Porto Velho (RO) sexta-feira, 23 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

OPINIÃO DO CIDADÃO: Porto Velho verde para ingês ver


 

Por Luiz Eduardo da Silva (*)

A Prefeitura de Porto Velho está mobilizando a população da cidade, veiculando massivamente propaganda na mídia local, para que todos venham participar do lançamento do Programa “Porto Velho Mais Verde”. Com esta atitude, a administração da Capital pretende entrar para o livro dos recordes, a partir da façanha de realizar o maior e mais rápido plantio de árvores da história. O objetivo da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (SEMAS) é plantar cinco mil mudas de árvores em apenas cinco minutos, nesta próxima sexta-feira, dia 27 de novembro, a partir das 17 horas, nos canteiros centrais das avenidas Lauro Sodré e Jorge Teixeira.

O Programa “Porto Velho Mais Verde” se inscreve nas atitudes equivocadas de uma pasta da municipalidade que nunca disse a que veio. Ou seja, o que a Prefeitura pretende com este programa, na verdade, é entrar no livro dos recordes, o famoso e curioso “Guinness Book”. Resumindo, trata-se de um estratagema da Prefeitura que visa por na ordem do dia da mídia nacional (e, se der certo é claro, na mídia mundial), a administração da companheirada.

Até a década de sessenta a cidade respirava ares de urbe amazônica, com ruas e praças fartamente arborizadas. As principais vias centrais (destacando-se aí a Avenida Sete de Setembro), as praças, as frentes das residências localizadas nos bairros da cidade e o conjunto habitacional Caiari traduziam a estética verde de uma cidade fincada na beira do Rio Madeira, no coração da imensidão verde-amazônico.

Ao romper das décadas a cidade foi perdendo suas árvores, sobretudo aquelas plantadas em praças e passeios públicos na área central. O verde foi dando lugar ao ‘moderno’, ao cimento, às novas edificações anunciadoras do progresso e do futuro cinza-concreto, sem nunca se promover uma discussão que buscasse compreender a possibilidade de co-habitarem, no mesmo espaço, a modernidade e o verde; as novas edificações e a paisagem amazônica.

A Prefeitura chegou ao cúmulo de concretar canteiros centrais de vias públicas da cidade. Foi o que aconteceu com os jardins do canteiro central da Avenida Presidente Dutra, hoje um jardim de concreto, e a Praça Aluízio Ferreira que, depois de amplas e várias reformas, virou um largo para realização de shows e grandes eventos, onde o verde foi substituído por vastas calçadas de bloquetes.

O Programa Porto Velho Mais Verde, que poderia ser a primeira atitude pública séria e necessária da municipalidade, para se repor o verde da cidade, desembarcará nesta sexta-feira, dia 27 de novembro, revestido de uma concepção completamente equivocada, uma vez que visa entrar no Guinness Book, fincando um recorde e, assim, projetor o feito em toda mídia do Brasil e, quiçá, do mundo. O propósito não é tornar a cidade mais agradável climática e plasticamente. O projeto não fita levar o verde e a sombra de copas frondosas de espécie de árvores amazônicas para todos os quadrantes da urbe. É uma ação eventualista, de explicito cunho midiático, com o único objetivo de projetar a imagem de alguma vaidosa autoridade de plantão da gestão municipal.

Aliás, a julgar pela aparência das crianças que atuam na propaganda que vem sendo veiculada nas redes de televisão do município, com predominância do biótipo branco, louro e olhos azuis, a nossa juventude, portadora do perfil afrodescente, indígena, caboclo ou periférico, certamente está desconvidada.

Não é possível mais aceitar que numa região como a nossa, com marcantes características indígena e cabocla, só pessoas de perfil ariano sejam nossos garotos propagandas. Sobre tudo em peças publicitárias financiadas com o dinheiro dos contribuintes, realizada por esta administração que se diz de todos e todas.

O que assistiremos, então, nesta grande atitude de espetacularização da ação publica, cercada por muitas motocicletas e veículos troando sirenes, helicóptero em voou rasante, equipes das várias televisões, rádios, internet e tudo mais de parafernália que esta ação requer, é a materialização de um pseudo e equivocado programa da Prefeitura de Porto Velho, propondo a arborização da cidade. Trata-se, na verdade, de um acontecimento planejado, para atrai a atenção de organizações de meios de comunicação, particularmente jornais, telejornais e jornais na internet. Resumindo, a partir do desta sexta-feira, teremos uma cidade verde para inglês ver.

* Luiz Eduardo da Silva é acadêmico de geografia e DJ, residindo em uma rua sem árvore na cidade de Porto Velho.

Mais Sobre Opinião

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.