Porto Velho (RO) domingo, 18 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Opinião: Pátria e cidadania



Estamos em plena “Semana da Pátria”. Iniciamos o mês da Bíblia com a reflexão sobre o lugar onde vivemos. O país faz parte de nossa própria tradição pessoal. O homem é obrigatoriamente ligado à terra, ao seu território. Mesmo agora, com toda globalização, experimentamos como a busca das raízes e das nacionalidades aumenta ainda mais.

A nação incorpora-se ao ser da dignidade da pessoa enquanto cidadão que é. A nação é o lugar privilegiado não só de suas características naturais como planícies, rios, montanhas e o solo, mas é, principalmente, onde nossos antepassados deixaram a sua marca, onde eles cresceram, onde eles construíram a sua história de vida, e que nós herdamos esses valores. Essa realidade nos impulsiona a amar a nossa pátria. Aqui também encontramos a preocupação com os migrantes e também o espírito cristão, que sabe que é sempre estrangeiro enquanto caminha para a pátria definitiva e, ao mesmo tempo, sabe que sente como sua pátria todos os lugares onde está. Porém, o amor às raízes e a nossa responsabilidade pelo bem comum, seja onde nascemos, seja onde fomos adotados, faz com que, mesmo não perdendo de vista a globalidade das preocupações humanas, tenhamos também o nosso trabalho na construção de um mundo mais justo e solidário.

O povo do Antigo Testamento mostra muitas vezes essa ligação com a terra de seus pais. Muitas passagens do Antigo Testamento demonstram a predileção do povo judeu pela terra de seus antepassados. O Novo Testamento descreve o carinho de Cristo para com seu povo e diz que Jesus chorou sobre o destino de Jerusalém, que seria destruída, como nos recorda o Santo Padre Pio XII em sua encíclica “Summa Pontificatus”, de 20 de outubro de 1939: “o Divino Mestre dá o exemplo de amor à sua terra quando chorou sobre a iminente destruição da Cidade Santa”.

A grande questão é que muitas vezes, e em muitas decisões, há certa confusão entre a nação e seu governo, entre o povo e os administradores.

Santo Tomás, em sua Summa Theologica (Questão 101, seção I), assim se expressa: “Assim como é para a religião a adoração a Deus, é, em menor grau, a piedade do culto aos pais e à pátria.”. Um culto de gratidão à terra que nos acolheu, gratidão por esse dom recebido.

A Igreja Católica sempre o afirmou como uma realidade palpável e sempre o teve como uma virtude, aliás, como presente em sua doutrina, através do Catecismo (2239): “o amor e o serviço ao país são reconhecimento do direito e estão na ordem da caridade”.

Mas esse amor não deve ser descompromissado e sem reflexão crítica. Para mais amarmos, mais queremos bem à Pátria. Daí vem o compromisso com os excluídos, a nossa preocupação com o futuro da nação, a cobrança aos governos.

Sabemos que a situação atual é muito difícil. Os bolsões de pobreza e violência demonstram quantos passos ainda temos que dar. Só um irmão que passe fome e necessidades extremas já nos questiona sobre a dignidade da vida humana.

A gravidade dos desafios no campo da pobreza salta aos nossos olhos e não só ao homem de fé, mas também ao bom senso natural.

O país exige mudanças estruturais e exige que homens bons e honestos no campo político tomem para si a grande responsabilidade pelo pão, pelo trabalho, pela educação, pela segurança e pela paz que são pedidos pela nação. Os governos devem estar a serviço do povo.

O empenho pela transformação do país, para uma pátria socialmente justa, não é um tarefa apenas para sonhadores: as próximas eleições que se avizinham são uma forma bem concreta para essa transformação.

Neste momento das eleições, a Igreja pede que os cidadãos não reduzam a sua participação política apenas ao voto, embora este seja fundamental e necessário. Pede, igualmente, que não deixe que os políticos trabalhem sozinhos pelo bem público, mas que todos se sintam corresponsáveis pelos destinos do país. Todos têm o seu dever de responsabilidade pública, que começa com o voto e com a eleição, mas neles não se esgota.

Rezemos para que o povo brasileiro se conscientize, na Semana da Pátria que se inicia, a votar somente em candidatos “Ficha Limpa” e que tenham compromisso com a vida em todas as fases, contrários ao aborto, e que defendam a dignidade humana, superando o assistencialismo e criando condições dignas de ensino de qualidade, acesso ao mercado de trabalho e constituição de uma cidadania que quer emprego, renda, saúde e educação.

É isso que desejamos ao nosso Brasil nesta semana em que olhamos para o passado e presente sonhando com um futuro sempre melhor, enquanto nos comprometemos com atitudes concretas nesta importante missão de uma pátria justa e aberta e que seja a meta número dos homens públicos.

Fonte: CNBB / Dom Orani João Tempesta

Mais Sobre Opinião

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.

Brasil,  192 anos dos Cursos  Jurídicos  Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

Brasil, 192 anos dos Cursos Jurídicos Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

O Brasil, último país a acabar com a escravidão tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma de desigual