Segunda-feira, 15 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Amorim defende negociação maior com a Bolívia


Eliane Oliveira - Agência O Globo BRASÍLIA - O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, defendeu na manhã desta terça-feira a prorrogação do prazo dado pela Bolívia para que as empresas estrangeiras assinem os novos contratos inseridos no contexto de nacionalização das reservas de gás e petróleo daquele país. A data-limite é o próximo sábado e, para que a Petrobras possa cumprir o que diz o decreto assinado em maio deste ano pelo presidente Evo Morales, uma missão de funcionários brasileiros está desde o último fim de semana em La Paz tentando chegar a um entendimento. - O Brasil não está pedindo à Bolívia a prorrogação do prazo. O que nossos negociadores estão dizendo é que, em uma negociação tão complexa, as pessoas não podem ficar escravas de prazos. As negociações precisam de tempo - disse o chanceler, em sua linguagem diplomática. Ele assegurou que sua defesa em torno do prazo final nada tem a ver com o segundo turno da eleição presidencial, que ocorrerá no domingo, um dia depois da data final estabelecida pelo governo boliviano. Sobre pressões internas que Morales estaria tendo dentro de seu país que impediriam uma flexibilização da Bolívia na negociação com a Petrobras, o ministro comentou: - Pressões todos nós temos. Amorim enfatizou que o acordo a ser fechado precisa ser benéfico para os dois lados. Reafirmou que o Brasil não admitirá "decisões unilaterais e arbitrárias". - Isto não é uma ameaça, é uma realidade. Se houver flexibilização, estamos prontos a flexibilizar também. Tanto o Brasil como a Bolívia compreendem que um precisa do outro. Somos vizinhos e temos interesse em uma boa relação. Se constatar que seus interesses foram contrariados, destacou Amorim, o Brasil tomará as medidas legais. Mas não fará qualquer retaliação aos bolivianos. - Isso só serviria aos radicais dos dois lados - afirmou. Indagado se, na hipótese de o prazo não ser cumprido, haveria impacto negativo para a imagem do presidente Lula um dia antes da eleição, o ministro afirmou que o governo está sempre pronto a ouvir críticas da oposição, mas que o eleitor saberá tomar sua própria decisão. Sobre sua participação em eventos de campanha, ele deu a seguinte explicação: - Tenho dado meu apoio a um projeto nacional, com o qual muitas pessoas de minha geração, que tiveram seus ideais amputados pela ditadura e, em seguida, por um excesso de neoliberalismo, identificam-se.

Gente de OpiniãoSegunda-feira, 15 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

STF tem maioria para determinar recálculo de cadeiras na Câmara dos Deputados

STF tem maioria para determinar recálculo de cadeiras na Câmara dos Deputados

O Supremo Tribunal Federal (STF) formou nesta sexta-feira (25) maioria de votos para determinar que a Câmara dos Deputados faça a redistribuição do

Governo Federal se compromete a incluir plano de carreira da ANM na LOA 2024

Governo Federal se compromete a incluir plano de carreira da ANM na LOA 2024

O Sindicato Nacional dos Servidores das Agências Nacionais de Regulação (SInagências) conseguiu uma solução direta do governo após intensa articulaç

Deputado estadual Pedro Fernandes será o relator da CPI das Reservas em Rondônia

Deputado estadual Pedro Fernandes será o relator da CPI das Reservas em Rondônia

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Reservas foi instaurada em Rondônia para investigar possíveis irregularidades nos processos de criação

Ministro Paulo Pimenta trata sobre parceria entre Rede IFES de Comunicação Pública, Educativa e de Divulgação científica com a EBC e o Governo Federal

Ministro Paulo Pimenta trata sobre parceria entre Rede IFES de Comunicação Pública, Educativa e de Divulgação científica com a EBC e o Governo Federal

Na tarde dessa segunda-feira (06), o ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República (SECOM), Paulo Pimenta, esteve r

Gente de Opinião Segunda-feira, 15 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)