Porto Velho (RO) quarta-feira, 8 de abril de 2020
×
Gente de Opinião

Direito - Gente de Opinião

Direito

Presidente da OAB/RO comemora início da vigência da Lei de Abuso de Autoridade/RO


Presidente da OAB/RO comemora início da vigência da Lei de Abuso de Autoridade/RO - Gente de Opinião

Entrou em vigor nesta sexta-feira(03), a Lei de Abuso de Autoridade (Lei nº 13.869/2019). A partir de agora, uma série de condutas por parte dos agentes públicos do país será considerada crime, entre elas a violação das prerrogativas da Advocacia previstas no Estatuto da OAB.

Para o presidente da Seccional Rondônia da OAB (OAB/RO), Elton Assis, essa Lei representa uma vitória para a advocacia e para a sociedade, uma vez que a criminalização da violação às prerrogativas dos advogados é uma luta antiga da Ordem. “Com as medidas aprovadas na nova Lei, passam a ser tipificados como abuso de autoridade vários atos que impedem o advogado de executar o livre exercício da profissão. Agora temos mais um amparo, e isto só tende a beneficiar a sociedade, a advocacia e a solidez da Constituição Federal”, comenta.

Elton Assis reforça que a Lei de Abuso de Autoridade fortalece o direito constitucional à ampla defesa e ao contraditório, permitindo que haja equidade entre as partes e legitima as ações dos agentes públicos impedindo eventuais abusos que maculam a democracia brasileira.

De acordo com a Lei, para tornar as condutas criminosas, é necessário que o ato seja praticado com a finalidade de prejudicar alguém, beneficiar a si mesmo, a outra pessoa ou que seja motivado por satisfação pessoal ou capricho. O texto prevê ainda, multa e possível prisão como forma de punição.

Dentre as medidas da nova lei estão a divulgação de gravação sem relação com a prova que se pretenda produzir; punição de agentes por decretar condução coercitiva de testemunha ou investigado antes de intimação judicial; continuar interrogando suspeito que tenha decidido permanecer calado ou que tenha solicitado a assistência de um advogado; promover escuta ou quebrar segredo de justiça sem autorização judicial; interrogar à noite quando não é flagrante; e procrastinar investigação sem justificativa.

Podem ser sujeitos à sanção por abuso de autoridade membros dos Poderes Legislativo, Judiciário e Executivo, membros do Ministério Público, de tribunais ou conselhos de contas, servidores públicos, militares ou pessoas a eles equiparadas.

O Ministério Público continua responsável pela denúncia. Mas se o órgão não acionar o Poder Judiciário, a vítima tem seis meses para ingressar com ação privada.

Mais Sobre Direito

OAB requer ao Judiciário suspensão de prazos e audiências como forma de contenção ao Coronavírus

OAB requer ao Judiciário suspensão de prazos e audiências como forma de contenção ao Coronavírus

Em ofício assinado nesta manhã (17), pelo presidente da Seccional Rondônia, Elton Assis, a OAB/RO requereu ao Poder Judiciário providências acerca de

Escritórios trabalhistas conciliam produtividade com bem estar

Escritórios trabalhistas conciliam produtividade com bem estar

Uma Ferramenta que vem sendo cada vez mais utilizada por empresas e escritórios, à medida em que avançam os estudos, comprovando sua eficácia no comba

OAB protocola pedido para atualização do teto máximo da RPV paga pelo Estado de RO nas demandas judiciais

OAB protocola pedido para atualização do teto máximo da RPV paga pelo Estado de RO nas demandas judiciais

O teto máximo para pagamentos das Requisições de Pequeno Valor (RPV) das sentenças transitado em julgado quando o estado de Rondônia é réu, está lim

TRE-RO normatiza sustentação oral por videoconferência nas sessões de julgamento

TRE-RO normatiza sustentação oral por videoconferência nas sessões de julgamento

Foi aprovada na sessão plenária do último dia 11, a Resolução 9, que regulamenta a realização de sustentações orais por meio de videoconferência nas s