Porto Velho (RO) quinta-feira, 26 de novembro de 2020
×
Gente de Opinião

Polícia

Roubo de diamantes, dinheiro e cheques é elucidado pelo GIC em Porto Velho



Depois de intensas buscas, campanas, investigações, informações obtidas dentro e fora do Estado, policiais do GIC – Grupo de Investigações e Capturas, da Sesdec – Secretaria de Segurança do Estado, prenderam Enio Miranda Pereira de Sousa, o “Orelha”. Este levou os policiais até a residência de Gerlan Santos Alves Leite, 43, na última terça-feira, por volta das 13 horas, na Rua D. Pedrito, bairro Escola de Polícia, onde a equipe apreendeu 16 munições de calibre 9mm de uso restrito, além de cem cartuchos deflagrados. Gerlan também foi conduzido a delegacia e flagranteado.

Com as informações repassadas ao GIC por Enio Pereira, foi possível localizar além de Gerlan, outros envolvidos no caso. Ledo, Renato, Thiago Lobo Hilorca, o Tiaguinho e Alexandre da Silva Maia, o Seu Maluco. Eles são acusados de ter participado do roubo à residência de José Rodrigues, no dia 24 de maio deste ano, de onde levaram mais de R$ 200 mil e várias pedras de diamante.

Tiago nega participação no roubo, pois segundo ele, estava recolhido na Colônia Penal. Gerlan também negou ter participado do roubo e de ter emprestado dinheiro a Enio.

Em depoimento ao delegado Jeremias Mendes, titular do GIC, a reportagem apurou que Enio Miranda Pereira de Sousa, o “Orelha”, sabia que a vítima possuía dinheiro em sua casa, haja vista emprestar a terceiros mediante vantagens financeiras, como também, diamantes.

Para realizar a “parada”, contou com a participação de Gerlan – mentor do plano criminoso – Seu Maluco, Ledo, Renato e Thiago. A trama começou com uma informação de um homem conhecido por Jack e outro Frank, este proprietário de uma loja de Auto Peças em Porto Velho.

O roubo

Enio confirmou ao delegado do GIC e sua equipe que na madrugada do roubo, utilizaram o veículo Voyage, de cor Branca, pertencente ao Gerlan, apreendido pela polícia. A arma era uma pistola que estava em poder de Seu Maluco, na hora do assalto. Ele disse ainda ao delegado que ficou do lado de fora da casa dando cobertura, enquanto Gerlan, Renato e Seu Maluco faziam o assalto. Depois do roubo eles colocaram os objetos roubados dentro de uma bolsa que fora levado exclusivamente para acomodar os objetos de valores. 


Sabiam de tudo


Como sabiam das atividades e cotidiano da vítima, eles permaneceram dentro da casa por, aproximadamente, 20 minutos. Utilizando-se da prática em agir na criminalidade, eles subiram no muro por uma laje de um cômodo que pertence a uma fábrica de manilha, existente ao lado da casa da vítima e entraram na residência. Depois fugiram e foram comemorar o feito na casa de outro envolvido, no conjunto 4 de janeiro. Ao abrirem a sacola, viram um revolver, dinheiro e diamantes.

Divisão

O acusado Enio informou a equipe do GIC que a distribuição foi feita da seguinte forma: Gerlan ficou com os diamantes e mais de R$ 50 mil em dinheiro; Enio ficou com R$ 20 mil em dinheiro; Seu Maluco ficou com mais de R$ 50 mil em dinheiro; e Renato ficou com a quantia aproximada de R$ 55 mil. Com relação aos diamantes, Gerlan assumiu que iria vender e depois repartir o lucro do roubo. Ele havia viajado para o interior do Estado para vender os diamantes, por considerar que a vítima já tinha registrado ocorrência policial e, se tentasse vender os diamantes em Porto Velho correria risco.

Investimento em casa, carro e droga

Diferente de outros criminosos que roubam para compra e uso de substância entorpecente, Enio disse que investiu parte do dinheiro adquirido no roubo. Comprou uma residência, no bairro Guaporé, localizada na Rua Joaquim da Rocha, por R$ 11 mil e com o restante do dinheiro comprou um veículo Corsa, ano 95, cor Branca, placa NBF-9999, pelo valor de R$ 13 mil.

Brincando com o dinheiro alheio, o acusado em seu depoimento afirmou que parte do dinheiro para compra do veículo, cerca de R$ 4 mil, pediu emprestada de Gerlan.

Já o acusado Gerlan, comprou um veículo Saveiro cor branca, placa CSQ-7885. Renato, mais experto, comprou um veículo Astra, cor cinza escuro, 4 portas, que posteriormente fora apreendido por estar sendo conduzido por pessoa não habilitada. Com relação a Seu Maluco, após pegar sua parte, no dia seguinte fora para Bolívia, comprar substância entorpecente para vender.

Troca

Para despistar os amigos e a Polícia o acusado trocou o veiculo Corsa em uma motocicleta CG-125/FAN,cor preta, ano 2009, placa NEE-2586, sendo que, o Carro entrou no negócio pelo valor de R$ 6 mil, por estar danificado, para uma pessoa conhecida como Pedro, morador do bairro Guaporé. A motocicleta fora apreendida pelos policiais do GIC. Os acusados foram assistidos em seus depoimentos por advogados. 

O roubo

Consta no Boletim de Ocorrências registrado pela vítima, José da Rocha Rodrigues, em maio deste ano, que ele estava em sua residência por volta das 4 horas do dia 24, e foi surpreendido por dois elementos, um deles de arma em punho, anunciando o roubo. A vítima foi amarrada e jogada em uma sala.

Os acusados levaram segundo José Rocha, cerca de R$ 140 mil em espécie, 200 gramas de diamantes no valor aproximado de R$ 50 mil. Eles fugiram tomando rumo ignorado.

Depois que os suspeitos saíram ele foi socorrido pela mulher. Em uma nova busca no interior da residência notou a falta de dois cheques do Banco do Brasil, em valores acima de R$ 10 mil.


Fonte: GIC – RO.

Mais Sobre Polícia

5º Batalhão da PM realiza formatura alusiva aos 27 anos, nesta sexta (23)

5º Batalhão da PM realiza formatura alusiva aos 27 anos, nesta sexta (23)

O 5º Batalhão de Polícia Militar de Rondônia (5º BPM – Batalhão Belmont) realiza, nesta sexta-feira (23), às 19h, a formatura militar alusiva ao seu

Operação Arinna do MP/SP: PRF e RFB participam da operação para desarticular organização criminosa atuante na adulteração de combustível

Operação Arinna do MP/SP: PRF e RFB participam da operação para desarticular organização criminosa atuante na adulteração de combustível

Na manha de hoje (21), a Polícia Rodoviária Federal participou da Operação Arinna, deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime O