Porto Velho (RO) sexta-feira, 27 de novembro de 2020
×
Gente de Opinião

Opinião

OAB cobra mudanças profundas no sistema político brasileiro


OAB cobra mudanças profundas no sistema político brasileiro - Gente de Opinião

Por Andrey Cavalcante

A recente decisão do Ministro Luís Roberto Barroso sobre o caso do Deputado Federal Natan Donadon abre uma nova perspectiva em uma disputa que está colocando em xeque os fundamentos da democracia brasileira.

Condenado pelo Supremo Tribunal Federal a mais de treze anos de prisão por vários crimes cometidos no uso de funções legislativas o Deputado Natan Donadon teve o mandato de deputado preservado por seus pares em votação secreta realizada na Câmara no último dia 28 de agosto.

A situação inédita no país – um deputado federal presidiário e com mandato em vigor – é mais do que um constrangimento: trata-se de situação esdrúxula a expor as deficiências do sistema político brasileiro, o qual não consegue defender e preservar a moralidade pública esperada por todos.

Ao decidir (nos autos do Mandado de Segurança 32326) pela suspensão da votação da Câmara que manteve o mandato de Donadon o Ministro Barroso considerou “haver periculum in mora pela gravidade moral e institucional de se manterem os efeitos de uma decisão política que, desconsiderando uma impossibilidade fática e jurídica, chancela a existência de um deputado presidiário, cumprindo pena de mais de 13 anos, em regime inicial fechado”.

Reproduzindo a indignação compartilhada pelos cidadãos por todo o país o Ministro reforçou que a situação causa “perplexidade jurídica”, abala as instituições e legitima a atuação imediata do Judiciário.

A Ordem dos Advogados do Brasil compartilha a visão de que o sistema político brasileiro precisa de reformas urgentes, transformações profundas que possam modificar a ainda grandiosa separação do poder politico dos mais dignos anseios sociais.

Há fortes suspeitas de que essa manobra da Câmara pode antecipar outros procedimentos que visem a inibir os efeitos das condenações criminais impostas a parlamentares no caso do mensalão. Tudo isso demonstra como pensa um poder que parece viver apenas para si mesmo, obedecendo a interesses próprios, desconectado, distante da realidade moral exigida pelo povo.

A sociedade civil não tolera mais esses arroubos de autodefesa a qualquer custo por parte de agentes públicos de quaisquer dos poderes constituídos. Há poucos dias a população brasileira foi às ruas demonstrar sua indignação e revolta por se sentir usurpada e abandonada em suas expectativas por aqueles a quem constituiu e investiu para protegê-la a ampará-la.

Mundo afora, o avanço dos ideais democráticos tem produzido revoltas e conflitos sem precedentes, os quais expõem o quanto populações inteiras não estão mais dispostas a continuarem se sujeitando a práticas intoleráveis de desrespeito e submissão.

Por mais que tenha avançado desde o fim da ditadura militar, o Brasil ainda padece de males formadores de sua identidade que precisam ser superados.

A OAB cobrará intensamente, em todos os Estados do Brasil, e, sobretudo, por meio de seu Conselho Federal, que o Congresso Nacional decida, o quanto antes, pelo fim das votações secretas para pedidos de cassação de mandatos parlamentares, com repercussão para os modelos estaduais. Essa é apenas uma das medidas encampadas pela OAB dentro de um quadro de propostas que seguem da atual campanha Eleições Limpas até as muitas discussões sobre a Reforma Política que vem sendo travadas juntamente com várias outras instituições.

Não é admissível que, numa sociedade onde a transparência pública deveria ser regra, ainda existam rincões de obscuridade e sombras que sejam utilizadas para salvar condenados por graves crimes contra o bem público e por aqueles que pretendem acobertá-los.

Pelos próximos dias e meses, seguindo até a realização da Copa do Mundo e a eleição majoritária do ano que vem, a sociedade brasileira estará mobilizada, inquieta e atenta aos desmandos aparentemente incorrigíveis que ainda não foram expurgados dos sistemas públicos nacionais.

Interlocutora privilegiada da sociedade, a OAB conclama a classe política a se sensibilizar diante do cenário de incerteza que novos e mais radicais protestos podem criar.

25 anos depois de a Constituição Democrática ter sido promulgada a população brasileira não deixará que ela se torne uma bem lustrada peça de boa literatura jurídica.

Cabe aos representantes políticos dar um enorme passo no sentido de compreender que a democracia no Brasil é um caminho sem volta e que o respeito ao povo deve estar à frente dos interesses individuais ou de partidários.

Em face de sua missão cidadã a OAB estará alerta e participando de todas as etapas desse processo, ajudando a sociedade a zelar por um de seus bens mais precisos: o direito fundamental de vigiar e cobrar o poder público para que ele não se esqueça das finalidades mais elevadas de sua existência.

 Andrey Cavalcante

Presidente da Seccional Rondônia da OAB

Mais Sobre Opinião

Hildon Chaves deverá vencer as eleições muito facilmente, se a Cristiane não se reposicionar junto aos eleitores

Hildon Chaves deverá vencer as eleições muito facilmente, se a Cristiane não se reposicionar junto aos eleitores

Até o momento, ao que tudo indica, parece que a definição sobre quem será o próximo prefeito ou prefeita de Porto Velho é “favas contadas”. O atual

Respeito a decisão do Vinícius, mas não concordo

Respeito a decisão do Vinícius, mas não concordo

Recebi de um amigo um vídeo em que o candidato à prefeitura de Porto Velho, Vinicius Miguel - em quem votei no primeiro turno da eleição de domingo (1

Os náufragos de 2020

Os náufragos de 2020

Não foi apenas o presidente Jair Bolsonaro que saiu perdendo nas eleições municipais de 2020. A esquerda foi massacrada nas urnas. Exemplo disso é o

O recado das urnas

O recado das urnas

A renovação substancial da Câmara Municipal de Porto Velho, além da decepção causada a muitos dos que atualmente exercem mandato de vereador, há de