Porto Velho (RO) quarta-feira, 5 de agosto de 2020
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Bastos diz que não fica no governo, mesmo se Lula for reeleito


Plínio Teodoro - Agência O Globo SÃO PAULO - Em tom de "adeus às armas", o ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos iniciou na manhã desta terça-feira sua despedida do cargo que ocupa há 4 anos com um discurso proferido na abertura do Seminário Internacional de Ciências Criminais, que acontece em São Paulo. Em entrevista coletiva após o discurso, Thomaz Bastos confirmou sua saída do ministério em 2007, mesmo que o presidente Luis Inácio Lula da Silva (PT) seja reeleito. - Estou programado para ficar quatro anos morando e trabalhando em Brasília. Gosto muito do Ministério da Justiça. Acho que o trabalho foi muito gratificante, muito proveitoso. Lançamos as bases de novas instituições no Brasil, que estão fortes como nunca. Mas quatro anos é bastante, o Brasil tem uma safra de advogados e juristas brilhante - disse o ministro. Em seu discurso, o ministro fez um balanço da sua atuação frente ao ministério da Justiça e elogiou o trabalho do Ministério Público e da Polícia Federal. Thomaz Bastos disse que quando assumiu a pasta o país vivia uma crise mais normativa e menos institucional na área de segurança pública e que foi necessário um fortalecimento destas instituições. - Ambas (Ministério Público e Polícia Federal) necessitavam de independência, impessoalidade para atuarem como instituições representativas da República e não como representantes dos detentores do poder. Durante o discurso, o ministro passou por constrangimento ao ser indagado pela advogada Janaína Conceição Pascoal sobre a quebra de sigilo do caseiro Francenildo dos Santos Costa. - E o caso do caseiro ministro? E o caseiro - dizia a advogada que estava na platéia. O presidente do Instituto Brasileiro de Ciências Criminais (IBCCRIM), Maurício Zanoide de Moraes, que presidiu a mesa, disse à participante que assuntos políticos não seriam colocados em pauta. Mesmo assim, Thomaz Bastos fez questão de responder, no final do discurso, a indagação da participante. - O caso foi de mais absoluto êxito da Polícia Federal que, em menos de 10 dias, o desvendou e hoje encontra-se nas mãos das autoridades competentes. Fracenildo teve informações sobre seu sigilo bancário repassadas pelo Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras), órgão do Ministério da Fazenda, à Polícia Federal por supostas movimentações suspeitas. O episódio ocorreu após o caseiro afirmar que o ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci freqüentava uma mansão em Brasília que seria sede de encontros de lobistas. O caso resultou no afastamento de Palocci do cargo, acusados de ser o mandante da quebra de sigilo, e a abertura de diversos inquéritos contra o ex-ministro.

Mais Sobre Política - Nacional

Mariana Carvalho defende novas medidas aprovadas pelo Congresso no enfrentamento à Covid-19

Mariana Carvalho defende novas medidas aprovadas pelo Congresso no enfrentamento à Covid-19

A deputada federal Mariana Carvalho (PSDB-RO) defendeu nesta quinta-feira (2) as medidas que estão sendo aprovadas pela Câmara e pelo Senado no

Relator revisor da MP 924 - Coronavírus, Dep Lucio Mosquini destaca liberação de 5 Bilhões para enfrentamento da crise na saúde

Relator revisor da MP 924 - Coronavírus, Dep Lucio Mosquini destaca liberação de 5 Bilhões para enfrentamento da crise na saúde

O deputado federal Lucio Mosquini é o relator revisor da MP 924/2020, conhecida como MP do Enfrentamento do coronavírus. O Senador Eduardo Gomes també

Deputados federais apresentam no STF pedido de impeachment do ministro Weintraub

Deputados federais apresentam no STF pedido de impeachment do ministro Weintraub

Rede Brasil Atual - Deputados da oposição anunciaram hoje (5) que vão apresentar denúncia no Supremo Tribunal Federal (STF) contra o ministro da Edu