Porto Velho (RO) domingo, 18 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Sobre lama, bombas, tiros e o que tudo isso tem a ver com Amor


 

Malu Calixto


Conversando sobre os desdobramentos das tragedias dos últimos dias ouvi a seguinte frase: "...mas em Mariana foram menos de 10 mortes. Em Paris foram mais de 150, em Beirute uns 50, no Quênia forma mais uns 150."

E isso me fez pensar sobre como as notícias chegam até nós e como, as vezes, refletimos com visões estreitas demais sobre temas e acontecimentos que gritam, sufocando, por debates mais amplos e profundos. Sobre lama, bombas, tiros e o que tudo isso tem a ver com Amor - Gente de Opinião

Todos já sabemos, nem preciso dizer, que a morte é a única real certeza que temos. No minuto em que somos concebidos tem início uma jornada da qual não temos nenhuma garantia se sequer nasceremos, muito menos se acumularemos mais alegrias ou tristezas ao longo do tempo que nos for permitido estar por aqui.

A morte é triste, é dolorosa, é injusta. Quantas vidas, ainda tão cheias de energia e possibilidades, fora tiradas nesses acontecimentos? Acredito que só por meio da fé em algo/alguém seja possível aplacar a dor dos que ficam.

E é quando olho para os que ficaram que meu coração se recusa a acreditar no argumento exposto no primeiro parágrafo. Me recuso a acreditar que a importância de um acontecimento ruim possa ser limitada ao número de mortes ou fisicamente feridos.

Em um primeiro momento, nossa atenção se concentra no mais óbvio: a perda material ( dos corpos dos que morreram, dos bens dos que ficaram). De jeito algum julgar errado esse comportamento. Olhamos para o que é urgente: água, comida, cuidados médicos. Na escala de importância, ganha aquilo que podemos contar.

Mas meu coração ainda insiste em sentir e se perguntar: qual a dimensão das rachaduras deixadas nas mentes e corações, não apenas dos sobreviventes, mas também dos que direta e indiretamente, conviverão com a herança emocional desses acontecimentos? Seja em Mariana, Paris ou Beirute, hoje, o grande vencedor foi o medo. Esse primitivo e perturbador sentimento humano.

Os mortos serão chorados e enterrados. Os ferimentos da carne, tratados. Os destroços retirados e até reconstruídos. E os corações? E as lembranças e traumas? Quantas vezes mais serão revividos por quem esteve lá, ou reproduzidos na mente de quem pôde sentir o sofrimento do outro?

É preciso orar e cuidar também dessas feridas individuais e coletivas. Impedir que mais medo cresça enquando se espera dentro do ônibus ou metrô no trajeto para o trabalho ou escola. Na cama, enquanto o sono não chega. No sofá, anestesiado em frente a TV no descanso de domingo.

É nesses singelos momentos que ele cresce. E vira ansiedade, que vira depressão, que vira pânico. E vira incompreensão, que vira raiva, que vira ódio, que vira reação. Crescem os desequilíbrios mais variados, que geram mais acontecimentos tristes, que alimentam mais medo.

Olhemos com amor e franqueza para o medo e seus monstros. Sejamos amorosos para alimentar a coragem e a compreensão. Só o amor mais puro e acolhedor pode aplacar seu avanço silencioso e perigoso.

Mais Sobre Opinião

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.

Brasil,  192 anos dos Cursos  Jurídicos  Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

Brasil, 192 anos dos Cursos Jurídicos Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

O Brasil, último país a acabar com a escravidão tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma de desigual