Porto Velho (RO) quinta-feira, 22 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Somos transigentes demais


Bruno Peron

Para cada empreendedor exitoso no Brasil, há três burocratas retrógrados que cerceiam a liberdade e atrasam o país. A crise no âmbito de empregos – quer dizer, os 8% de desemprego e o desespero por benefícios – mostra claramente que a máquina pública incha com profissionais dispensáveis e onerosos para tirar dos poucos que geram riqueza e têm visão progressista.

É interessante notar, nesse meio político de tantos conflitos de opinião e decisões esdruxulamente mal tomadas, que a ministra da agricultura – Kátia Abreu – desafia práticas e costumes acomodados. Falo principalmente da crença de muitos – mas felizmente não a dela – de que se deve proteger a indústria nacional, se é que temos algum setor nela que valha mesmo a pena. Digo isso porque parte considerável do que hoje se classifica como indústria nacional é composta por empresas multinacionais que possuem fábricas de processamento de seus produtos no Brasil, como a Nestlé.

Com exceção de tecnologias em aeronaves, maquinários agrícolas e algumas outras, as tais indústrias nacionais brasileiras engatinham e, por vezes, fecham suas portas porque a tal da proteção às vezes se converte em cobrança de propinas. Isso se deve, por exemplo, às exigências rigorosas que fiscais de governo impõem a empresários brasileiros realmente dignos e à proteção de indústrias multinacionais que têm sucursais no Brasil. Ou é grande o suficiente para cumprir a lista enciclopédica de exigências burocráticas para funcionamento, ou paga as propinas, ou fecha as portas.

Temos, assim, um cenário optado e persistente de Terceiro Mundo. No Brasil, há proteção de indústrias nacionais acomodadas em vez de promoção de competitividade para que os preços baixem, os produtos tenham mais qualidade e o mercado ofereça mais opções aos consumidores. O caso da máfia dos táxis e do conflito com o Uber em cidades brasileiras ilustra bem meu argumento, mas analisarei este tema noutra oportunidade.

Logo se entende por que Kátia Abreu sugeriu, no início de julho de 2015, que a cadeia de produção não se limite somente ao Brasil. Ela defende um modelo aberto ao circuito global em que cada país tem vantagens competitivas em certos produtos e serviços. Do jeito que está, a indústria nacional vê mais facilidades para comercializar somente dentro do Brasil e barreiras burocráticas de todos os tipos para abrir-se ao comércio global.

Há, portanto, favorecimento de burocratas a marcas que trouxeram suas indústrias ao Brasil e a empresas nacionais de nomes fortes. Tal preferência não se faz somente com base em ideologias nacionalistas ou que imaginam aumento do nível de emprego. Ela realiza-se com a mão pesada do Estado em questões econômicas em que ele não se deveria meter, e com relações corruptas entre burocratas e empresários dessas indústrias nacionais.

As críticas e propostas de Kátia Abreu, apesar de centradas em agricultura, são oportunas para que pensemos no modelo de Brasil que queremos. Imaginamos para nós e as gerações futuras o Brasil dos carimbos e dos trâmites burocráticos ou o Brasil da escolha e da iniciativa livres?

Só para dar um exemplo, quem tiver a chance de entrar em supermercados de países mais desenvolvidos na América do Norte e na Europa ocidental observará um contraste com os de países explorados como o Brasil. Naqueles, há mais variedade de produtos, todos têm qualidade excelente, eles apresentam-se em quantidades grandes nas embalagens e têm preços mais baixos que os daqui mesmo que se produzam pertinho daqui. Até castanha-do-pará e banana se comercializam mais baratos lá que aqui.

No Brasil, vejo que esses burocratas corruptos, inúteis e vende-pátrias unem-se com os empresários das tais indústrias nacionais protegidas e riem da população brasileira. Vendem-se produtos cada vez mais caros, em quantidade menor (“agora com embalagem mais econômica”, “redução de 150g para 120g”), como se se tratasse de mudanças boas e vantajosas para os consumidores. Eles dão risada dos tupinicas, ignorantes que somos.

É nesse ponto que toca o receio de Kátia Abreu, de empreendedores pequenos e médios, e de outros tupinicas que se cansaram de ser enganados. Imagino que compartilho esse cansaço com você, leitor. Se a competitividade fosse maior, sem proteger o acomodado nem taxar o importado, teríamos redução de preços, aumento de opções e de qualidade.

Somos imensamente enganados por esse governo conluiado com o luxo e por burocratas que fingem promover o bem-estar geral, mas na realidade estão mais preocupados com a garantia do interesse próprio. A maioria dessas pessoas não tem vocação nem moral para trabalhar no serviço público.

O Brasil é desigual por escolha de sua gente em vez de fatalidade colonial.

Nós, tupinicas, somos transigentes demais. Ou palermas, melhor dizendo.

http://www.brunoperon.com.br

http://www.brunoperon.com

http://www.brunoperon.net

Mais Sobre Opinião

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.