Porto Velho (RO) terça-feira, 1 de dezembro de 2020
×
Gente de Opinião

Opinião

Tributo ao renomado médico Dr. Mário Carneiro da Silva Filho


Gente de Opinião
Foto álbum de família.

 

Vasco Vasconcelos, escritor e jurista.

A Bahia e o Distrito Federal estão de luto. No dia 20.8 (domingo), p.p. ao cair da tarde quando estava tirando uma soneca, fui acordado pelo telefone da minha irmã Antônia Vasconcelos, comunicando o passamento prematuro do renomado médico, Especialidade: Gineco-Obstetrícia e Médico Perito, meu querido primo-irmão, Dr. Mário Carneiro da Silva Filho.

Por alguns instantes fiquei pasmo, será verdade? Ou  tive um pesadelo?  Mas logo em seguida recebi  um outro telefonema, do grande amigo cirurgião  e conterrâneo  Dr. Alcides de Oliveira Dourado, confirmando aquela péssima notícia, que o Dr. Mário havia sofrido um enfarto, foi levado tempestivamente ao Hospital de Base do Distrito Federal – HBDF, mas não resistiu, vindo a óbito, instantes mais tarde, confirmado mais uma vez pelo o seu genro e amigo, o   engenheiro Rafael Pupo.

O Dr. Mário foi casado com a médica oftalmologista, Dra. Elisabeth Carneiro, nasceu  na pacata cidade de Paratinga-BA, localizada no Oeste da Bahia, a 740 km de Salvador em 30 de março de 1954, filho de Mário Carneiro da Silva e Dulce Brandão Carneiro.

De origem humilde e graças ao “self-made-man” (esforço próprio), conseguiu se formar em medicina; especialidades: ginecologia-Obstetrícia e Médico Perito. Diplomado pela Faculdade de Ciências da Saúde do Pará, em 08 de dezembro de 1978.

Aqui em Brasília foi aprovado entre os primeiros lugares no CONCURSO PÚBLICO para a categoria funcional de MÉDICO – ESPECIALIDADE – GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA, promovido pelo GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL, SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO-INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS-IDR – BRASÍLIA-DF em outubro de 1981.

- Aprovado em 2ºLUGAR no Concurso promovido pelo MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO E REFORMA DO ESTADO, antigo DASP, em outubro de 1980, na ESPECIALIDADE DE TOCOGINECOLOGIA.

Militou no Departamento de Polícia Federal – DPF, onde foi Diretor do Centro Médico deixando sua marca, humanizando aquele setor.  Foi também médico do Hospital de Base do DF – HBDF, Diretor do Departamento Médico da Câmara dos Deputados e Secretário Municipal de Saúde de uma das maiores cidades do entorno do Distrito Federal.

Quando viaja de férias no interior de Bahia, sua casa era sempre lotada de pessoas humildes à procura de atendimento médico, ele exercia a medicina como um sacerdócio, com sentido crítico, ético e humanístico, fazia   questão de atender a todos, gratuitamente; além de clinicar, doava medicamentos que ele mesmo fazia questão de comprar e distribuir às pessoas carentes.

Foi um homem portador e um coração magnânimo, com a preocupação maior de ajudar  as pessoas carentes notadamente na área de assistência médica. Por essa razão era muito querido e festejado por todos aqueles que conheceram e privaram da fidalguia da sua amizade.

Nesse momento de perda e dor, conclamo pela providência divina para reconfortar seus amigos e familiares, registrando meus pêsames. Estou com os olhos cheios de lágrimas e com as mãos trêmulas, tentando encontrar e digitar  algumas palavras para falar um pouco desse menino que nos deixou precocemente.

Conforme mencionei acima, nascemos na mesma cidade na pacata Paratinga-BA, Oeste da Bahia, vizinha a Bom Jesus Lapa.  O seu saudoso pai, Sr. Mário Carneiro era primo do meu querido e saudoso pai Sr. Antônio Sodré, ambos  símbolos de caráter e honestidade),  de origem do vilarejo chamado Brejos das Moças.

Graças a intermediação do meu velho pai, o seu pai, Sr. Mário Carneiro, foi apresentado à professora Dulce Carneiro e mais tarde veio a contrair matrimônio sendo que dessa união nasceram 09 (oito) filhos: o ex-Deputado Federal Cleuber Carneiro, Cleide, Osmar, Aliomar, Aristóteles,  Maria Cleia, Jussara, Dorothea e o caçula dos homens Mariozinho ou seja o Dr. Mário.

Ele, o Dr. Mário, era mais novo do que eu cerca de quatro anos. Batalhamos muito para enfrentar as rugosidades  ajudar nossos pais no sustento da família,  desde nossas infâncias. Tínhamos que acordar todos os dias às 5:00 horas da manhã, para ir ao curral ordenhar  as vacas, cujo curral do seu pai, era  vizinho ao nosso. Bons tempos aqueles, em que fazíamos a festa, com os copinhos de alumínio, cheio de farinha de mandioca e rapadura, para beber leite direto da fonte, na cuia, com direito, claro, a  espuma e a marca do bigode branco.

Tínhamos, outrossim, que ir na roça  laçar nossos jumentos, colocar as cangalhas e os barris  para pegar água do Rio São Francisco, distante  01 km da cidade, pois naquela época a  cidade de Paratinga, não tinha sistema de abastecimento d’água e só conseguiu  tal sistema em meados de 1980, graças à Família Vasconcelos, na gestão do então Prefeito e amigo de fé,  Dr. Geraldo Magela Carneiro  Porto.

Eu com menos de quinze anos de idade, era louco para namorar a irmã do Dr. Mário, a Jussara, colega de Ginásio Alcides Dourado, linda, maravilhosa, com sua saia plissê, e uma comissão de frente, enfim sua  lascívia, que deixava os adolescente inebriados.

Ocorre que quando íamos ao Rio São Francisco, encher os barris d’água, morria de vergonha da linda e maravilhosa Jussara, flagrar-me  com as calças rasgadas tocando o jumento. Era um sufoco ter que passar em frente a casa dela e ser  flagrado pela mesma. Assim deixava o jumento que já conhecia o caminho de casa, seguir sozinho e esperava no portão da nossa humilde residência.

E aproveitando minha ausência, aquele garoto serelepe conhecido por Mariozinho do Sr. Mário ou da professora Dulce, desviava o jumento para  sua casa e lá retirava toda água dos meus barris, de forma que quando o jumento chegava em  nossa casa não tinha uma só gota  d’agua. E agora vai fazer o que?  Brigava  ou não brigava com ele? Claro que não.   Afinal ele era irmão da minha melhor amiga e oxalá namoradinha. Que pena que nem como amigo ela me quis! Mas fiz questão de compor a Canção pra Jussara  que diz (...) E hoje depois de tantos anos/ lembrei-me com saudade de  ti/ Do famoso pé de oiti/ Da nossa infância dos tempos de criança/ Das fogueiras de  São João/ Do amasso no portão/ Das cantigas de rodas/ Das serenatas/ Dos nossos madrigais/ Do adro da igreja matriz/ meu Deus como eu era feliz!

Quis o destino crescemos e cristalizamos ainda mais nossas amizades aqui na Capital  República e  para compensar o furto d’água, todas nossas férias sempre fui convidado por ele e sua linda esposa Dra. Beth e suas lindas filhas: Isabela, Gabriela e Daniela (médica, advogada e engenheira), respectivamente, para passar alguns dias no  Balneário de Águas Termais do Paulista em Paratinga-BA. Distante 34 km da cidade de Paratinga com piscinas naturais de água termomineral, com direito  água de côco à vontade, churrasco 0800, sendo que nosso último encontro foi em janeiro deste ano, sem olvidar, claro, da cervejinha estupidamente gelada ouvindo as canções que marcaram nossas infâncias,  do nosso Rei Roberto Carlos, entre elas, Amigo.  “Você meu amigo de fé/ Meu irmão camarada/ Amigo de tantos caminhos e tantas jornadas/ Cabeça de homem mas o coração de menino /Aquele que está do meu lado em qualquer caminhada/ Me lembro de todas as lutas, meu bom companheiro/ Você tantas vezes provou que é um grande guerreiro/ O seu coração é uma casa de portas abertas/ Amigo você é o mais certo das horas incertas (...)  Que pena Dr. Mário, ficaram as canções e você não ficou!

Vai ser muito difícil substituir a dignidade que ele tão bem com pertinácia e denodo soube imprimir como médico da Polícia Federal, da Secretaria de Saúde o Governo do Distrito Federal. É um exemplo seriedade e competência. Que multipliquem homens épicos, homéricos, probos, portadores dos caracteres invejáveis, como o saudoso Dr. Mário Carneiro, para que os órgãos entidades e instituições possam encontrar remédios, complementos e suplementos, capazes de encurtar os caminhos entre o desejável e o alcançável. O Dr. Mário Carneiro, merece ser galardoado “in-memoriam” com a mais alta comenda do Departamento de Polícia Federal, pelo Governo do Distrito Federal, em fim pelo  Governo Brasileiro, com a Ordem do Mérito Nacional, no grau de comendador, pelo relevantes serviços prestados ao país.

E por último plagiando a canção, Despedida, de Roberto Carlos e Erasmo Carlos; (...,), Só me resta agora dizer adeus/ E depois o meu caminho seguir/ O meu coração aqui vou deixar/ Não ligue se acaso eu chorar/ Mas agora adeus

Descanse em Paz, meu querido primo-irmão Dr. Mário Carneiro da Silva Filho, juntamente com nossos pais: Mário Carneiro, Professora Dulce, Antônio Sodré, D. Maria Natalina Vasconcelos, Professora Heliete Dourado (Tieta),  Alcides Dourado,  Dona Laurinha,  e tantos outros amigos que partiram para o andar  de cima,  (...) sem olvidar do meu saudoso, querido e irreverente  irmão mais velho,  Sr. Wilson Vasconcelos. Deus tem o jornal das nossas vidas.

Tributo ao renomado médico Dr. Mário Carneiro da Silva Filho - Gente de Opinião

Vasco Vasconcelos, escritor e jurista

Brasília-DF

e-mail:vasco.vasconcelos@brturbo.com.br

Mais Sobre Opinião

O tribunal europeu (TEDH) dá andamento à queixa "Acção Climática" das crianças portuguesas + Restauração de Portugal independente

O tribunal europeu (TEDH) dá andamento à queixa "Acção Climática" das crianças portuguesas + Restauração de Portugal independente

O TRIBUNAL EUROPEU (TEDH) DÁ ANDAMENTO À  QUEIXA “ACÇÃO CLIMÁTICA” DAS CRIANÇAS PORTUGUESASNo rescaldo de Pedrogão Grande onde o Fogo matou 110 Pessoa

Começou a batalha pela presidência da Câmara em Porto Velho

Começou a batalha pela presidência da Câmara em Porto Velho

Acirra-se a briga pela presidência da Câmara Municipal de Porto Velho. O atual presidente Edwilson Negreiros está articulando um grupo forte para gara

Sua Excelência a abstenção

Sua Excelência a abstenção

Independente de quem saía consagrado das urnas no segundo turno do pleito para a prefeitura de Porto Velho (Hildon Chaves ou Cristiane Lopes), certo

A cidade foi a grande ausente no debate

A cidade foi a grande ausente no debate

Se o Ibope estiver certo em sua aferição, o prefeito Hildon Chaves (PSDB) vai permanecer por mais quatro anos no comando do município de Porto Velho