Porto Velho (RO) segunda-feira, 26 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Taba do Cacique: Carnaval e fortes emoções


█ Já se tornou uma tradição na cidade de Porto Velho o colorido e animado Carnaval do Taba do Cacique, sempre realizado no Domingo de Carnaval, sob a batuta do dinâmico e festivo Carmênio Barroso, auxiliado por amigos e assíduos frequentadores,  a exemplo de João Bernardino Neto, Miguel Rumier, Waldohilther Barros e tantos outros, com destacadas e menos colaborações, ritmado com velhas e inesquecíveis marcinhas e frevos gravados para os carnavais nas décadas de 60, 70 e 80 que o povo consagrou e não nos enjoamos de ouvir, cantar e pular, sempre com muito motivos para tal.

█ Um verdadeiro desfile de músicas ocorreu neste Domingo de Carnaval no Salão Nobre do Taba do Cacique, tendo como sonoplasta e discotecário o próprio CARMÊNIO BARROSO, com a fantasia a rigor “ESTE CARA SOU EU”, com um desfile de músicas que marcaram e alegraram centenas de milhares de carnavais de todo o Brasil, com músicas originais, todas gravadas em disco de Vinil, da Discografia do próprio sonoplasta mencionado, desde a famosa marcinha “ Ô Abre Alas!”, de Chiquinha Gonzaga, passando por Bandeira Branca (Dalva de Oliveira); A Jardineira (Orlando Silva); A filha da Chiquita Bacana (Caetano Veloso); A Lua é dos Namorados (Ângela Maria); Aladim (Isaurinha Garcia); Ali Babá (Odete Amaral); Balancê (Carmem Miranda) ; Bate o Bombo ( Emilinha Borba); Desfolhei a Margarida (Mário Augusto), até o hino do Corinthians e do Flamengo foram repedidos vária vezes, menos o do meu do Palmeiras, porque está na segundona — que, também, deveria ter tocado.

█ A tradicional festa e baile de Carnaval de clubes e de salões no Brasil não pode e não deve acabar, mesmo reconhecendo que a modernidade, os grandes desfiles de ruas, as escolas de samba, os blocos carnavalescos, a forte atração e o poder magnetizante do trem elétrico  que consegue, num toque de mágica, retirar as famílias dos clubes para à avenida e transforma uma tradição secular de velhas marcinhas, frevos e maracatus em músicas elétricas ou eletrônicas, interpretando em muitas oportunidades o axé, a timbalada, e outros tipos de músicas menos popularizadas, mas contagiante, e até os pagodes da vida, interpretados em ritmo de carnaval e que conseguem por a rapaziada e toda a mulherada  na avenida e pular na ponta dos pés e até descer à boca da garrafa.

█ Não conhecer o Carmêmio Barroso é o mesmo que desconhecer um pouco da história de Porto Velho — de ontem e de hoje. Carmênio tem uma história de luta, de garra e de glória, com algumas pitadas de ingratidão que as circunstâncias do percurso do ofício lhe pregaram e que falta ser contada, narrada, escrita e documentada, até para que haja um resgate de justiça social e seja revelada a sua verdadeira face.

█ O ponto alto do baile de Carnaval do Taba do Cacique deste domingo, dia 10, foi a escolha e coroação do Rei Momo Jackson Brasil e da Rainha do Carnaval Luiza Valente, sendo eleitos por aclamação e coroados pelo próprio Carmênio Barroso, o Cacique do Taba do Cacique, com o slogan “ESSE CARA SOU EU” segundo a foto abaixo:

Taba do Cacique: Carnaval e fortes emoções - Gente de Opinião
 
 

█ Estamos em fase de construção de um documentário, até então em sigilo, e construído em contra-gotas, e somente, agora, revelado, que ainda pretendo compartilhar a autoria com o Jornalista e radialista José Luiz Alves da Silva, quando se pretende  a  materialização deste resgate, sob o título provisório de CARMÊNIO BARROSO: saga de um cearense na Amazônia e, assim, sendo contada a verdadeira história e saga de um pioneiro proveniente do nordeste do Brasil, como muita astúcia, cultura e sabedoria nas terras de Rondon.

█ Não temos dúvidas de que este documentário,  como forma merecida de resgate da imagem real e descreverá a  grande contribuição socioeconômica e cultural que este cidadão do mundo, nascido no povoado de Figueiredo, no interior da cidade de Jaguaruana, estado do Ceará, que renunciou o cargo de Vereador da Câmara Municipal de Jaguaruana-CE e viajou para morar no então Território Federal do Guaporé, hoje estado de Rondônia, em 1967, e escolheu a cidade de Porto Velho para se estabelecer e viver (por sinal, meu conterrâneo) e abraçou este torrão da Amazônia como sua pátria-e-lar — tendo contribuído, sobremaneira, para possibilitar momentos inesquecíveis para uma boa parte do cidadão portovelhense, oferecendo, assim, bons e inesquecíveis momentos, quase sempre muito bem acompanhados, por um período de 46 anos de existência do Taba do Cacique, nos idos tempos áureos, de boemia e de fortes emoções, de grande parte da sociedade de Porto Velho, e  de todos nós que, agora, aqui nos deleitamos desta era pós-romântica, mas, ainda, com requintes de fortes emoções.

█ Neste último dia 10, domingo de carnaval, o Salão Nobre do Taba do Cacique foi o palco de mais um Baile de Carnaval, quando os amigos e convidados do Carmênio Barroso tiveram a oportunidade de ouvir, cantar, dançar e de pular as saudosas músicas que alegraram e continuam a alegrar os bailes de carnaval em todo o país, dentre eles lá estou Eu, com a sempre e bem animada Karla Holanda, fantasiada de mulher gata, conforme a foto abaixo, que ela faz questão em afirmar que eu não mando nela e, sim, o contrário.

█ Temos a grata satisfação em informar aos nossos prezados leitores e amigos que a Faculdade de Pimenta Bueno – FAP e a Empresa Pacaas Engenharia, Oportunidades e Soluções Ltda estão programando para início de 2013 a realização de um Curso de Pós-Graduação (Lato sensu) AQUICULTURA DE ÁGUA DOCE, com uma carga horária de 400 horas/aula, (sendo um final de semana em cada mês), que se propõem disponibilizar conhecimentos teórico-prático suficientes para qualificar um contingente de profissionais para atuar com eficiência e eficácia junto ao setor da aquicultura, em níveis estadual, regional e nacional e desenvolver uma Aquicultura com autossustentabilidade socioeconômica e ambiental, e, ao mesmo tempo, atender a demanda insatisfeita de profissionais com especialização nesta área de conhecimento.

█ Para que o prezado leitor faça a sua reserva ou já defina a sua matricula para participar do  Curso de Pós-Graduação em AQUICULTURA DE ÁGUA, procure falar com a coordenadora pedagógica do Curso — Profª Maria Inês Batista Zanol — desta data, através dos seguintes contatos, abaixo:

PENSAMENTO DA SEMANA

O Taba do Cacique é um enigma que já fora criança, nos idos do Restaurante; mais tarde, se tornou uma adolescente, quando se transformou na mais forte atração cultural das noites de Porto Velho; com o passar do tempo, chegou a puberdade, e procurou viver fortes emoções, atraindo os amantes da noite; depois, se envolveu na  boemia; e, hoje, após o incêndio que lhe custou toda a sua beleza material, passou pelo ressurgir das cinzas,  reconstituição da carne, regeneração dos costumes, depuração dos sentidos, exorcização  dos espíritos, purificação da alma e, hoje, é uma casa de oração.

 (Antônio de Almeida Sobrinho).

e-mail: projetos@atenaseducacional.com.bre almeidaengenheiro@yahoo.com.brTenham todos uma ótima semana e um abração.

Antônio de Almeida Sobrinho é graduado em Engenharia de Pesca  e Mestrado em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente e Membro e Presidente do Conselho Fiscal da OCB – Organização das Cooperativas do Brasil do Estado de Rondônia e Presidente da Cooperativa Mista e Aquícola do Estado de Rondônia – COOMAPEIXE.

 

Mais Sobre Opinião

A fogueira das vaidades

A fogueira das vaidades

O que até agora era bravata, “não é insulto, é o jeito dele”

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.