Porto Velho (RO) sexta-feira, 23 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Turismo de andorinhas cagonas


Turismo de andorinhas cagonas - Gente de Opinião
 

Professor Nazareno*

Em mais um triste e monótono domingo, numa cidade onde não existe a mínima opção de lazer, fui convidado para ver um tal de “balé das andorinhas” lá na praça que custou 11 milhões de reais e não tem uma única flor plantada. Muito a contragosto fui. A decepção foi total. A começar pela sujeira exposta: garrafas pets jogadas entre as pessoas, sacos de lixo, fezes de cachorros, pontas de cigarros, dentre outras imundícies davam o tom nada romântico ao lugar. Depois de um tempão de “cara prá cima”, finalmente os pássaros chegaram lá. Seus ridículos rodopios sobre a multidão extasiada não eram e nem se pareciam com um balé, eram uma espécie de pagode ou toada de Boi. “Ballet” é algo muito mais glamouroso e aquelas acrobacias ridículas e sem sentido em nada lembravam os países europeus onde se originou a célebre e famosa dança. 

Quase encobertas pelas nuvens e pela escuridão da noite, as estranhas aves, como pontinhos minúsculos no céu, resolveram mudar de local para fazer a sua dança brega. Foram para a Praça das Três Caixas d’Água e para o Mercado Cultural, lugares que, por questões óbvias, recusei-me a ir. “Perdemos o melhor do espetáculo”, era o que se ouvia. Mas não reprovei a atitude bisonha delas: foram os únicos animais a reconhecer a “importância” destes dois monumentos de Porto Velho e por isso, resolveram despejar neles toda a sua capacidade digestiva. Ou seja, é “só merda” a cultura daqui. O ideal, no entanto, seria que sobrevoassem a Assembleia Legislativa de Rondônia e a Câmara de Vereadores de Porto Velho e fizessem o que muita gente sensata gostaria de fazer, mas falta coragem: jogar um monte de bosta sobre elas.

Alguns estudiosos destes pássaros, talvez cientistas ligados às universidades locais, afirmam que eles vêm em bandos migratórios do hemisfério norte fugindo do frio intenso de lá. Tudo mentira, papo furado. Mesmo irracionais, as sinistras aves não fariam a suprema besteira de trocar o mundo desenvolvido e civilizado para se mostrarem por aqui. Elas vêm é de algum lago ou igapó perdido no meio da mata aqui próxima. Alguém de juízo trocaria o Delta do Mississipi nos EUA ou as românticas planícies dos rios Danúbio, Elba ou Reno na Europa pelos fétidos ares do Brasil? Pouco provável. Além do mais, aqui elas correm um sério risco de serem transformadas em apetitosos tira-gostos. E faz até sentido: já pensou se a SEMA de Porto Velho resolve fazer com elas o que disse que fará com as poucas árvores da nossa cidade? Coitadas.


Turismo de andorinhas cagonas - Gente de Opinião
 

Detestei esse tipo de turismo em que, de rosto para cima, se espera a qualquer momento ser bombardeado por dejetos de aves enfezadas. Melhor seria ter ido visitar o cemitério de locomotivas enferrujadas a poucos metros da suntuosa e imunda praça, olhar as toneladas de peixes mortos boiando que acabaram de ser triturados rio acima, passear por baixo da ponte de 300 milhões de reais que não serve para absolutamente nada, admirar os viadutos inacabados com suas velhas manilhas, presenciar mais um estabelecimento comercial derrubado pela ação dos banzeiros, contemplar ruas alagadas pelo esgoto em pleno centro da capital, apreciar a escuridão noturna da “cidade das hidrelétricas” ou fazer fotos de urubus comendo carniça ao lado do Mercado Central. Porém, muitos amam isto e até juram ser turismo. Sinceramente, será que há cidade no mundo que receba seus raríssimos visitantes e precise expô-los a uma chuva de merda?
 

*É Professor em Porto Velho.

Mais Sobre Opinião

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.