Porto Velho (RO) quarta-feira, 21 de novembro de 2018
×
Gente de Opinião

Polícia

Dodge pede 12 anos de prisão para o senador Raupp


Gente de Opinião

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu na última sexta-feira (13) a condenação do senador Valdir Raupp (MDB-RO) e de seus assessores parlamentares Maria Cléia Santos de Oliveira e Pedro Roberto Rocha. Os três foram denunciados por por crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, em desdobramentos das investigações da Operação Lava Jato.

Dodge pede 12 anos de prisão para o senador Raupp - Gente de Opinião

Dodge pede doze anos de reclusão ao emedebista e pagamento de multa de 1 milhão de reais. Clique e AQUI e leia matéria de André Siqueira da Revista Veja.


Dodge pede 12 anos de prisão para o senador Raupp - Gente de Opinião

Denúncia contra líderes do MDB
deve ser recebida pelo STF, defende PGR

Em resposta a alegações das defesas de senadores e executivos, Raquel Dodge afirma competência da acusação enviada ao Supremo

Gente de Opinião

Antonio Augusto / Secom/PGR

A Procuradoria-Geral da República (PGR) enviou, nesta segunda-feira (16), réplica às alegações da defesa de quatro senadores, dois ex-senadores e três executivos de empreiteiras envolvidos em crimes de corrupção passiva e ativa, e lavagem de dinheiro, entre 2008 e 2012, com a Transpetro, braço de logística e transporte da Petrobras. A denúncia foi encaminhada ao Supremo Tribunal Federal (STF) em agosto de 2017, e ainda aguarda análise da Suprema Corte.

O texto da PGR rebate as alegações dos senadores do PMDB Renan Calheiros, Garibaldi Alves Filho, Romero Jucá e Valdir Raupp; do ex-presidente da República José Sarney; dos administradores da NM Engenharia e da NM Serviços Luiz Maramaldo e Nelson Cortonesi Maramaldo; e do executivo da Odebrecht Ambiental Fernando Reis. O ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, pivô do esquema investigado, não fez contestações à denúncia da PGR, justificando que o fará durante o interrogatório judicial, além de reafirmar “integralmente as declarações prestadas até o momento e o seu compromisso de cooperar com as investigações em curso”.

Entre todas as alegações feitas pela defesa dos acusados, Raquel Dodge aceitou apenas a argumentação dos executivos Luiz e Nelson Maramaldo, os quais afirmaram que a denúncia os responsabilizavam por oito atos de corrupção ativa, quando a acusação “relaciona sete repasses indevidos de verbas a diretórios políticos, por meio de doação oficial”, diz o texto.

De acordo com a denúncia houve repasse de verbas para o então PMDB (hoje MDB) a diretórios do partido, pela NM Engenharia e pela Odebrecht Ambiental (braço do grupo Odebrecht que administra concessões na área de saneamento), com a contrapartida de que essas empresas fossem privilegiadas em contratos com a Transpetro.

Ao longo de 80 itens, Dodge rebate as alegações dos denunciados e expõe a fundamentação para as denúncias e a manutenção do inquérito frente ao STF. A PGR rechaça as alegações da maioria dos investigados de que a denúncia se baseia somente em delações. “Os fatos narrados na denúncia amparam-se em provas independentes, obtidas durante a investigação, aptas a confirmar as declarações dos colaboradores. Há, pois, justa causa para deflagrar a ação penal”, assevera na réplica.

O documento também repele a argumentação de diversos envolvidos para que a denúncia seja rejeitada pela Suprema Corte. “Denúncia genérica e inconsistente é a que não permite a compreensão dos fatos imputados aos acusados, cerceando-lhes a possibilidade de defesa. Entretanto, pela leitura da peça apresentada, é possível compreender com clareza os fatos narrados”, afirma Dodge.

Mérito e Ato de Ofício - Para a PGR, as impugnações feitas pelos acusados quanto à interpretação dos fatos descritos na denúncia dizem respeito ao mérito da causa. “Por isso, devem ser analisadas mais apropriadamente ao final da instrução processual”, aponta.

O senador Renan Calheiros (MDB-AL) afirma que não estava demonstrado “categoricamente o ato de ofício praticado em contrapartida ao recebimento da suposta vantagem indevida”. Dodge rebate: “O ato de ofício inerente ao crime de corrupção consiste nessa sustentação política ao presidente da Transpetro e na omissão ao dever parlamentar de fiscalização da administração pública federal, o que viabilizava a prática dos vários crimes de corrupção ativa e passiva e lavagem de dinheiro no âmbito da empresa estatal”, explica.

Inquérito 4215

Íntegra da réplica

Secretaria de Comunicação Social
Procuradoria-Geral da República

Mais Sobre Polícia

Polícia Civil deflagra operação "Sinal Vermelho" em Porto Velho

Polícia Civil deflagra operação "Sinal Vermelho" em Porto Velho

Na manhã desta quinta-feira (08/11), a Polícia Civil do Estado de Rondônia por meio da Delegacia de Repressão à Criminalidade Organizada (DRACO), co

PF incinera quase duas toneladas de drogas em Curitiba

PF incinera quase duas toneladas de drogas em Curitiba

Agentes da Polícia Federal de Curitiba incineraram na manhã de hoje (24) 1,9 tonelada de drogas apreendidas na capital paranaense e na cidade de Paran

Tribunal afasta conselheiro paraense alvo de operação da PF

Tribunal afasta conselheiro paraense alvo de operação da PF

O Tribunal de Contas dos Municípios do Pará afastou o conselheiro Aloísio Chaves, investigado pela Polícia Federal (PF) por suspeita de integrar um su