Sexta-feira, 19 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Alckmin insinua envolvimento de Lula com dossiê


Flávio Freire - Agência O Globo FLORIANÓPOLIS (SC) - O candidato do PSDB à Presidência, Geraldo Alckmin, abriu neste sábado a última semana da eleição insinuando pela primeira vez o envolvimento direto do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, seu adversário pelo PT, no escândalo para a compra de um dossiê contra os tucanos. - Já estamos no 36º dia (desde a descoberta da operação) e não se explica a origem do dinheiro. São R$ 1,75 milhão em dólares e reais, provavelmente originários da corrupção envolvendo o presidente da República - disse Alckmin. Para o tucano, o ex-assessor de risco e mídia da campanha petista Jorge Lorenzetti, apontado pela Polícia Federal como o articulador do dossiê, seria apenas um bode expiatório. - Acho que é um absurdo não aparecer a verdade até as eleições. Na realidade, o Lorenzetti é um bode expiatório, isso tudo é muito mais amplo, muito mais grave - disse ele, antes de um evento com militantes em Florianópolis (SC). Alckmin disse ainda que o presidente age em meio ao episódio do dossiê "sacrificando amigos para livrar a própria pele". Ele acusa o presidente de utilizar essa "tática" desde os primeiros escândalos, sugerindo também que Lula não poupou ex-colegas de partidos para evitar que as denúncias de corrupção riscasse sua imagem. - O Lula sempre sacrifica os amigos para salvar a própria pele. Isso aconteceu em todos os escândalos. Acho que há um desmando no governo, onde os fins justificam os meios. O presidente sempre posa de santinho. Os amigos (dele) é que são os mauzinhos. Ao chegar a Florianópolis, acompanhado do governador reeleito de Minas Gerais, o tucano Aécio Neves, e do candidato à reeleição em Santa Catarina, Luiz Henrique da Silveira (PMDB), Alckmin foi recepcionado com um protesto inusitado. Cerca de 20 representantes da Juventude Tucana o aguardavam segurando chuveiros da marca Lorenzetti, numa alusão ao sobrenome do assessor de risco da campanha do PT. Aécio também engrossou as críticas ao governo federal: - Não podemos continuar assistindo no país todo esse desmando, irresponsabilidade e corrupção - disse o governador mineiro, que adiantou que estará presente em muitos eventos ao lado de Alckmin nesta próxima semana. Ele acompanharia o candidato à noite a Porto Alegre (RS) e disse que estaria também na platéia do debate de amanhã, na TV Record. Mais cedo, em Joinville, Alckmin classificou a demora para descobrir a origem do dinheiro para compra do dossiê como um "deboche" do governo. Alckmin ainda sugeriu que o ex-ministro José Dirceu mantém ingerência sobre o governo e que o secretário particular do presidente, Gilberto Carvalho, mostrou que sabia do envolvimento de pessoas do PT no esquema quando telefonou para obter informações sobre a prisão do petista Gedimar Passos a Jorge Lorenzetti, antes mesmo de o nome de Lorenzetti ser envolvido no caso. - É claro que todos eles sabem a origem do dinheiro e que talvez seja pior falar a verdade do que esconder. Estão debochando do povo brasileiro, é evidente. Agora cabe à Polícia apresentar isso rapidamente à sociedade - disse Alckmin, antes de uma carreata que reuniu cerca de 50 carros pelas ruas da cidade. Alckmin acusou o governo de ser conivente com o esquema, o que, na sua opinião, explicaria o fato de a investigação se arrastar por mais de um mês. - É muita mentira, omissão e conivência do governo com casos graves. Sobre a informação de que José Dirceu telefonou para Lorenzetti durante as investigações da PF, o tucano sugeriu que, mesmo fora do governo, o ex-ministro da Casa Civil continua com influência na gestão Lula. Para Alckmin, "quem mandava" no governo era Dirceu, daí a tese de que ele não teria ficado de fora das negociações para a compra do dossiê. - Não sou especialista no governo, mas é óbvio que quem mandava no governo, era o ministro forte. Ainda em Joinville, Alckmin disse que não comentaria reportagem publicada neste final de semana pela revista "Veja" de que o filho do presidente, Fábio Luiz da Silva, agiria como uma espécie de lobista infiltrado no governo para beneficiar empresas privadas. - Não li a reportagem, não tenho o que comentar.

Gente de OpiniãoSexta-feira, 19 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

STF tem maioria para determinar recálculo de cadeiras na Câmara dos Deputados

STF tem maioria para determinar recálculo de cadeiras na Câmara dos Deputados

O Supremo Tribunal Federal (STF) formou nesta sexta-feira (25) maioria de votos para determinar que a Câmara dos Deputados faça a redistribuição do

Governo Federal se compromete a incluir plano de carreira da ANM na LOA 2024

Governo Federal se compromete a incluir plano de carreira da ANM na LOA 2024

O Sindicato Nacional dos Servidores das Agências Nacionais de Regulação (SInagências) conseguiu uma solução direta do governo após intensa articulaç

Deputado estadual Pedro Fernandes será o relator da CPI das Reservas em Rondônia

Deputado estadual Pedro Fernandes será o relator da CPI das Reservas em Rondônia

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Reservas foi instaurada em Rondônia para investigar possíveis irregularidades nos processos de criação

Ministro Paulo Pimenta trata sobre parceria entre Rede IFES de Comunicação Pública, Educativa e de Divulgação científica com a EBC e o Governo Federal

Ministro Paulo Pimenta trata sobre parceria entre Rede IFES de Comunicação Pública, Educativa e de Divulgação científica com a EBC e o Governo Federal

Na tarde dessa segunda-feira (06), o ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República (SECOM), Paulo Pimenta, esteve r

Gente de Opinião Sexta-feira, 19 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)