Porto Velho (RO) domingo, 25 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

PMDB de Rondônia: A influência e a autofagia...


O partido do Movimento Democrático Brasileiro, PMDB, precisa rever urgentemente seus conceitos e sua postura como agremiação política, pois os resultados obtidos nas eleições de 07 de outubro revelam uma situação, no mínimo, estranha e onde está muito evidente que o partido de Raupp, Marinha e Confúcio Moura não possui mesmo nenhuma liderança no estado onde mora o presidente nacional da sigla.

Embora o senador Valdir Raupp tenha propagado no horário eleitoral que tem influência em Brasília e que é amigo do vice-presidente da república, sua influência nunca resolveu nenhum problema de nosso estado. Basta lembrar dos seguintes fatos: que Rondônia paga uma dívida altíssima, relacionada com o fechamento do Banco do Estado de Rondônia BERON, que a rodovia federal 425 encontra-se em situação vergonhosa, que os buracos da BR 364 são lembrados na tribuna do Senado Federal apenas quando morrem pessoas conhecidas dos políticos, que a transposição dos servidores foi feita da forma como bem quis o governo federal, que o partido de Raupp e Confúcio perderam feio em todas as cidades consideradas pólos no estado, como é o caso de Vilhena, Pimenta Bueno, Cacoal,  Ouro Preto, Jaru, ji-Paraná, Porto-Velho e Guajará-Mirim. Em cidades como Ariquemes, onde mora o governador do PMDB e Rolim de Moura, onde mora o presidente nacional do PMDB, o partido não teve nem mesmo capacidade para ter candidatos na cabeça de chapas, curvando-se a outras siglas para participar de chapas que tinham mais organização. Vergonhoso este fato para um partido conhecido no país inteiro como “grande”.

Ao citar no primeiro parágrafo do texto que o partido pertence a Raupp, Marinha e Confúcio, minha intenção é justamente deixar claro que os outros milhares de filiados não podem ser culpados pela derrota estrondosa que o partido teve nas urnas em 07 de outubro. Claro que o partido possui filiados importantes, com liderança e que são respeitados, mas que perderam o espaço, perderam o controle e perderam a vontade de militar no PMDB do velho Ulisses Guimarães. Em 1988 havia, segundo Ulisses, a “voz rouca das ruas”... Em Rondônia, ao que parece, o PMDB de Raupp, Confúcio e Marinha calou a “voz rouca das ruas”...Na capital do estado, onde há cerca 280.000 eleitores, o candidato do PMDB teve apenas 6.169 votos, perdendo para os votos brancos (6.304) e os votos nulos (9.397). A única cadeira na câmara de vereadores de Porto-Velho que será ocupada por um membro do PMDB não tem nenhuma ligação com a influência do governo ou dos Raupp, pelo que se conhece sobre os fatos.

Em Guajara-Mirim, a cidade mais antiga depois de Porto-Velho, dos quase 30 mil eleitores, apenas 3.051 votaram na candidata do PMDB, que ficou na terceira colocação na disputa, uma posição bem melhor do que o sétimo lugar obtido pelo PMDB na capital. Em Cacoal, uma das cidades mais importantes de Rondônia, conhecida por sediar muitos cursos universitários e pela grande produção de café e outras riquezas, Raupp fez de tudo: juntou 18 partidos na coligação, chegou a colocar seu irmão,  vice, na chapa derrotada, aliou-se a Ivo Cassol, inimigo histórico e que o acusa de ter falido o “BERÃO”, além de colocar no palanque derrotado 22 deputados estaduais, 06 deputados federais, 02 ex-prefeitos da cidade e até imagens de Michel Temer, o vice-presidente da república, na TV ... Todos foram derrotados pelo atual prefeito, padre Franco. Mas o atual prefeito sofreu, pois, todos os dias, tinha que esclarecer as muitas mentiras inventadas pela turma de Raupp e levadas ao Ministério Público e à Justiça Eleitoral. Aliás, a saúde pública seria muito melhor se o hospital regional de Cacoal,administrado pelo estado e pelo partido de Raupp, fosse fiscalizado pelo Ministério Público com o mesmo rigor que fiscaliza os órgãos municipais de saúde. Considero importante a fiscalização, mas seria mais justa se fosse feita também no hospital do estado com a mesma determinação.

Para o legislativo, o PMDB não elegeu nenhum vereador em Cacoal e seus candidatos perderam feio para o candidato Chapeuzinho, que fez sua campanha numa bicicleta e nas horas de folga, quando não estava cumprindo seu trabalho de jardineiro. Claro que a bicicleta deverá ser o único bem declarado por Chapeuzinho em sua prestação de contas. Não porque ele vai omitir bens, mas porque seu único bem na campanha foi mesmo sua bicicleta, além da honra e da dignidade que ele possui. Com seus quase 800 votos, o jardineiro Chapeuzinho teve mais que o dobro de muitos candidatos milionários e deixou para trás  quase todos os candidatos do PMDB. Apenas ficou à sua frente a Dr. Raquel, atual vice-prefeita da cidade e uma pessoa conhecida e respeitada na região, como política e como médica.

Em Rolim de Moura, a cidade onde mora o senador Valdir Raupp e a deputada federal Marinha Raupp, o PMDB não conseguiu ter nem candidato e participou da eleição municipal apenas como cabo eleitoral do PT, que ficou na terceira colocação, numa prova clara de fragilidade do partido de Raupp e Sarney.

Considerando  que os servidores públicos  estaduais ficaram muito irritados com o resultado do processo de transposição para o quadro federal, considerando que os erros administrativos e políticos do atual governo de Rondônia são inomináveis e considerando também que a influência pregada pelo senador e presidente nacional do PMDB não foi constatada nas urnas, podemos prever, com boa margem de certeza, que a reeleição de Confúcio Moura, depois do que se viu nas eleições deste ano, subiu no telhado... Em pouco tempo, para a tristeza de Ulisses, já não será possível, para o PMDB,  ouvir nem mesmo a “voz rouca das ruas” ... Tenho dito!!

FRANCISCO XAVIER GOMES

Professor da Rede Estadual

Mais Sobre Opinião

A fogueira das vaidades

A fogueira das vaidades

O que até agora era bravata, “não é insulto, é o jeito dele”

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.