Porto Velho (RO) sexta-feira, 23 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

O que Romero Jucá simboliza


Gente de Opinião

Alvo de um escracho que bombou nas redes sociais nas últimas horas, o senador Romero Jucá (PMDB-RR), o Caju da Odebrecht, é a personificação do golpe de 2016. Foi ele quem, numa definição lapidar, apontou a essência da conspiração política que derrubou a presidente Dilma Rousseff. Era preciso, segundo Jucá, "estancar a sangria", contendo investigações e protegendo políticos contra quem, como ele, pesam graves acusações de corrupção.

A construção desse muro contra a Lava Jato, no entanto, representa apenas um dos eixos do golpe. Os outros dois são a entrega das riquezas nacionais, como vem acontecendo com o pré-sal, e a retirada de direitos, não apenas econômicos, como no caso da reforma trabalhista, mas também civis, com a agenda moralista que vem ganhando corpo no Congresso.

Nessa ponte acelerada para o passado, que faz com que o Brasil seja motivo de espanto e perplexidade no mundo civilizado, milhões de brasileiros se sentem impotentes e sem esperança nas instituições. Até porque, como disse Jucá em sua célebre conversa com Sergio Machado, o golpe era "com Supremo, com tudo".

É justamente esse o caldo de cultura que explica o escracho sofrido por Jucá, feito pela assistente social Rúbia Sagaz num voo na última quarta-feira. “Meu objetivo era expor para todos que ali conosco viajava um criminoso, um corrupto assumidamente criminoso, e dizer, na verdade resgatar, através das próprias falas dele, as formas como ele costuma negociar os nossos direitos", disse ela.

Embora o escracho seja uma forma de protesto condenável, porque fere a privacidade alheia, ele ocorre quando a população se dá conta de que todos os sinais estão fechados. No Brasil, convertido em terra sem lei, o discurso oficial é o "de que as instituições estão funcionando". E assim se mantém um governo ilegítimo, recordista mundial em impopularidade e que toca uma agenda regressiva, por meio de um Congresso que também vira as costas à população.

No episódio, Jucá ainda ameaçou agredir a passageira, mas recuou quando percebeu que estava praticamente sozinho no avião. Ela apenas vocalizou o que muitos ali dentro sentiam em relação a ele. Ou seja: mesmo que tenha conseguido derrubar uma presidente honesta e estancar a sangria, Jucá terá cada vez mais dificuldade para frequentar espaços públicos. E esta também deverá ser a sina de muitos políticos que participaram da trama mais vergonhosa da história do Brasil.

Antes do escracho, Jucá conseguiu expulsar a senadora Kátia Abreu do PMDB e foi chamado por ela de "canalha, corrupto e crápula", sem que conseguisse esboçar uma resposta. Kátia disse ainda que ser expulsa por gente como Jucá não é punição, mas sim biografia. De fato, Jucá escolheu ser, como disse Rúbia Sagaz, um corrupto assumido. O escracho foi apenas a consequência lógica.

Gente de Opinião.

Mais Sobre Opinião

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.