Porto Velho (RO) terça-feira, 21 de maio de 2019
×
Gente de Opinião

Justiça

STJ: Maioria decide reduzir pena do ex-presidente Lula


Reuters/Adriano Machado/Direitos Reservados - Gente de Opinião
Reuters/Adriano Machado/Direitos Reservados

A maioria dos ministros da Quinta Turma  do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu hoje (23) reduzir a condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no caso do triplex do Guarujá (SP).

Até o momento, os ministros Félix Fischer, relator do recurso da defesa, os ministros Jorge Mussi e Reynaldo Soares da Fonseca entenderam que a pena do ex-presidente deve passar de 12 anos e um mês de prisão, como foi definido pela segunda instância da Justiça Federal, para 8 anos e 10 meses.

De acordo com a maioria, a pena de Lula foi elevada de forma desproporcional na segunda instância. O julgamento continua para a tomada do último voto, do ministro Ribeiro Dantas.

Pela condenação a 12 anos e 1 mês de prisão, Lula está preso desde abril do ano passado na carceragem da Superintendência da Polícia Federal (PF) em Curitiba (PR). A prisão foi determinada pelo então juiz Sergio Moro, com base no entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF) que autorizou a prisão após o fim de recursos na segunda instância.

Mesmo com a decisão do STJ, Lula deve continuar preso pelo mesmo entendimento, mas terá direito mais rápido à progressão de regime, quando cumprir um sexto da pena e passar para o regime semiaberto, fato que deve ocorrer em setembro.

Condenação

Lula foi condenado sob a acusação de receber um apartamento tríplex no Guarujá da Construtora OAS. O total de vantagens indevidas, segundo a acusação, somando reformas no imóvel, foi de mais de R$ 3,7 milhões. A condenação do ex-presidente foi pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro.

Na sentença, Lula foi condenado a 9 anos e seis meses de prisão pelo então juiz Sergio Moro, que julgou que as vantagens recebidas estavam relacionadas a desvios na Petrobras. A pena depois foi aumentada pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), segunda instância da Justiça Federal, para 12 anos e um mês de prisão - 8 anos e 4 meses pelo crime de corrupção passiva e 3 anos e 9 meses por lavagem de dinheiro.

Mais Sobre Justiça

Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais Juíza de Barão de Cocais dá prazo de 72 horas a mineradora

Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais Juíza de Barão de Cocais dá prazo de 72 horas a mineradora

A juíza de Barão de Cocais, Fernanda Chaves Carreira Machado, deu prazo de 72 horas para que a Vale S.A apresente o estudo de dam break, prevendo os i

MPRO e Fórum Popular de Mulheres realizam Projeto Fala Man@s no Jardim Santana em Porto Velho

MPRO e Fórum Popular de Mulheres realizam Projeto Fala Man@s no Jardim Santana em Porto Velho

O Ministério Público de Rondônia e o Fórum Popular de Mulheres realizaram no último domingo (19/01), no bairro Jardim santana, zona Leste de Por

Novo Procurador-Geral de Justiça do MPRO diz que vai priorizar o combate à corrupção e às organizações criminosas em sua gestão

Novo Procurador-Geral de Justiça do MPRO diz que vai priorizar o combate à corrupção e às organizações criminosas em sua gestão

O Colégio de Procuradores de Justiça do Ministério Público do Estado de Rondônia deu posse, nesta sexta-feira, dia 17 de maio, ao Promotor de Justi

Acusados de estuprar Nayara são absolvidos pelos Jurados

Acusados de estuprar Nayara são absolvidos pelos Jurados

Depois de dois dias de julgamento foi encerrado, nessa quinta-feira, 16, o segundo júri do caso Nayara Karine, estudante de jornalismo morta e estupra