Porto Velho (RO) terça-feira, 20 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Situação atual do livro e da leitura


 
Guido Bilharinho

A produção industrial, por imposição de sobrevivência, crescimento e lucratividade implica na fabricação seriada, uniforme e em larga escala de artefatos variados.

Para sustentar esse processo, indispensável se faz que na outra ponta, do consumo, também se uniformizem e se estandardizem o gosto e a percepção das coisas, criando-se necessidades impostas por procedimentos condicionadores da vontade por meio da mídia e de técnicas publicitárias cada vez mais aperfeiçoadas e sofisticadas.

Todo esse processo implica, por sua vez, na excessiva valorização do ter, das aparências e do consumismo compulsivo em detrimento do ser e de seus valores, entre os quais, bondade, desprendimento, sinceridade, sabedoria e conhecimento.

Sob o aspecto cultural, por exemplo, dissocia-se a vida da usufruição dos bens culturais de efetivo valor, que exige esforço para formação de gosto requintado, pessoal e individualizado, infenso à massificação ensejada pela geração intensiva de produtos de entretenimento não só destituídos de valor cultural e artístico como até mesmo, muitos deles, nocivos ao indivíduo e à sua participação na sociedade, a exemplo dos jogos de vídeo, dos filmes recheados de agressões, violência e crimes e dos programas televisivos de auditório repletos de baixarias e estupidez.

Uma das mais nefastas consequências dessa situação em professores, estudantes, profissionais liberais e na sociedade em geral consiste na desvalorização do livro e da leitura como bens culturais de importância intrínseca e não apenas pragmática (de cunho técnico e profissional) ou despistadores e enganosos (de auto-ajuda e assemelhados).

O livro e a leitura (romance, conto, teatro, poesia) estão hoje marginalizados no contexto social, porque ao invés da leitura constituir hábito generalizado, não tem passado de usufruto e prazer de poucos, colocados mais ou menos na situação dos intelectuais da obra de Ray Bradbury (de 1963), em que se baseou o filme Farenheit 451 (Idem, Grã-Bretanha, 1966), de François Truffaut, ou seja, na obrigação de defender os livros para que até mesmo materialmente não desapareçam sob a sanha demolidora do insidioso processo desvalorizativo e destrutivo em curso, em que muitas vezes os próprios descendentes de autores quedam-se indiferentes a suas obras, quando não as desdenham.

A verificação desse estado de coisas é facilmente constatável por meio de pesquisa que procure averiguar quantas pessoas lêem habitualmente (pelo menos um livro por semana) ou mesmo que já leram algum livro que não seja técnico-profissional, de auto-ajuda ou por obrigação.

__________________________________
Guido Bilharinho é advogado em Uberaba, foi candidato ao Senado Federal e editor da revista internacional de poesia Dimensão, sendo autor de livros de literatura, cinema e história regional.
(Publicação autorizada pelo autor)

Mais Sobre Opinião

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.

Brasil,  192 anos dos Cursos  Jurídicos  Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

Brasil, 192 anos dos Cursos Jurídicos Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

O Brasil, último país a acabar com a escravidão tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma de desigual