Porto Velho (RO) terça-feira, 24 de novembro de 2020
×
Gente de Opinião

Opinião

O poder emana do povo



Nesses dias históricos e decisivos na vida do País, após a Câmara dos Deputados aprovar a instauração do processo de impeachment da presidente da República, diante de todo um clima sociopolítico tenso e incerto, a pergunta que não quer calar é a seguinte, uma vez dado seguimento ao processo: o poder vai para as mãos de quem?

O título deste texto faz referência a Constituição que declara que todo o poder emana do povo, pois o exercício do voto legitima o poder popular, provindo da vontade soberana do povo brasileiro. Ao eleger representantes, se delega autoridade para que, uma vez eleito, de fato, o político represente quem fez com ele tivesse tal autoridade.

O que está em jogo nesse processo é o ajustamento político do Brasil, e a normalização da situação do país, posto que a crise política é a mãe de todas as demais crises que são reflexo direto da sombria instabilidade. Enquanto houver o impasse e interesses que não são os do povo, o condicionamento só tende a piorar e se agravar. Obviamente, quem sofre as consequências é quem tem nas mãos o poder de reverter tudo isso.

Nas ruas existem dois lados: favorável e contra o processo. O problema fundamental não é qual lado tem razão, mas qual lado representa de fato, a voz do Brasil. Diante de ideologias que chegaram ao limite, de interesses comunitários ou pessoais, os lados podem ganhar ou perder adeptos. Daí a problematização ganhar a cena: dada a validação e seguimento favorável ao impeachment, quem assume o cargo mais alto do executivo?

Com efeito, a linha sucessória presidencial, segundo determina a Constituição, no caso atual não é nada favorável, visto que, o vice não representa a esperança desejada de mudança; o presidente da Câmara e o do Senado encontram-se em situação semelhante de risco de perder os direitos políticos.

Se o Brasil discutisse toda votação que acontece na Câmara e no Senado, e se engajasse nas redes sociais e nas ruas, como está acontecendo agora devido a circunstância do momento, seria um passo positivo dentro da própria estrutura social num movimento generalizado que se preocupa e se relaciona diretamente com as decisões importantes da vida do País. Cabe agora ao Senado a decisão. E aí, Senado?

Felipe Augusto Ferreira Feijão

Estudante de Filosofia - FCF

Mais Sobre Opinião

Hildon Chaves deverá vencer as eleições muito facilmente, se a Cristiane não se reposicionar junto aos eleitores

Hildon Chaves deverá vencer as eleições muito facilmente, se a Cristiane não se reposicionar junto aos eleitores

Até o momento, ao que tudo indica, parece que a definição sobre quem será o próximo prefeito ou prefeita de Porto Velho é “favas contadas”. O atual

Respeito a decisão do Vinícius, mas não concordo

Respeito a decisão do Vinícius, mas não concordo

Recebi de um amigo um vídeo em que o candidato à prefeitura de Porto Velho, Vinicius Miguel - em quem votei no primeiro turno da eleição de domingo (1

Os náufragos de 2020

Os náufragos de 2020

Não foi apenas o presidente Jair Bolsonaro que saiu perdendo nas eleições municipais de 2020. A esquerda foi massacrada nas urnas. Exemplo disso é o

O recado das urnas

O recado das urnas

A renovação substancial da Câmara Municipal de Porto Velho, além da decepção causada a muitos dos que atualmente exercem mandato de vereador, há de