Porto Velho (RO) domingo, 18 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Obras desnecessárias - Por Professor Nazareno


 Obras desnecessárias - Por Professor Nazareno - Gente de Opinião

Professor Nazareno*
 

Porto Velho é uma cidade horrível, bisonha, sinistra e desnecessária. Situada no extremo noroeste de Rondônia a poucos quilômetros da divisa com o Amazonas, a nossa capital ocupa uma posição geográfica que não a credencia para ser o principal centro urbano do Estado. Rolim de Moura, Ji Paraná ou qualquer outra cidade mais central poderia exercer esta função de maneira mais cômoda, eficiente e econômica para todos os rondonienses. Como se não bastasse esta desprivilegiada localização, a “capital dos destemidos pioneiros” é suja, mal cuidada, mal administrada e nem se parece com uma verdadeira cidade. Repleta de obras eleitoreiras e inacabadas, a cidade imita uma currutela daquelas dos seus antigos garimpos de ouro. Pior: muitas obras sem nenhuma serventia são construídas todos os anos com objetivos ainda pouco desconhecidos.Obras desnecessárias - Por Professor Nazareno - Gente de Opinião

A primeira destas obras é o ginásio Cláudio Coutinho. Construído e inaugurado no início dos anos 80, o “elefante branco” é uma obra totalmente faraônica. Em Porto Velho não há nem nunca houve esporte de qualidade alguma que justificasse construir aquilo. Agora, sem nenhuma necessidade, gastaram mais de seis milhões de reais para recuperá-lo. O velho ginásio já serviu para tudo, menos para esportes. Alojamentos de servidores públicos, pagamentos de salários, apuração de votos, feiras de tecnologia, festas, reuniões. Foi por lá que começou a trágica festa junina Flor do Maracujá, que ainda hoje continua sem data ou local definidos. Sem times de vôlei, basquete, handebol ou qualquer outro esporte de quadra, Porto Velho não precisa dele. Por isso, essa “praça de esportes” poderia ser implodida que não faria falta nenhuma aos moradores daqui.

A ponte escura sobre o Madeira, que custou mais de 300 milhões de reais, é outra coisa sem nenhuma serventia. Sem ela, Porto Velho teria a mesma rotina, já que não há vilas ou cidades do outro lado do rio que justificassem tamanho desperdício. Humaitá fica a 200 quilômetros de distância e a BR-319 é um sonho que até os próprios amazonenses já descartaram ao fazerem uma ponte de um bilhão e 300 milhões de reais ligando Manaus ao Cacau Pirêra e não à estrada em direção a Rondônia e ao sul do país. O teatro Palácio das Artes é outra pilhéria homérica. Não há artes por aqui. Nem artes nem nenhuma cultura. Então, não há necessidade de uma casa de shows suntuosa como aquela. Em breve, a sua utilidade real será igual à do Cláudio Coutinho: nada. Ficará às moscas ou abandonado e só servirá para aulões, alojamento ou reuniões com outros fins.

Em vez de se gastar seis milhões de reais à toa, esse dinheiro bem que poderia ter sido usado para construir, por exemplo, um auditório na Escola João Bento da Costa, a melhor da capital, onde passam diariamente quase quatro mil alunos. Será que o povo daqui sabe o que é basquete, vôlei, tênis ou handebol? E quem diabos foi esse tal Cláudio Coutinho? Muitos acham que foi algum ex-governador daqui ou prefeito da capital. Em Porto Velho se gasta muito mal o dinheiro público. Sem saneamento básico, sem água tratada, sem mobilidade urbana, sem áreas de lazer, sem arborização, sem transportes públicos de qualidade, sem parques ou praças, a “currutela fedida” e mal administrada amarga a triste rotina de ser o que nunca deveria ter sido: uma capital de Estado. Torcida aqui só para times de futebol de fora. Tanto dinheiro desperdiçado teria mais utilidade se fosse usado para construir escolas de tempo integral ou bons hospitais.

*É Professor em Porto Velho.

Mais Sobre Opinião

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.

Brasil,  192 anos dos Cursos  Jurídicos  Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

Brasil, 192 anos dos Cursos Jurídicos Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

O Brasil, último país a acabar com a escravidão tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma de desigual

Vagalumes nas trevas

Vagalumes nas trevas

Mas as trevas não são absolutas: há estrelas, há vagalumes, há réstias de luz