Porto Velho (RO) terça-feira, 20 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Procurador-geral do MPC-RO publica artigo sobre lei que aperfeiçoa direitos dos usuários de serviços públicos


Procurador-geral do MPC-RO publica artigo sobre lei que aperfeiçoa direitos dos usuários de serviços públicos - Gente de Opinião

Adilson Moreira de Medeiros*

Com um atraso de quase trinta anos em relação ao texto constitucional original[1], foi recentemente sancionada a Lei n. 13.460, de 26 de junho de 2017, cumprindo o desiderato de regulamentar o art. 37, § 3º, da Carta Fundamental de 1988, depois de longa tramitação no Congresso Nacional, a partir do Projeto de Lei do Senado n. 439/1999.[2]

Se tomado por marco temporal o advento da Emenda Constitucional n. 19/1998, que deu nova redação ao dispositivo[3], a mora legislativa é de quase vinte anos, tendo sido necessário, nesse meio tempo, que o Supremo Tribunal Federal, em decisão liminar exarada pelo Min. Dias Toffoli, em julho de 2013, na Ação Direta de Inconstitucionalidade por Omissão n. 24[4], fixasse prazo de 120 dias para a edição de referida lei[5].

Sem embargo da demora e da constatação de que a novel legislação não cuidou de disciplinar todos os aspectos determinados pela emenda constitucional antes referida[6], trata-se, inequivocamente, de um grande avanço em sede de efetividade do direito fundamental à boa administração, definido por Juarez Freitas como:

o direito fundamental à administração pública eficiente e eficaz, proporcional cumpridora de seus deveres, com transparência, motivação, imparcialidade e respeito à moralidade, à participação social e à plena responsabilidade por suas condutas omissivas e comissivas.[7]

Deflui dessa compreensão a presença na lei em comento, dentre outros, dos parâmetros de presteza, acessibilidade, racionalidade, proporcionalidade, qualidade e eficiência[8] com que devem ser prestados os serviços públicos postos à disposição da população, cuja observância tanto pode ser cobrada diretamente pelo próprio destinatário (controle social), por meio dos instrumentos e canais de acesso ali previstos, quanto aferida pelos órgãos fiscalizatórios (controles interno e externo).

Em sede de controle externo, sem maior esforço se percebe a grande relevância de tal norma para o aperfeiçoamento das auditorias de cunho operacional, a partir das balizas legais que ora vêm a lume.

Com efeito, do teor do texto legal recém-editado ressaem aspectos assaz positivos, tais como a sua aplicação subsidiária aos serviços públicos prestados por particular (art. 1 º, § 3º) e a submissão expressa da administração pública aos ditames da Lei de Defesa do Consumidor (Lei nº 8.078/1990), quando caracterizada relação de consumo (art. 1º, § 2º, II), assim como o reconhecimento da qualidade de usuário a qualquer pessoa, física ou jurídica, que se utilize ou se beneficie desses serviços, seja efetiva ou apenas potencialmente (art. 2º, I).

Como medida de racionalidade legislativa, optou o legislador por remeter diretamente à Lei n. 12.527/2011 o acesso do interessado às informações de que necessite na seara da prestação de serviços públicos.

No tocante aos direitos do usuário, merece destaque a previsão expressa – ao lado de urbanidade, respeito e cortesia – da obrigatoriedade de garantir-se acessibilidade[9] a quem necessita de atendimento, regra de caráter nitidamente inclusivo (art. 5º, I e X)[10], na mesma senda da garantia de atendimento prioritário a pessoas com deficiência, idosos etc. (art. 5º, III).

O influxo do princípio da razoabilidade na elaboração normativa é claramente percebido no mesmo rol de direitos do art. 5º, como se vê das referências textuais que dizem com a “adequação entre meios e fins” (inciso IV – dimensão da adequação), vedação de “imposição de exigências, obrigações, restrições e sanções não previstas na legislação” e de “exigência de nova prova sobre fato já comprovado em documentação válida apresentada” (incisos IV e XV – dimensão da proibição de excesso), além da “eliminação de formalidades e exigências cujo custo econômico ou social seja superior ao risco envolvido” (inciso XI – dimensão da proporcionalidade em sentido estrito).

A transparência da administração, de um lado, e a segurança do destinatário da prestação, de outro, constituem a tônica dos direitos básicos do usuário elencados no art. 6º, do que são exemplos a “participação no acompanhamento da prestação e na avaliação dos serviços” (inciso I), “obtenção de informações precisas e de fácil acesso nos locais de prestação do serviço, assim como sua disponibilização na internet” (inciso VI), contrabalançados pela “obtenção e utilização dos serviços com liberdade de escolha entre os meios oferecidos e sem discriminação” (inciso II), “acesso e obtenção de informações relativas à sua pessoa constantes de registros ou bancos de dados (inciso III) e “proteção de suas informações pessoais” (inciso IV).

No respeitante aos canais de que dispõe o usuário para se fazer ouvir e ter seus direitos respeitados pela administração pública prestadora de serviços, o legislador conferiu grande relevo ao papel das ouvidorias, as quais não mais podem ser concebidas como meros receptáculos de queixas e sugestões dos interessados, com atuação amplamente deficitária em termos de resolutividade, como só acontece na atual quadra.

Em linha diametralmente oposta, a nova lei encarrega tais órgãos de atribuições voltadas diretamente à obtenção de resultados concretos, cumprindo-lhes, dentre outros misteres, previstos no rol do art. 13, garantir a efetividade e buscar o aperfeiçoamento dos serviços públicos, auxiliar na prevenção e correção de atos e procedimentos incompatíveis com os princípios estabelecidos na lei, além das funções de mediação e conciliação de interesses das partes.

Ainda no que tange ao prisma finalístico, cumpre anotar que a atuação das ouvidorias, por força do art. 12 da lei, perpassa a análise das demandas apresentadas e a obtenção das informações necessárias, só se considerando cumprida a missão depois de obtida uma “decisão administrativa final” a ser comunicada ao interessado.

E mais, a lei fixou o prazo de trinta dias, prorrogável justificadamente, por única vez e igual período, para encaminhamento da decisão administrativa ao usuário (art. 16).

De igual modo, cuidou o texto normativo de consignar o prazo de vinte dias, prorrogável nas mesmas condições antes mencionadas, para que os agentes públicos vinculados prestem as informações às respectivas ouvidorias (art. 16, parágrafo único).

Lado outro – e aqui residem os pontos criticáveis da lei –, outros instrumentos e órgãos previstos, a despeito de extremamente importantes, ficaram sem a adequada disciplina, relegados que foram à necessidade de futura regulamentação específica, sem fixação de prazo para tanto, o que põe em xeque a efetividade da norma em sua integralidade, notadamente por também não haver qualquer sanção para o seu descumprimento.

Assim é que as próprias ouvidorias deverão ser objeto de atos normativos específicos, de cada Poder e esfera de governo, que lhes definam a organização e o funcionamento (art. 17).

Outro instrumento que recebeu idêntico tratamento foi a “Carta de Serviços ao Usuário”, cujo conteúdo se presta justamente a “informar o usuário sobre os serviços prestados pelo órgão ou entidade, as formas de acesso a esses serviços e seus compromissos e padrões de qualidade de atendimento ao público” (art. 7º, § 1º).

Muito embora a lei preveja que os órgãos e entidades por ela abrangidos divulgarão essa Carta de Serviços (art. 7º, caput), com atualização periódica e disponibilização na internet (art. 7º, § 4º), não estabeleceu prazos para tais providências, limitando-se a remeter a operacionalização do tema para regulamentação de cada Poder e esfera de governo, igualmente sem fixação de horizonte temporal para cumprimento da medida.

O mesmo se deu com os “Conselhos de Usuários” previstos nos arts. 18 a 22 em termos assaz genéricos, deixando o legislador antever apenas que têm natureza jurídica de órgãos consultivos, com atribuições de acompanhamento e avaliação dos serviços, de proposição de melhorias e contribuição na definição diretrizes para o adequado atendimento ao usuário, bem como de acompanhamento e avaliação do ouvidor (art. 18, parágrafo único, I a V), podendo ser consultados quanto à indicação daquele (art. 20).

A generalidade atinge o ápice – beirando à rarefação – nas disposições acerca da composição de tais conselhos, aludindo a norma vagamente à observância dos “critérios de representatividade e pluralidade das partes interessadas, com vistas ao equilíbrio em sua representação”, sendo que a “escolha dos representantes será feita em processo aberto ao público e diferenciado por tipo de usuário a ser representado” (art. 19, caput e parágrafo único).

Diante de tamanha imprecisão, inelutável a necessidade de integração normativa, tal como consignado no art. 22, também sem prazo estabelecido.

Sem embargo da omissão de prazos para a edição dos atos regulamentares reclamados, cumpre averbar que a norma cuidou de prever, no derradeiro dispositivo (art. 25) períodos de vacatio legis distintos, a contar da publicação, para (i) a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios com mais de quinhentos mil habitantes (trezentos e sessenta dias); (ii) os Municípios entre cem mil e quinhentos mil habitantes (quinhentos e quarenta dias); e (iii) os Municípios com menos de cem mil habitantes (setecentos e vinte dias).

Tendo em vista que o instituto da vacatio legis colima prover os destinatários da norma do tempo necessário à assimilação de seu conteúdo e à obtenção das condições necessárias, sejam formais ou materiais, para sua fiel execução, mostra-se de todo razoável que se possa exigir que, ao cabo dos diferentes lapsos temporais estabelecidos, os órgãos e entidades prestadores de serviços públicos dos respectivos Poderes e esferas de governo tenham providenciado os atos regulamentares legalmente exigidos.

Nesse contexto, é perfeitamente possível – até mesmo recomendável – que os membros do Ministério Público de Contas, sem embargo de que também o façam os demais ramos ministeriais, dada a sua condição não apenas de custos legis, mas de custos iuris, expeçam a quem de direito notificações recomendatórias cobrando a tempestiva adoção das medidas de integração normativa previstas nos comandos legais alhures referenciados, sob pena de representação ao respectivo Tribunal de Contas, em caso de não cumprimento, tão logo expirado o correspondente prazo de vacatio legis grafado no art. 25 da lei em voga.

Trata-se de medida inegavelmente vocacionada a contribuir para a máxima efetividade do direito posto aqui tratado, nele incluídos os princípios e direitos fundamentais, ainda que implicitamente agasalhados no ordenamento jurídico nacional, a exemplo do direito fundamental à boa administração invocado ao início deste texto e que é tão caro, em especial, ao Ministério Público de Contas, dada a sua insofismável vocação para o combate à má gestão dos recursos públicos.

Com efeito, depois da corrupção, praga que nos dias que correm atinge níveis insuportáveis, a má gestão pode ser encarada como a segunda mais perniciosa chaga que acomete a administração pública brasileira – e que com incomum frequência anda de braços dados com a primeira –, o que se reflete na péssima qualidade e insuficiência dos serviços públicos ofertados à sociedade.

Em arremate, é inegável que a Lei n. 13.460/2017, ainda que com décadas de atraso e mesmo não estabelecendo prazos para as regulamentações ou consequências jurídicas para o seu desatendimento, representa um importante avanço rumo ao incremento da qualidade dos serviços públicos e abre mais uma frente de atuação para o Ministério Público de Contas no quotidiano combate à má administração dos recursos públicos. Vale aqui o ancestral provérbio utilius tarde quam nuquam!

  • O autor é Procurador-Geral do Ministério Público de Contas do Estado de Rondônia e membro (vice-Presidente para a Região Norte) do Conselho Nacional de Procuradores-Gerais de Contas – CNPGC.

    ______________________

    [1] Art. 37, § 3º, CF/88 (redação original): “As reclamações relativas à prestação de serviços públicos serão disciplinadas em lei”.
    [2] Objeto do Projeto Substitutivo da Câmara dos Deputados n. 20/2005. Antes já tramitara na própria Câmara o PL n.674/1999 e seu Substitutivo de n. 6.953/2002.
    [3] Art. 37, § 3º, CF/88 (redação da EC n. 19/1998): “A lei disciplinará as formas de participação do usuário na administração pública direta e indireta, regulando especialmente: I – as reclamações relativas à prestação dos serviços públicos em geral, asseguradas a manutenção de serviços de atendimento ao usuário e a avaliação periódica, externa e interna, da qualidade dos serviços; II – o acesso dos usuários a registros administrativos e a informações sobre atos de governo, observado o disposto no art. 5 º, X e XXXIII; III – a disciplina da representação contra o exercício negligente ou abusivo de cargo, emprego ou função na administração pública”.
    [4] Proposta pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil.
    [5] Em verdade, esse prazo já vinha fixado no art. 27 da Emenda Constitucional n. 19/1998
    [6] A lei passou ao largo, a título de exemplo, da disciplina da representação contra a atuação negligente ou abusiva de agentes públicos.
    [7] Discricionariedade administrativa e o direito fundamental à boa administração pública, São Paulo, Malheiros, 2007, p. 20.
    [8] Alçada ao patamar de princípio constitucional pela mesma EC n. 19/1998.
    [9] Tal previsão não se confunde com o direito de acesso ao agente público ou órgão encarregado de receber manifestações, previsto no art. 6º, VI, c.
    [10] “Art. 5º (,,,) I – urbanidade, respeito, acessibilidade e cortesia no atendimento aos usuários; (…) X – manutenções de instalações salubres, seguras sinalizadas, acessíveis e adequadas ao serviço e ao atendimento”.

Mais Sobre Opinião

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.

Brasil,  192 anos dos Cursos  Jurídicos  Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

Brasil, 192 anos dos Cursos Jurídicos Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

O Brasil, último país a acabar com a escravidão tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma de desigual