Porto Velho (RO) terça-feira, 20 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

O poder emana do povo



Nesses dias históricos e decisivos na vida do País, após a Câmara dos Deputados aprovar a instauração do processo de impeachment da presidente da República, diante de todo um clima sociopolítico tenso e incerto, a pergunta que não quer calar é a seguinte, uma vez dado seguimento ao processo: o poder vai para as mãos de quem?

O título deste texto faz referência a Constituição que declara que todo o poder emana do povo, pois o exercício do voto legitima o poder popular, provindo da vontade soberana do povo brasileiro. Ao eleger representantes, se delega autoridade para que, uma vez eleito, de fato, o político represente quem fez com ele tivesse tal autoridade.

O que está em jogo nesse processo é o ajustamento político do Brasil, e a normalização da situação do país, posto que a crise política é a mãe de todas as demais crises que são reflexo direto da sombria instabilidade. Enquanto houver o impasse e interesses que não são os do povo, o condicionamento só tende a piorar e se agravar. Obviamente, quem sofre as consequências é quem tem nas mãos o poder de reverter tudo isso.

Nas ruas existem dois lados: favorável e contra o processo. O problema fundamental não é qual lado tem razão, mas qual lado representa de fato, a voz do Brasil. Diante de ideologias que chegaram ao limite, de interesses comunitários ou pessoais, os lados podem ganhar ou perder adeptos. Daí a problematização ganhar a cena: dada a validação e seguimento favorável ao impeachment, quem assume o cargo mais alto do executivo?

Com efeito, a linha sucessória presidencial, segundo determina a Constituição, no caso atual não é nada favorável, visto que, o vice não representa a esperança desejada de mudança; o presidente da Câmara e o do Senado encontram-se em situação semelhante de risco de perder os direitos políticos.

Se o Brasil discutisse toda votação que acontece na Câmara e no Senado, e se engajasse nas redes sociais e nas ruas, como está acontecendo agora devido a circunstância do momento, seria um passo positivo dentro da própria estrutura social num movimento generalizado que se preocupa e se relaciona diretamente com as decisões importantes da vida do País. Cabe agora ao Senado a decisão. E aí, Senado?

Felipe Augusto Ferreira Feijão

Estudante de Filosofia - FCF

Mais Sobre Opinião

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.

Brasil,  192 anos dos Cursos  Jurídicos  Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

Brasil, 192 anos dos Cursos Jurídicos Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

O Brasil, último país a acabar com a escravidão tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma de desigual