Porto Velho (RO) sábado, 5 de dezembro de 2020
×
Gente de Opinião

Polícia

Natan Donadon se apega a livros religiosos em penitenciária


RANIER BRAGON
MÁRCIO FALCÃO
Folha de São Paulo

 

Três dias após se entregar a policiais federais em um ponto de ônibus de Brasília, no fim de junho, o deputado federal Natan Donadon (RO) recebeu, no Complexo Penitenciário da Papuda, sua primeira visita no cárcere.

Uma comitiva de funcionários da Câmara tentava notificá-lo do início do processo de cassação de seu mandato.

  Editoria de Arte/Folhapress  
Gente de Opinião

Já sem o terno, a gravata e o broche de metal dourado banhado a ouro que identifica os deputados --seu traje quando se entregou--, ele vestia camisa e bermudas brancas, padrão da penitenciária.

A exatos 17 km do gabinete de 36 m² com computadores, poltronas e TVs que ocupava na Câmara, Donadon ouviu as explicações da notificação por meio de uma pequena abertura que, na sala a que foi conduzido, permitia que se comunicasse com a visita.

Pouco depois, voltou à cela individual de 6 m² com cama, sanitário e chuveiro, na ala apelidada "Cascavel".

O setor abriga internos considerados perigosos, daí o apelido, ou que por algum motivo não podem se misturar. Um congressista preso seria certamente alvo de achaques e agressões, dizem familiares e advogados dele.

"O que aparentemente é uma regalia acaba sendo um castigo maior ainda. Como diz a música do Alceu Valença, 'a solidão é fera/a solidão devora'", diz Cleber Lopes, um dos advogados do empresário Carlos Cachoeira, que passou 266 dias numa cela individual da penitenciária.

A Papuda diz que a cela individual decorre do status de deputado. Status esse que está prestes a ser removido.

BODE EXPIATÓRIO

O paranaense Natan Donadon, 46, está em seu terceiro mandato como deputado federal, mas sempre pertenceu ao chamado "baixo clero".

A modesta carreira contrasta com o fato de, desde 28 de junho, ser o primeiro congressista-presidiário pós-ditadura militar. Condenado pelo Supremo Tribunal Federal a mais de 13 anos, ele deve ficar em regime fechado pelo menos até setembro de 2015.

Sua condenação se deu sob a acusação de ter desviado R$ 8,4 milhões da Assembleia de Rondônia por meio de contratos de publicidade fraudulentos. Seus advogados tentarão diminuir a pena em um processo de revisão criminal.

"Houve violação ao princípio da isonomia. Acusados pelos mesmos crimes foram condenados a penas muito menores", afirma um dos advogados, Nabor Bulhões.

A mulher de Donadon, Rosângela, pede que a justiça seja feita. "Como estavam ouvindo as vozes das ruas, como tinham que dar uma resposta à sociedade, pegaram ele como bode expiatório. O processo do mensalão não teve nenhum condenado com uma pena dessa [na verdade,cinco réus do mensalão tiveram pena superior], daí já se vê o disparate", diz ela, que o visita todas as quartas.

Rosângela nega que ele tenha se abatido e diz que o deputado, que é evangélico, passa o tempo lendo a Bíblia e o livro "Deus Trabalha no Turno da Noite", do pastor da Igreja Quadrangular Ron Mehl (1944-2003), que traz mensagens de conforto.

Congressistas afirmaram ter ouvido relatos de que presos de celas vizinhas têm submetido Donadon a terrorismo psicológico, gritando ameaças, o que a mulher e a defesa dizem não ter ouvido dele.

O congressista não tem recebido visitas de políticos, foi expulso do PMDB, teve cortados o salário de R$ 26,7 mil, as verbas e os funcionários.

As portas do gabinete 239, onde ainda está a placa com seu nome e a bandeira de Rondônia, ficam trancadas.

Até os ex-aliados dizem que ele será cassado ainda neste mês. Diante desse clima, seu suplente, o ex-ministro Amir Lando (PMDB-RO), foi à Câmara há algumas semanas tentar assumir de uma vez a vaga. Foi convencido a esperar a cassação do colega.

FALTAS

Para Natan Donadon ser cassado, será preciso o voto de ao menos 257 de seus 512 colegas deputados.

Caso a cassação não ocorra nessa fase, a Câmara irá tirar seu mandato por faltas --a Constituição prevê essa medida quando as ausências superam um terço das sessões do ano. Ele já faltou em 15,8%.

Com isso, Donadon deve ser o 18º deputado a ter o mandato retirado pelo plenário da Câmara desde a Constituição de 88 --na lista está, por exemplo, o ex-ministro José Dirceu (PT), condenado no mensalão.

Fonte: Jornal Folha de São Paulo
 

Mais Sobre Polícia

5º Batalhão da PM realiza formatura alusiva aos 27 anos, nesta sexta (23)

5º Batalhão da PM realiza formatura alusiva aos 27 anos, nesta sexta (23)

O 5º Batalhão de Polícia Militar de Rondônia (5º BPM – Batalhão Belmont) realiza, nesta sexta-feira (23), às 19h, a formatura militar alusiva ao seu

Operação Arinna do MP/SP: PRF e RFB participam da operação para desarticular organização criminosa atuante na adulteração de combustível

Operação Arinna do MP/SP: PRF e RFB participam da operação para desarticular organização criminosa atuante na adulteração de combustível

Na manha de hoje (21), a Polícia Rodoviária Federal participou da Operação Arinna, deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime O