostrar que há outras alternativas para a recuperação do Rio São Francisco. Dom Cappio protocolou a carta nesta quinta-feira no Palácio do Planalto.O Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil (Conic), a Comissão Pastoral da Terra (CPT), o Conselho Pastoral dos Pescadores (CPP), e a Cáritas declararam apoio ao bispo. Apesar de considerar um gesto isolado a atitude de Cappio, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) tem interesse em acompanhar a evolução dos diálogos entre os movimentos sociais e o governo federal para encontrar um projeto alternativo. Por meio da assessoria de imprensa, a entidade informou que respeita a liberdade de opinião de dom Cappio. No entanto, a CNBB salienta que o pronunciamento de um bispo não representa a posição de todos.Durante a entrevista coletiva do bispo de Barra, na Bahia, dom Luiz Flávio Cappio, foi anunciada uma série de mobilizações populares em defesa do Rio São Francisco.Governador discordaO governador de Pernambuco, Eduardo Campos, no entanto, afirmou nesta quinta-feira que o projeto de transposição do Rio São Francisco não pode ser paralisado.- Não podemos achar que se vai fazer uma obra desse tamanho com 100% das pessoas concordando - afirmou Campos referindo-se ao bispo de Barra (BA), dom Luiz Flávio Cappio, que esteve nesta quinta em Brasília.Já o ministro da Integração Nacional, Pedro Brito, defendeu o projeto de integração do rio São Francisco afirmando que ele não é incompatível com o projeto alternativo apresentado pelo bispo, e que o edital de licitação, que divide as obras de integração do rio São Francisco em 14 lotes, deverá ser lançado até o dia 15 de março.

Mais Sobre Política - Nacional

HASTA LA VISTA, BAMBINO

HASTA LA VISTA, BAMBINO

Césare Battisti buscou a proteção de Evo Morales, seu aliado de esquerda.

Jair Bolsanaro assina decreto e  pessoas acima de 25 anos podem ter até 4 armas de fogo

Jair Bolsanaro assina decreto e pessoas acima de 25 anos podem ter até 4 armas de fogo

A partir do decreto assinado pelo presidente Jair Bolsonaro hoje (15), no Palácio do Planalto, cidadãos brasileiros com mais de 25 anos poderão compra

O filho de Hamilton Mourão e o irmão de José Alencar: dois casos exemplares

O filho de Hamilton Mourão e o irmão de José Alencar: dois casos exemplares

São casos exemplares que demonstram comportamentos opostos dos governos

Governo de Bolsanaro vai fazer pente fino em 2 milhões de benefícios do INSS

Governo de Bolsanaro vai fazer pente fino em 2 milhões de benefícios do INSS

O governo federal vai fazer uma auditoria em 2 milhões de benefícios pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) que têm indícios de irregul