Porto Velho (RO) quinta-feira, 16 de agosto de 2018
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

ABTA pede ao Cade que impeça negócio entre Telefônica e TVA


Agência O GloboBRASÍLIA - A Associação Brasileira de TV por Assinatura (ABTA) pediu anteontem ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) do Ministério da Justiça o veto à compra de ativos da TVA pela Telefônica. O pedido de liminar foi feito antes mesmo que a Anatel dê seu parecer sobre o negócio, anunciado em outubro passado, e refere-se tanto ao acordo societário quanto a uma parceria comercial firmada entre as empresas.A ABTA solicitou ainda que o Cade impeça os executivos das empresas de trocar informação sobre os setores em que atuam. A entidade não quer que os executivos da Telefônica e da TVA encontrem-se, façam reuniões conjuntas, nem troquem e-mails ou qualquer tipo de correspondência. Pediu ainda que as operadoras sejam proibidas de fazer anúncios conjuntos.A Telefônica ofereceu cerca de R$ 1 bilhão ao grupo Abril, controlador da TVA, para ficar com 100% da unidade de MMDS (microondas) e parte dos ativos de cabo da operadora de TV, com o objetivo de estruturar uma oferta combinada de serviços de vídeo, internet e telefonia. Enquanto os reguladores não se manifestam, as operadoras anunciaram em janeiro um acordo comercial por meio do qual passaram a distribuir em conjunto seus produtos de banda larga e TV.O julgamento do caso levará o Cade a definir pela primeira vez um posicionamento sobre a convergência tecnológica. O órgão de defesa da concorrência também terá de analisar em breve a proposta de compra da WayTV, operadora de TV a cabo de Belo Horizonte, pela Oi (ex-Telemar), apesar de o negócio não ter recebido a necessária anuência prévia da Anatel.O argumento da ABTA é o de que o negócio entre a Telefônica e a TVA acarretará prejuízos à concorrência nos três grandes mercados onde está ocorrendo a convergência: voz, banda larga e TV paga." A compra da TVA pela Telefônica aumentará o monopólio no serviço de voz, consolidará o domínio de mercado na banda larga e impedirá a concorrência na TV por assinatura " , atacou o advogado da ABTA, Pedro Dutra. " Trata-se de uma compra defensiva para impedir o crescimento da concorrente " , afirmou, fazendo referência à Net.Segundo Dutra, a Telefônica teria como objetivo impedir o crescimento da Net em telefonia fixa e banda larga. O advogado também afirmou ao órgão antitruste que a operadora já obteve na Anatel a licença para atuar em DTH (TV via satélite) e com a TVA ampliaria ainda mais sua participação, pois atuaria também em MMDS e cabo.O diretor jurídico do grupo Abril, Arnaldo Tibyriçá, disse ontem que ainda não havia tido acesso ao teor do documento entregue pela ABTA. Segundo ele, a reação já era esperada. " Nosso entendimento sempre foi o de que a parceria levantaria o ânimo dos concorrentes. Mas ela se assemelha muito à de nosso principal competidor, a Net [controlada pela Globo e que tem o grupo mexicano Telmex como seu segundo maior acionista. "Segundo Tibyriçá, a Abril e a Telefônica estão tranqüilas quanto à regularidade do acordo que firmaram. " Não podemos entrar em aventuras. Um é um grupo de mídia, que vive de sua credibilidade, e o outro um grande investidor com ações em bolsa " , destacou. O executivo disse estar decepcionado com a ATBA, da qual a TVA é associada. " Ela decidiu deixar para trás a tradição de se abster das questões de seus associados " , observou.(Juliano Basile e Talita Moreira | Valor Econômico)

Mais Sobre Política - Nacional

 Moro age como se fosse autoridade superior, diz Favreto no CNJ

Moro age como se fosse autoridade superior, diz Favreto no CNJ

O desembargador do TRF-4 Rogério Fraveto, que em 8 de julho determinou a soltura do ex-presidente Lula, decisão que não foi cumprida, disse, em sua de

Grupo Abril pede recuperação judicial

Grupo Abril pede recuperação judicial

O grupo Abril entrou com um pedido recuperação judicial nesta quarta-feira (15); plano de recuperação judicial será mostrado aos credores em até 60 di

Sonegação de R$ 26 bi do Itaú vai a julgamento. É a maior da história

Sonegação de R$ 26 bi do Itaú vai a julgamento. É a maior da história

Está revogada a decisão do Carf que havia livrado o banco de pagamento de multa de R$ 26 bilhões por sonegação de impostos; é a maior da história...

Bancários se manifestam em Brasília em defesa de bancos públicos

Bancários se manifestam em Brasília em defesa de bancos públicos

Bancários protestam contra as resoluções da Comissão Interministerial de Governança Corporativa e de Administração de Participações Societárias da Uni