Porto Velho (RO) sexta-feira, 23 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Temer: não há o que temer


 Temer: não há o que temer - Gente de Opinião

Professor Nazareno*

Michel Miguel Elias Temer Lulia ou simplesmente Michel Temer é, como se sabe, o atual presidente do Brasil ainda que de forma interina. Apesar do último nome, Temer é um daqueles homens públicos que veio para ficar e também para marcar de forma definitiva e enfática a História dele e também a da nação. Vice-presidente do país durante os dois mandatos consecutivos da petista Dilma Rousseff, a estrela maior do PMDB é um político, ex-deputado federal, ex-presidente da Câmara dos Deputados, democrata, professor universitário, eminente jurista, intelectual requintado e escritor que nunca mediu esforços para buscar o bem de todos os brasileiros assim como o de toda a nossa sociedade, castigada por políticos corruptos e sucessivos governos incompetentes. É casado com a “jovem, bela, recatada e do lar” Marcela Temer e pai de Michelzinho.

Sempre discreto e preocupadíssimo com os problemas nacionais, este grande estadista de origem libanesa, formado na USP em março de 1964, sempre esteve ao lado dos mais pobres e humildes e demonstrou, ao longo deste tempo, estar afinado com a dura realidade brasileira. Democrata por convicção, durante todo o período da Ditadura Militar exerceu vários cargos inerentes à sua formação sempre por meio de concursos e só entrando na vida pública depois de 1981. Tem agora, por consequência direta do cargo que exercera legitimamente durante os dois mandatos, a missão de resgatar a autoestima dos mais de 205 milhões de concidadãos. Após o atual processo de impeachment, com o normal afastamento da presidente eleita, assume a Presidência da República com a competência, a solidez e a tenacidade de um verdadeiro herói nacional.

E Temer mostrou pulso firme: exonerou em tempo recorde dois ministros acusados de estarem envolvidos em tramas para extinguir a Operação Lava Jato, que pune políticos corruptos. Até o funcionalismo público já vai receber da atual administração reajustes salariais justíssimos, coisa que não acontecia havia mais de três anos. O Brasil agora “entrará nos eixos” com o governo competente e compromissado de Michel Temer. Acabou a “boquinha” da cultura, dos sindicatos, dos “sem nada”, dos pseudorrevolucionários, dos bolivarianos. O trabalho em primeiro lugar. Por isso “não fale em crise, trabalhe!”. Em Rondônia já se sentiu a mão forte do Governo Federal: o Exército pode terminar os viadutos do PT e o Espaço Alternativo teve suas obras recomeçadas. Até no Itamaraty a “voz ficou mais grossa” com o tucano José Serra.

Com um governo legítimo, “puro sangue”, democrático, competente e que realmente quer resolver os problemas do país, as coisas por aqui devem tomar outro rumo. E para melhor. PT nunca mais! O Brasil agora será mais respeitado pelos nossos vizinhos. Estados Unidos e União Europeia já reconheceram a legitimidade do novo governo. E como as chances de volta da Dilma estão muito perto de zero, é bom nos acostumar com possíveis reeleições de Temer e de todo o seu governo para os próximos anos. Programas sociais ainda haverá, mas tudo dentro da realidade de caixa do país. Nada de irresponsabilidades eleitoreiras como sempre víamos. Militantes, arruaceiros, desocupados, subversivos e afins devem encarar a nova realidade política: democracia não é baderna, mas “ordem e progresso”. Com um rombo de 170 bilhões de reais e doze milhões de desempregados não será fácil administrar esta maldita herança do petismo.

*É Professor em Porto Velho.

Mais Sobre Opinião

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.