Porto Velho (RO) domingo, 25 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Porto Velho (a cidade que não estava lá! ) necessita de um LÍDER, não só mais um Prefeito !



O vencer de uma eleição é até muito fácil, bastam ter estratégias específicas para isso. No entanto, ser um grande político é que são elas. Político é ser líder em potencial. E liderança depende de comunicação, flexibilidade econgruência, predicados ainda raros ou desconhecidos entre nossos candidatos ao Palácio Tancredo Neves em Porto Velho.

O líder político representa um grupo de pessoas com interesses comuns e, portanto deseja conseguir através da sua atuação benefícios para aqueles que ele representa. Assim como o cidadão ele também quer um relacionamento mais próximo ao governo, com mecanismos e ferramentas que sejam capazes de facilitar e dar mais agilidade na solução dos problemas da sua comunidade ou classe. Essa afirmação escrita nesse parágrafo está na agenda dos candidatos à Prefeitura de Porto Velho, óbvio que não!

A influência de um líder político pode dar legitimidade aos projetos e agir como um acelerador em transformar ideias em ação porque ele representa uma classe a qual ele também pertence. Isso o faz um ator que conhece profundamente as dificuldades e desejos daqueles que ele representa e tem uma postura bastante crítica ao governo. Por esse motivo, deve participar ativamente do processo, ser ouvido e receber as respostas aos seus questionamentos e propostas para não se sentir desprestigiado e influenciar negativamente aqueles que ele representa.

Alguns candidatos vendem a imagem do Politicamente Correto?

Claro que sim. O politicamente correto serve como blindagem e escudo para proteger a ideologia dos inimigos políticos. Lideranças políticas ou pessoas comuns que se recusam a aceitar as imposições do politicamente correto são imediatamente taxadas de “polêmicas” ou de extremistas ou radicais de direita ou fundamentalistas. E essa rotulagem não se dá pelo conteúdo daquilo que dizem, mas pela sua recusa em enquadrar seu discurso dentro dos limites impostos através do politicamente correto. A rotulagem comum não diz respeito necessariamente ao que cada um desses líderes afirma, mesmo porque eles afirmam coisas diferentes que dizem respeito a problemas diferentes relativos a países diferentes, o que deveria ser uma obviedade, aliás. A rotulagem se deve ao fato de tais líderes se recusarem a se dobrar ao politicamente correto.

Não temos o líder eficiente que coloca como meta principal a estrutura da nossa cidade que pode ficar a frente de outras, basta querer. Por isso é de responsabilidade do próximo prefeito ter bons assessores para que cada vez mais haja uma adaptação a fim de proporcionar uma superação de obstáculos e uma preparação para novos desafios. E a organização (município de Porto Velho) por sua vez deve implantar ferramentas de ade estratégia administrativa e de gestão a fim de avaliar a conduta e desempenhos de seus assessores que serão responsáveis pelo Líder que nossa cidade tão almeja.

Os líderes que são políticos tem de ser criativos, adotando e introduzindo mudanças, assim como estarem desejosos de fazer coisas novas, ser autênticos definir e articular uma visão que englobe os diferentes valores e estilos de vida de todos os cidadãos.

Texto de Victoria Angelo Bacon

Mais Sobre Opinião

A fogueira das vaidades

A fogueira das vaidades

O que até agora era bravata, “não é insulto, é o jeito dele”

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.