Porto Velho (RO) domingo, 25 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Roleta russa


Existem mulheres que, já na faixa etária acima dos cinquenta, parecem metralhadoras, tamanha a velocidade com que atiram para todos os lados em busca de satisfazer seus desejos sexuais.

Normalmente são separadas, divorciadas, viúvas, profissionais liberais bem sucedidas ou herdeiras - de ancestrais ou de ex-maridos -, que foram infelizes em seus casamentos e agora, quando livres do que as prendia se abrem para uma corrida maluca em busca de quantidade e não de qualidade.Roleta russa - Gente de Opinião

Viajam em grupo ou mesmo sozinhas e se divertem com a chance de, longe de suas casas e conhecidos, a cada dia "pegar" mais um e depois, contando para as "amigas", rir das aventuras e do que ocorreu nessas "caças" ou "pegas", usando, aí, vocabulários que, no local onde vivem, para elas seriam inimagináveis.

De algumas já ouvi tentativas de explicar suas buscas como a de encontrar um novo e definitivo amor, mas elas sabem que essa não é a verdade, pois nas cidades ou países por onde passam, todas as noites frequentam as baladas locais, onde dificilmente encontrarão alguém em busca de um relacionamento sério.

Nesses locais, como se crianças fossem, cada uma delas acredita em tudo o que um homem que ali a conheceu diz sobre sua beleza, inteligência, simpatia e de sua intenção de conhecê-la melhor, pois sempre procurou uma mulher como ela para se casar.

Fascinadas com as palavras do príncipe encantado, naquela mesma ou na noite seguinte já vão para uma noite de "amor" e sexo com o mesmo, passando a se declarar extremamente apaixonadas por ele que, após essa noite nunca mais a vê ou, em raríssimas ocasiões até viaja para vê-las e com elas passar mais uma noite, mas o romance, claro, pouco durará em decorrência das dificuldades provocadas pela distância e porque, no fundo, o que ele realmente queria era mais uma para se divertir.

Sentindo-se então fracassadas, traídas ou incapazes de encontrar uma nova pessoa que realmente as queira bem e com elas possa tentar construir um novo e duradouro relacionamento, fingem partir para nova busca, mas na realidade, como uma delas mesmo disse: "eu quero é tchu, quero tchã, e também sei fazer o lê lê lê..."

Parecendo estar somente agora vivendo sua juventude, interrompida por um casamento precipitado, uma paixão momentânea ou uma gravidez indesejada, elas nem sequer sabem corretamente o que buscam e alegam que só querem "ser felizes" e ter novas experiências emocionais e sexuais.

Ao sair com uma pessoa que sequer conheciam antes de com ele haver dançado, essas mães - algumas até avós -, se esquecem dos riscos de poder estar diante de um sádico, traficante, portador de DST ou qualquer outro tipo de perigo por elas inesperado ou, de fato, imaturamente não calculado.

Pode-se pensar que esse tipo de preocupação é exagerado, mas notícias sobre agressões, estupros, assaltos e até assassinatos iniciados em situações semelhantes são muito comuns e quem as viveu explica que, antes de ir, deixou com as outras o endereço do hotel para onde estava indo, onde o homem dissera estar hospedado, ou que durante a conversa percebera que aquele novo conhecido era uma boa pessoa, empresário, que trabalhava em uma grande empresa ou algo assim.

Fingem não saber que, se aquele fosse um psicopata, bandido, tudo aquilo, de endereços, hotéis e cartões de visitas, poderiam ter sido criados exatamente com propósito por ele planejado.

As buscas desenfreadas por novas experiências e fantasias sexuais, normalmente se transformam em um tipo de roleta russa que, quando menos se espera, explode.


João Bosco Leal

*Jornalista e empresário

Mais Sobre Opinião

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.