Porto Velho (RO) domingo, 25 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Socorro, Dr. Mauro, salve Porto Velho!


Professor Nazareno* 

Antes de tudo, Dr. Mauro Nazif, um feliz Ano Novo para o senhor e toda a sua família. A partir de agora e durante os próximos quatro anos o senhor vai administrar a cidade de Porto Velho. Para isso, recebeu nas últimas eleições 142.937 votos, ou seja, 63,03% dos votos válidos. Dentre estes, o meu e creio que os de meus familiares e de muitos amigos. Como o sSocorro, Dr. Mauro, salve Porto Velho! - Gente de Opiniãoenhor, também não sou filho daqui, embora tenha residência fixa neste município já há 32 anos. Conheço de perto quase todos os problemas dessa cidade uma vez que os enfrento diariamente para dar provisão à minha família. Além de Porto Velho e de Rondônia, tive o privilégio de conhecer muitas outras cidades, Estados e até países e por isso sei que o senhor está diante de um grande desafio que é administrar uma das cidades mais sujas, imundas e problemáticas do Brasil. E agora, talvez a mais corrupta. Por isso, é preciso muito cuidado na condução do nosso destino, pois além da boa administração, o senhor precisa também limpar o nosso nome, que hoje está mais sujo do que “pau de galinheiro”. A lama por aqui, senhor prefeito, não é só nas ruas.

Dr. Mauro Nazif e senhor Dalton di Franco, pelo amor de Deus, não roubem. NÃO ROUBEM E NEM DEIXEM NINGUÉM ROUBAR. Cada centavo que entrar nos cofres desta Prefeitura, os senhores devem fazer bom uso dele para o bem de todos os seus munícipes. E não me interpretem mal, já que tenho a absoluta certeza de que os senhores são pessoas de bem, honestas e trabalhadoras, portanto jamais fariam isso. É que já estamos cansados de tantas desgraças e roubos nesta cidade e neste Estado. E como “a ocasião faz o ladrão”... Além do mais, todos os prefeitos e autoridades, assim como quase todos os políticos brasileiros, demonstram honestidade de sobra antes de exercerem qualquer mandato. E mesmo sabendo de suas boas intenções para com Porto Velho e sua gente, se fosse eu, já teria mandado de livre e espontânea vontade, quebrar os meus sigilos telefônico, fiscal e bancário para que não pairassem quaisquer dúvidas. Pediria também uma auditoria completa na Prefeitura para averiguar todas as denúncias das recentes Operações Vórtice e Endemia. E quem roubou, tem que devolver tudo.

Afinal de contas, Dr. Mauro, o ex-prefeito disse que deixou mais de 250 milhões de reais nos cofres do município. Será que deixou mesmo? E as obras inacabadas? Por que existem tantas? O que a nova administração fará com elas? O senhor já deve ter dado umas voltinhas pelos bairros para averiguar o óbvio: parece que sofremos um bombardeio aéreo. Não há infraestrutura, a sujeira campeia em todos os lugares, lixo e carniça parecem que já são parte da nossa triste rotina. Não temos água tratada, não temos saneamento básico, não temos nada. Há muito tempo, fomos abandonados pelo Poder Público. Entra ano e sai ano que é lama no inverno e poeira no verão. Eis o nosso triste cotidiano. Por tudo quanto é sagrado, Dr. Mauro Nazif, repito: mude a cara desta cidade. O senhor tem quatro anos para fazer isto. E já deu mostras que sabe como, pois é um político batalhador e competente. Trabalhe e seja sempre honesto, precisamos disto. O senhor conhece cidades bem menores, mais novas e mais pobres do que Porto Velho e que são bem mais limpas do que esta capital. Aqui, só falta boa administração.

Governe com o seu Vice e exija da Câmara de Vereadores oposição coerente e fiscalização séria e responsável. Vereador deve ter função também, afinal foi eleito para quê? Incentive estas “misérias” a fazerem alguma coisa. Esse bando de “condenados” tem que trabalhar pela cidade inteira e não apenas por suas bases eleitorais. Nessa próxima administração ninguém deveria se envolver nestes escândalos que tanto nos envergonham. Cada vereador vai receber a partir da posse nada menos do que 12 mil reais por mês. O senhor, Dr. Mauro, terá um salário de 21 mil reais por mês e o seu Vice receberá 17 mil. Todos com salários excelentes. Logo, não há necessidade de meter a mão no dinheiro público. Viver com estes salários é o sonho de quase todos os brasileiros. Pense nisso. Tenha compaixão de nós, simples moradores que pagamos tantos impostos. Imploro em meu nome, já que a maioria dos moradores daqui está acostumada a nada exigir de suas autoridades. Muitos são acomodados e descompromissados com a política e parece que só estão preocupados é com carnaval, futilidades e festas.

Mas saiba que se não quiser me ouvir, e optar por trilhar o caminho da sacanagem, da roubalheira, da corrupção, nada grave vai acontecer com o senhor. No Brasil, os órgãos de combate à corrupção e à roubalheira só fazem alvoroço na hora de prender. É aquela “pirotecnia midiática” sem maiores consequências futuras. Um, dois meses depois, graças a nossa frágil legislação, estão todos soltos e livres desfrutando do roubo. E o pior: ninguém devolve um único centavo nem continua preso e o senhor sabe disto. Então, rogo: tenha pena de Porto Velho e de sua gente. Respeite o suado dinheiro dos impostos e trabalhe com garra. Eu confio no senhor, na sua honestidade e na sua capacidade de mudar esta realidade, mas estaremos de olho. Não loteie a administração municipal, governe Porto Velho com amor pela cidade e por sua gente e olhe para os pobres e abandonados moradores que vivem sem água tratada, sem esgotos, no meio da fedentina, da carniça, da sujeira e da imundície. Peçamos a Deus que lhe ilumine para que todos nós tenhamos dias melhores. Porto Velho parece uma cidade amaldiçoada com tantos administradores incompetentes. Quebre esta maldição. “A Hora é Agora”.

*É Professor em Porto Velho.

Mais Sobre Opinião

A fogueira das vaidades

A fogueira das vaidades

O que até agora era bravata, “não é insulto, é o jeito dele”

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.