Porto Velho (RO) sexta-feira, 22 de junho de 2018
×
Gente de Opinião

Opinião

Tijolaço: se Temer não for sepultado, seremos todos cremados


Gente de Opinião

Por Fernando Brito, do Tijolaço

Não se pode adivinhar se Michel Temer perderá logo o cargo que abiscoitou pelo golpe, o de Presidente da República.

Mas pode-se assegurar que perdeu as condições de governar e apanhará em cada round, a espera que o gongo vá lhe dando intervalos para respirar.

Mesmo que Fernando Henrique Cardoso seja, desde há muito, um Tartufo, a dissimular seus interesses e opiniões sob a aura de falsas virtudes, o fato de ele ter manifestado a possibilidade de eleições gerais antecipadas tem muito significado.

Claro que lhe falta o vigor cívico para defendê-las como bandeira, mas, ainda assim, é um passo avante nesta estupidez pregada pela mídia, em seus editoriais, de que uma eleição indireta poderia devolver ao país um mínimo de equilíbrio. Não pode e até FHC sabe disso.

Mas defendem-nas, porque acham que isso pode pavimentar a única coisa que desejam, o retrocesso em direitos sociais, o que Janio de Freitas chamou hoje, em sua coluna na Folha, de “nostalgia escravocrata”. Não as garantirá, porque como diz o velho mestre, com 70 anos de janela política:

“Quem pensar a sério na re­lação entre essas “reformas” e a situação atual do país, não pode fugir à obviedade simples e forte: Temer não tem condições de conduzir reformas nem “reformas”. Sejam condições intelec­tuais, políticas, morais, e quaisquer outras. É só um fantoche. À espera de que alguém conte os seus feitos ou os silencie por dinheiro.

O Congresso, com mais de uma centena de deputados e senadores pendurados na Lava Jato, não tem condi­ções de examinar, discutir, aprimorar e votar projeto algum que tenha implicações mais do que superficiais.”

A única obra de que Michel Temer é capaz é a de, a qualquer momento, nos levar a um novo afundamento, maior do que este da abissal crise econômica em que o país se debate. As festejadas “melhoras” no cenário da economia – eles são os primeiros a saberem – não têm solidez, sobretudo diante de taxas de investimento que se aproximam dos níveis da crise de 2008/2009.

Tudo está apoiado, até agora, num “fingimos que não estamos vendo o que se passa” do mercado que diz ainda confiar que, mesmo sem a reforma desejada, a demolidora, algumas castanhas ainda podem tirar do fogo. É improvável que consigam “reformas” mais do que simbólica quem embora cruéis com os atingidos, terão efeito econômico zero.

“Pode ser que, com a necrose progressiva de Michel Temer, donos de poder e dinheiro mudem de ideia”, comenta o colunista de economia, também da Folha, Vinícius Torres Freire.

Pode ser, mas a necrose, no centro do poder nacional, faz todo o país, sem reservas de saúde já, ficar exposto as seus miasmas e pestilências.

É preciso sepultar Temer e restaurar os sistemas de freios e contrapesos da política, trocar golpes por eleições, denúncias por propostas, demolição por projetos.

O contrário seria deixar que o país siga ardendo até que sejamos todos cremados.

Mais Sobre Opinião

Congresso brasileiro saqueia seu próprio país, diz geóloga da Petrobras

Congresso brasileiro saqueia seu próprio país, diz geóloga da Petrobras

Ana Patrícia Laier, geóloga da Petrobras há 18 anos, explica didaticamente o "caso" das áreas de cessão onerosa que a Petrobras adquiriu durante seu p

Cruzada moralista no Brasil - Por Professor Nazareno

De uns tempos para cá, muitos brasileiros estranhamente se viram envolvidos em uma cruzada moralista sem precedentes...

Quanto mais caro melho - Por Carlos Brickmann

Não é por falta de recursos que o Brasil deixará de eleger os melhores políticos que o dinheiro pode comprar. E, caro leitor, deixe de se queixar dos

 A volta das maritacas políticas do Centro-Oeste - Por Vasco Vasconcelos

A volta das maritacas políticas do Centro-Oeste - Por Vasco Vasconcelos

A grande maioria das raposas políticas ancoradas na Capital da República, ao contrário dos pensadores e homens públicos de primeira linha aqui reside