Porto Velho (RO) quinta-feira, 22 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

O voto de Nazireu e Sansão - Por João Antônio Pagliosa


 

Nazireu, dentro da Torá é um termo que designa uma pessoa para serviços a Deus, e segundo a Bíblia, a marca mais comum dessa pessoa - que podia ser homem ou mulher - ,era o uso de cabelo não cortado, a abstinência de vinho e de qualquer bebida alcoólica, a não entrar em qualquer casa, em que houvesse gente morta, e a não assistir qualquer funeral.

Em Amós 2:11, disse o Senhor pela boca do profeta: "Escolhi alguns de seus filhos para serem profetas e outros para serem nazireus, não foi isso mesmo que fiz?"

Em Lamentações 4:7 lemos: "Os seus nazireus eram mais resplandecentes que a neve, mais brancos que o leite; eram mais ruivos de corpo do que os corais e tinham a formosura da safira."

Alguns eram escolhidos e faziam voto de nazireu. Eram separados, eram adoradores, e tinham o seu prazer somente no Senhor. Eram santos, puros e saudáveis de corpo e de mente e de espírito. Os nazireus eram uma honra para Israel, e uma honra para todo o povo judeu.

Sansão o homem forte da Bíblia foi juiz do povo judeu por vinte anos. Ele era um nazireu, e o Espírito do Senhor habitava nele, e o fazia muito forte. Ainda antes de nascer já era homem consagrado a Deus, e ele foi escolhido para iniciar o livramento do povo judeu das mãos dos filisteus.

Porém, quando Sansão se deixou enganar por Dalila, a mulher cortou seus cabelos, ele perdeu suas forças e foi subjugado. Os filisteus vazaram seus olhos e o encarceraram, e os príncipes inimigos fizeram grande festa porque seu principal adversário, aquele que destruía suas terras e multiplicava seus mortos, estava agora em suas mãos.

E o chamaram para que fosse humilhado pois queriam se divertir com aquele homem que lhes causara tantas perdas. E Sansão, completamente cego, pediu para ser colocado entre as duas colunas de sustentação daquele templo, onde se realizava a festa e estava cheio de homens e mulheres. Eram acima de três mil pessoas que ali se divertiam às custas daquele nazireu, cujo Deus se retirara dele porque desobedecera e revelara o segredo de sua força.

E nos últimos instantes de sua vida terrena, Sansão se arrependeu de sua falha e clamou ao Senhor que lhe devolvesse sua força apenas mais uma vez, para que se vingasse daquele povo que o humilhava e que oprimia o povo judeu.

Então, apoiando-se em ambas as colunas, clamou mais uma vez, e fez enorme esforço empurrando as colunas que começaram a se deslocar... E em questão de segundos tudo veio abaixo...

Sansão vivera e morrera matando aqueles que escravizavam seu povo... E foram mais os mortos em sua própria morte, do que os que matara em toda sua vida.

Gente de Opinião
João Antônio Pagliosa

Mais Sobre Opinião

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.