Porto Velho (RO) domingo, 25 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

O verdadeiro aprendizado é como a boa música: fica para sempre!


 (*) Adriano Dias Nunes

No mês de maio, comemora-se o aniversário do músico russo Pyotr Ilitch Tchaikovsky. Nascido em 1840, o compositor de clássicos como O lago dos cisnes, A bela adormecida, O quebra nozes e a Abertura-fantasia Romeu e Julieta morreu aos 53 anos, vítima de cólera. Passados 120 anos de sua morte, comparamos seu trabalho, que nos deixou um rico legado de composições talentosas e criativas, à atuação de um professor em sala de aula.

Entre outros significados, a música é descrita no dicionário como “arte e técnica de combinar sons de maneira agradável ao ouvido”. Se trocarmos a palavra “sons” por “conhecimento”, obteremos uma poética explicação para o ofício do docente. Assim como os grandes músicos, os bons educadores têm o poder de transformar a teoria em uma linguagem viva e dinâmica.

Como o aluno de hoje está conectado a um universo de informações e possibilidades, o educador deve assumir o papel de maestro. Assim como os regentes que conduzem um grupo de músicos, cabe ao professor estabelecer a harmonia entre instrumentos de aprendizado, conteúdos e metodologia.

Ao deixar de ser o agente central do processo e se tornar mediador, o professor assegura que os temas sejam discutidos com propriedade pelos alunos, que devem desenvolver habilidades e competências, construir argumentações e resolver desafios apresentados por meio de situações-problema. Uma estratégia que pode ser um recurso para atrair e manter o interesse do aluno é empregar uma metodologia que faça com que ele teste seus limites por meio de um conjunto de atividades que valorizem o pensamento investigativo e o raciocínio lógico. Ao lidar com situações que fazem sentido para o aluno, torna-se mais fácil despertar sua vontade de aprender.

Além disso, é fundamental oferecer soluções educacionais que combinem o que há de mais atual em metodologia com recursos interativos e modernos para que o aprendizado do aluno seja de fato uma experiência dinâmica e sensorial. Porque sabemos que cada vez mais os conhecimentos devem ser vivenciados pelo aluno em tempo real. E transformar o aprendizado em experiência prática deve ser o maior propósito.

Para que aluno e professor estejam em harmonia, o repertório de soluções educacionais precisa acompanhar o ritmo de cada estudante, com auxílio de recursos interativos e dinâmicos que permitam ao aluno vivenciar todas as suas descobertas. E esse é justamente um dos diferenciais do Ético Sistema de Ensino, que prepara o professor para assumir a função de maestro e conduzir o aprendizado, sempre buscando a harmonia entre o ensinar e o aprender. O Ético é referência na área educacional, tanto por sua excelência editorial, pioneirismo e liderança, como por fazer parte de uma das 50 maiores editoras do mundo, a Saraiva.

Para que educadores e alunos possam compor suas próprias trilhas, o Ético oferece materiais que organizam o currículo da escola e os conteúdos das disciplinas, aula a aula, com extremo rigor conceitual, propostas educacionais e soluções interativas que tornam as habilidades e competências dos alunos cada vez mais afinadas. Não há espaço para reutilizar materiais segregados ou adaptar conteúdos planejados para outras finalidades. Nossos alunos merecem excelência editorial e pedagógica, o que é um ótimo ponto de partida para que se sintam motivados a estudar e sejam conduzidos a um notável aprendizado. Assim como o músico se atualiza e busca construir seu trabalho de forma a se adequar aos tempos modernos, estamos sempre reinventando nosso material didático, incorporando soluções visuais que o tornam tão atrativo quanto uma tela de computador e apresentam conceitos e atividades que despertem no jovem o gosto pelo desafio.

(*) Adriano Dias Nunes é publicitário, pós-graduado em comunicação visual e coordenador de marketing da Saraiva, Divisão de Sistemas de Ensino. (www.sejaetico.com.br)

Mais Sobre Opinião

A fogueira das vaidades

A fogueira das vaidades

O que até agora era bravata, “não é insulto, é o jeito dele”

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.