Porto Velho (RO) quarta-feira, 14 de novembro de 2018
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Agricultor espera que Lula reeleito resolva velhos problemas


Roberto Samora - Agência O GloboSÃO PAULO (Reuters) - Os produtores de grãos se viram diante de uma grave crise no governo Luiz Inácio Lula da Silva, e agora integrantes do agronegócio esperam que o presidente reeleito tenha aprendido lições que o levem a agir para devolver a competitividade e o crescimento ao setor.``A nossa expectativa é de que o governo tenha entendido. Obviamente que com a crise foi dada visibilidade... Mostramos as razões da crise. Quem sabe nossas angústias possam ter se incorporado à equipe do governo'', afirmou Homero Pereira, presidente da Famato (Federação da Agricultura de Mato Grosso).Com o fortalecimento do real frente ao dólar durante o governo Lula, o setor agrícola de Mato Grosso passou do céu ao inferno, pois o câmbio desfavorável às exportações expôs graves ineficiências como os problemas de infra-estrutura e logística do Centro-Oeste.``Queremos que o governo olhe para a agricultura de maneira definitiva, que termine a BR-163 e a BR-158, que amplie as ferrovias'', disse Rui Prado, presidente da Aprosoja-MT (Associação dos Produtores de Soja de Mato Grosso).O governo socorreu o setor com medidas ``paliativas'', segundo Pereira, como a renegociação de dívidas e o apoio à comercialização da soja. Mas muito ainda precisa ser feito para resolver o endividamento, como a agilização da liberação de recursos do FAT Giro-Rural, acrescentou o dirigente.``Precisamos que as medidas estruturantes sejam concluídas, que o governo resolva com obras o problema de logística'', ressaltou Prado, observando que a ``diminuição de custos'' com melhora na infra-estrutura é fundamental para o setor.Ainda na linha de aumentar a competitividade, os agricultores afirmaram que o governo deveria reduzir a burocracia para aprovação de agroquímicos, diminuir a carga tributária sobre combustíveis, implantar um seguro rural que possa ``assegurar a renda'' e melhorar as condições de financiamento a juros controlados dos grandes produtores.``No financiamento, os recursos só cobrem 20 por cento da demanda. Oitenta por cento da safra tem de ser financiada no mercado, onde o produtor fica à mercê de juros desleais'', acrescentou Pereira, que é filiado ao PPS, partido que reelegeu em Mato Grosso Blairo Maggi, que apoiou a reeleição de Lula.MENOS AFETADOS TAMBÉM REIVINDICAM Mesmo os setores onde a crise não chegou com tanta força por causa da alta de preços internacionais querem medidas do governo para ampliar os mercados e a competitividade do agronegócio.``Esperamos que as negociações internacionais para a Alca (Área de Livre Comércio das Américas), que as negociações com a União Européia, que as conversas para a (retomada da) Rodada de Doha sejam levadas mais com ênfase na área comercial do que na política'', disse Ademerval Garcia, presidente da Abecitrus (Associação Brasileira dos Exportadores de Cítricos).``Seria bom que fosse eliminada a ideologia que permeou as negociações durante o primeiro mandato'', completou ele, pouco otimista sobre uma mudança de postura dos negociadores brasileiros, que poderiam abrir mais mercado para o suco de laranja. Garcia, assim como o diretor executivo do Conselho Nacional do Café (CNC), Alberto Portugal, querem um câmbio mais favorável ao exportador. ``Os agricultores dão alimento barato ao país. Eles deveriam ser recompensados'', disse Portugal.``O que se espera é que seja estabelecida uma verdade cambial, o que existe hoje é algo fora da realidade'', acrescentou o presidente da Abecitrus.SORRISO AÇUCARADOEntretanto, com o ``boom'' do açúcar e do álcool, o presidente da Unica (União da Agroindústria Canavieira de São Paulo), Eduardo Pereira da Carvalho, afirmou que o setor busca por continuidade da política governamental.``A reeleição do presidente Lula é um renovado voto de confiança no álcool'', disse ele, que está otimista sobre o aumento da mistura do combustível derivado da cana na gasolina, um ato que ajudaria a sustentar os preços. ''Nós tivemos uma boa relação com o governo nos últimos quatro anos e esperamos que ela continue'', disse Carvalho, notando que Lula tem ajudado a promover o álcool no exterior.

Mais Sobre Política - Nacional

JUÍZA SUBSTITUTA DE MORO NEGA PEDIDO DE LULA PARA SER INTERROGADO DE NOVO

JUÍZA SUBSTITUTA DE MORO NEGA PEDIDO DE LULA PARA SER INTERROGADO DE NOVO

A juíza federal substituta Gabriela Hardt negou, nesta terça-feira (13), o pedido da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para que ele

Bolsonaro anuncia o general Fernando Azevedo e Silva para a Defesa

Bolsonaro anuncia o general Fernando Azevedo e Silva para a Defesa

A pasta seria ocupada inicialmente pelo general Augusto Heleno

Projeto de Mariana Carvalho isenta motorista de novos exames dentro da validade da CNH

Projeto de Mariana Carvalho isenta motorista de novos exames dentro da validade da CNH

O exame tem validade de cinco anos para condutores com menos de 65 anos.