Porto Velho (RO) terça-feira, 20 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Quem vai pagar a conta? Por Flávio Daniel


 Quem vai pagar a conta? Por Flávio Daniel - Gente de Opinião

Flávio Daniel - Carnavalesco

O ano letivo das escolas públicas do Estado de Rondônia mal começou e o princípio de greve dos professores já começa a rondar às escolas. Dessa vez, a agenda da greve pauta-se na reforma da previdência (e regime de aposentadoria especial dos mestres), "Fora, Temer", melhores condições de trabalho e reivindicações salariais. Além disso, alguns professores, técnicos e gestores não têm compromisso nenhum com a educação. Faltam às aulas, não cumprem com as suas obrigações profissionais e não preocupam-se com a qualidade de ensino que é passada aos nossos alunos. Como aponta o economista Gustavo Ioschpe, o professor médio brasileiro não está em condições morais de cobrar comportamento virtuoso de seus pupilos.

As centrais sindicais estão mais ativas que nunca. Também, pudera: o patrão é outro. É o "neoliberal" Temer. Surpreendentemente acordaram depois de 13 anos... Ativas, mas não mudaram o discurso: "professor ganha mal", "professor é herói" e etc., já não faz mais sentido. Não há relação empírica entre contra-cheque gordo e melhora na qualidade do ensino. Toda a classe trabalhadora brasileira ganha mal. Engenheiros, médicos, artistas, professores recebem 3,5 menos do que os mesmos profissionais de outras nações desenvolvidas. Como bem define Ioschpe, o mestre brasileiro não ganha mal por ser professor, mas por ser brasileiro.

O teatro montado pelas centrais sindicais aqui do estado tem dois espectadores: Alunos e Governo Estadual. Em terra de governador blogueiro e de propagandas institucionais maciças, estranha-se não  ter uma única nota por parte do governo acerca das deliberações de greve proposta pelos sindicatos. Sexta-feira passada, 17, na capital, sindicatos invadiram algumas escolas da rede estadual, tiraram os professores das salas de aula para reuniões e deixaram os alunos na ociosidade, quem passou pela praça Aluísio Ferreira, estranhou a quantidade de alunos das escolas da região, na praça, em pleno horário de aula. E o mais estranho: tudo isso acontecendo debaixo do nariz do Centro Político-Administrativo do Estado.

O mais engraçado é que o governo de Rondônia está começando a implantar o ensino integral em algumas escolas, ora não dá conta nem de fazer a lição de casa, o básico, quiçá segurar os mestres em salas de aula manhã e tarde. Mas isso é um problema crônico do País: somos uma  nação que desperdiça tempo demais com anúncios e chamadas em salas de aula. Além disso, ensino integral com oferta de ensino de música e esportes, em nada acrescenta no currículo do aluno. Se o horário das aulas fosse respeitado, não seria necessário ensino em tempo integral. Mas também que, obrigar um aluno a passar horas sentado desenvolvendo atividades de baixa complexidade (copiar somente o que está escrito no quadro, por exemplo) não irá trabalhar o seu intelecto, além de desperdiçar a criatividade e capacidade de cada aluno.

Por fim, seremos obrigados a ver uma greve de professores por tempo indeterminado, autoridades omissas e inexpressivas e, no final, para repor o tempo perdido, gincanas e danças valendo nota para repor aula e alcançar a carga horária. Algo tão banal, mas comum nas salas de aula de Rondônia que continua confirmando o velho jargão: Rondônia é terra sem limite, onde tudo se admite. Até quando?                        
[16:49, 18/3/2017] Flávio Daniel - Carnavalesco: Pela publicação agradeço, Flávio Dani

Mais Sobre Opinião

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.

Brasil,  192 anos dos Cursos  Jurídicos  Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

Brasil, 192 anos dos Cursos Jurídicos Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

O Brasil, último país a acabar com a escravidão tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma de desigual