Porto Velho (RO) domingo, 25 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

O PT é a salvação do Brasil


 O PT é a salvação do Brasil - Gente de Opinião

Professor Nazareno*

O Brasil tem muitos partidos políticos, mas nenhum deles é igual ao PT, Partido dos Trabalhadores. Há 13 anos no poder maior do país, esse partido fundado no final da Ditadura Militar por alguns presos políticos e sindicalistas da região do ABC em São Paulo só tem dado alegria aos seus milhões de seguidores e eleitores no Brasil inteiro. Tem no metalúrgico Luiz Inácio Lula da Silva, o Lula, o seu líder maior. Lula já foi presidente do país por duas vezes seguidas, elegeu e reelegeu sua sucessora Dilma Rousseff e recebeu condecorações de várias instituições mundiais. É Doutor Honoris Causa de várias universidades da Europa. Esse título só é atribuído à personalidade que se tenha distinguido pelo saber ou pela atuação em prol das artes, das ciências, da filosofia, das letras e do melhor entendimento entre os povos. Abaixo de Deus, só Lula.

O Brasil e os brasileiros não só amam e veneram o ex-presidente, mas praticamente todos os integrantes deste honrado partido. De 2002 para cá, sempre votaram e elegeram consecutivamente quase todos os candidatos ligados à sigla. E com certa razão, uma vez que nas esferas políticas, administrativas, econômicas, diplomáticas, sociais e até de ajuda aos pobres e necessitados, a administração petista sempre se sobressaiu de forma maravilhosa. Todas as diretrizes para beneficiar o povo brasileiro sempre foram seguidas à risca pelos caciques petistas. Desde o distante ano de 1986, quando elegeu Maria Luíza Fontenelle prefeita de Fortaleza no Ceará, que o PT vem mostrando ao Brasil e ao mundo a verdadeira maneira de se fazer política em prol dos mais carentes e necessitados cidadãos. Em políticas sociais, o PT é imbatível.

Marta Suplicy, Maria Luíza Erundina, Dilma Rousseff, Fátima Cleide, Ideli Salvatti, Gleisi Hoffmann dentre tantas outras mulheres de inegável brilho na política deste país. Quem as lançou, e com sucesso, num mundo antes dominado só pelos homens se não o majestoso e “santo” PT? Do ponto de vista administrativo, nunca os funcionários públicos do Brasil, em todos os setores, tiveram tantos aumentos e reconhecimento pelo seu trabalho. Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, autarquias, instituições, universidades. Não há um único posto de emprego onde não se tenha renascida a alegria de ser empregado do Estado. Na administração da coisa pública, o PT se esmera. Em Porto Velho, por exemplo, há duas fases: antes e depois do PT. Roberto Sobrinho deixou-nos com saudades de suas inesquecíveis obras públicas.

Na área diplomática, será o PT que colocará o Brasil como membro permanente do Conselho de Segurança da ONU. O respeito que o mundo tem por nosso país é algo de fazer inveja às grandes potências mundiais. O PT acabou com a pobreza e a fome no país inteiro sem acabar com o pobre. Algo inédito. Vejam o caso da Petrobras. Antes, nos governos corruptos da elite, quem ouvia falar no nome desta empresa? Já no mundo da política, o Brasil e o planeta devem aos petistas a máxima histórica: “eu não sabia de nada”. E quase todo mundo acredita sem questionar. Nas relações institucionais, não há nada que se compare ao inédito, e já copiado, método petista de “comprar com o dinheiro público” o apoio do Poder Legislativo para governar melhor. Quase não há aumentos de combustível ou outros gêneros nos governos petistas. Inteligente, Confúcio Moura já chamou o PT para lhe auxiliar. Só falta agora o Mauro Nazif fazer o mesmo.

*É Professor em Porto Velho.

http://blogdotionaza.blogspot.com.br/

Mais Sobre Opinião

A fogueira das vaidades

A fogueira das vaidades

O que até agora era bravata, “não é insulto, é o jeito dele”

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.