Porto Velho (RO) segunda-feira, 19 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Um povo e sua ingenuidade perdida - Reflexões sobre os índios na história do Brasil


EMMANOEL GOMES

PROFESSOR E HISTORIADOR


A atuação européia trouxe graves conseqüências para as populações nativas que viram seu mundo milenar desabar, com práticas de crueldades jamais vistas ou sonhadas por aqueles povos.

Em nome de Deus e em busca das imensas riquezas, a população nativa Americana que ultrapassava os setenta milhões de seres humanos foi reduzida quase que totalmente.

Quando falamos ou escrevemos sobre o genocídio ocorrido com os povos nativos da América, por mais que queiramos, não chegamos nem perto do real, vivido ou acontecido.

É uma utopia da história e historiadores a reconstituição da verdade e do real, ambas são ideologias e atendem aos interesses de classes, a verdade como a mentira, são múltiplas, fazem parte de um lado de uma mesma moeda e atende aos interesses de cada um que as conta. 

Retornando aos índios e a relação com os europeus no século XVI, constatamos na prática a logística cultural do capitalismo que em busca das riquezas gerou de assassinatos em massa, a estupros de mulheres homens e crianças, contaminação proposital de milhões de indivíduos com vírus desconhecidos no novo mundo à destruição dos valores morais, religiosos, éticos, humanos, culturais; corpos incendiados, filhos sendo arrancados do ventre das mães por pura diversão, corpos esquartejados servindo de ração para cães, vísceras arrancadas com a pessoa ainda viva e se agonizando, torturas e sofrimentos sem fim, dor eterna, lágrimas que escorrem até hoje nos olhos dos descendentes que percebem que o terror não possui limites, realmente é eterno, como a palavra do Deus eterno que foi utilizada para justificar o ímpio, o medonho, o infame.

Um povo e sua ingenuidade perdida - Reflexões sobre os índios na história do Brasil - Gente de Opinião

Por mais que busquemos não encontramos palavras que possam traduzir o real o acontecido.

 Não conseguiremos, pelo menos, nos discursos e palavras nos aproximar da brutalidade praticada contra esses povos que viviam numa profunda harmonia e paz com o seu mundo, cultuando lagos, rios, bichos, filhos, mulheres, terra, céu, chuva, sol, lua, estrela, cometa, frutos, flores e vento. Um universo comparado pelos primeiros cronistas que visitaram nossa Amazônia como o paraíso divino na terra.

A questão indígena no Brasil e em especial em Rondônia precisa, ainda hoje, ser refletida profundamente. Alguns posicionamentos vazios, descrentes e ingênuos têm contribuído com o discurso maléfico de setores conservadores que atuam no sentido de por um fim às culturas tradicionais.

É comum pessoas afirmarem que não existe mais espaço para as culturas tradicionais e principalmente para as nações indígenas. Ouvimos muitas pessoas afirmarem que o destino dos povos indígenas está muito próximo do fim.

Alguns milhares de índios vivem a nossa volta, e isso é incontestável. Como você se sentiria se as pessoas pregassem o extermínio de sua cultura, sua vida e vida de seus familiares e amigos? 

Os índios são elementos humanos reais da sociedade atual. Alguns enxergam os índios como se fossem de uma sociedade passada, distante, peça existente somente em museus antropológicos.

Outros o enxergam como um ser puro, distante de tudo, ligado a uma natureza intocada, distante e isolada.

Devemos compreender que são seres humanos, possuem sonhos, desejos, crenças, culturas, contradições, possuem as perfeições e imperfeições características dos seres humanos.

Os povos indígenas estão nas cidades, ruas, avenidas, debaixo das pontes, asilos decadentes, periferias do Brasil e em vários países da América. Mendigam o direito à existência.

A sua volta, uma sociedade fria, preconceituosa, capitalista que vulgarizou e banalizou a maioria dos valores éticos, morais, religiosos e humanos. O capital e o capitalismo bestializaram as pessoas, possivelmente nunca tivemos na historia da humanidade uma sociedade composta por gente tão desumana e arredia ao semelhante como na atualidade.

Em quase todos os municípios de Rondônia existem remanescentes de tribos indígenas, essa terra, nosso “distante eldorado”, um dia foi o verdadeiro eldorado deles. Por onde andam os ARIKEMES, JARUS, CABIXIS, NAMBIQUARAS, KARITIANAS, KARIPUNAS ETC.

 Eles, os remanecentes, insistem em um combate pela sobrevivência, pelo direito de existir, de ser e viver seu mistério, sua crença e cultura.

Um povo e sua ingenuidade perdida - Reflexões sobre os índios na história do Brasil - Gente de Opinião

Todos nós, os não índios, estamos seguimos indiferentes a essa realidade, trancados em nosso mundinho de consumo, como zumbis queremos comer e consumir tudo que está a nossa volta; sem nos importarmos com coisas como o passado, religião, história, cultura, tradições e a arte, sem preocupação com as relações afetivas profundas e sensíveis.

O ser humano nunca viveu tantas frustrações, depressões, tristezas e tédio como na atualidade.

As estéticas do corpo e das coisas se sobrepõem aos ideais e sonhos de liberdade e conquistas que embalaram as gerações passadas.

Uma noite de amor regada a drogas e álcool, embaladas com sons barulhentos, estridentes, desarmônicos e ambientes tumultuados, substituem uma vida inteira de amor, os românticos, poetas e seresteiros são quadrados. Estranhamente viver o momento, algo como o "Carpe Diem" que quer dizer "colha o dia". Colha o dia como se fosse um fruto maduro que amanhã estará podre.

A idéia do viver o hoje, o agora, o já. Cada vez mais substitui o viver intensamente a vida, toda ela.

 Olhemos ao nosso redor, nossos filhos e amigos, a juventude, a adolescência, até a terceira idade, chamada de melhor idade. Vivemos um profundo vazio; carentes de amor, musicalidade, poesia, espiritualidade, esperança e coletividade.

O medo tomou conta das pessoas. Não encontramos mais prazer e paz de espírito, sempre achamos que o outro quer tomar alguma coisa da gente.

As pessoas com seus grandes egos tornaram-se incapazes de compartilhar, fazer amizades sinceras de se relacionar fraternalmente.

Atuamos socialmente para mostrar nossas posses, desde um sapato, o corte de cabelo o vestido, o filho, marido o silicone o carro de última geração. Estamos há muito tempo nos medindo pela régua do consumo.

 

Mais Sobre Opinião

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.

Brasil,  192 anos dos Cursos  Jurídicos  Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

Brasil, 192 anos dos Cursos Jurídicos Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

O Brasil, último país a acabar com a escravidão tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma de desigual