Porto Velho (RO) quinta-feira, 3 de dezembro de 2020
×
Gente de Opinião

Opinião

O peso do funcionalismo público



O aumento do peso econômico do funcionalismo público no Brasil é um absurdo abissal, um absurdo do tamanho do Brasil.

Já escrevi que os brasileiros são reféns do funcionalismo público, e que se esta situação não for corrigida, ainda penaremos muito. Pelo que observo, não há perspectivas favoráveis num horizonte de curto prazo, e isso é lamentável.

Em 2015, o governo de Dilma Rousseff bateu mais um recorde, e gastou 39,2% de suas receitas com o pagamento de servidores públicos federais. São dados do Ministério do Planejamento que acrescenta ainda, que até o mês de novembro de 2015, o governo federal tinha nos Três Poderes, “apenas” 2.190.000 pessoas em sua folha de pagamento, dos quais 55,3% estão na ativa, 26% estão aposentados e 18,7% são pensionistas.

O total da folha de pagamento, no ano de 2015 foi de R$ 255,3 bilhões de reais, ou 5,3% do PIB.

E, para comprovar que o que está ruim pode piorar, a situação se agravará, pois a recessão econômica tem diminuído substancialmente a arrecadação de tributos e, além disso, em 2015, o governo federal fez acordo de reajuste salarial com cerca de 90% dos servidores do Executivo e a maioria deles assinou acordo com vigência de dois anos e reajuste de 10,8%.

Gente, a crise é muito séria, e o governo federal que deveria trabalhar duro para diminuir os gastos com funcionalismo público, parece não estar nem aí, e continua contratando.

No setor privado o arrocho é forte para reduzir gastos com pessoal e os empresários demitem aos milhares, porém, no setor público há perniciosa mania de considerar irrelevante esta crise que nos assola, e contratam mais servidores, como se dinheiro se obtivesse em árvores, e se fosse época de plena colheita. Loucura!

É um descompasso brutal e irresponsável, onde nosso governo age diametralmente oposto à forma de agir dos países europeus que não hesitaram em diminuir o tamanho do funcionalismo público, por ocasião da crise econômica que enfrentaram em 2008.  Ora, assim fica difícil, não é mesmo?

E os servidores públicos estaduais? As administrações de 11 Estados da Federação estão sem dinheiro em caixa, e passaram a atrasar, ou parcelar, ou escalonar suas folhas de pagamento e tal atitude já afetou mais de 1,5 milhão de servidores.  E a arrecadação dos Estados também vem diminuindo... Então, durma-se com um barulho desses...

Aí você vem querer me convencer que defenestrar Dilma é um golpe? Você está brincando, ou quer que morramos todos abraçados nesta incompetência nefasta e paralisante...

E o rombo das contas do governo federal é muito maior do que se supunha, o que só corrobora para afiançarmos que o impeachment de Dilma foi atitude corretíssima.
 

João Antonio Pagliosa

www.palestrantejoaopagliosa.blogspot.com.br

Curitiba, 17 de maio de 2016

Mais Sobre Opinião

O tribunal europeu (TEDH) dá andamento à queixa "Acção Climática" das crianças portuguesas + Restauração de Portugal independente

O tribunal europeu (TEDH) dá andamento à queixa "Acção Climática" das crianças portuguesas + Restauração de Portugal independente

O TRIBUNAL EUROPEU (TEDH) DÁ ANDAMENTO À  QUEIXA “ACÇÃO CLIMÁTICA” DAS CRIANÇAS PORTUGUESASNo rescaldo de Pedrogão Grande onde o Fogo matou 110 Pessoa

Começou a batalha pela presidência da Câmara em Porto Velho

Começou a batalha pela presidência da Câmara em Porto Velho

Acirra-se a briga pela presidência da Câmara Municipal de Porto Velho. O atual presidente Edwilson Negreiros está articulando um grupo forte para gara

Sua Excelência a abstenção

Sua Excelência a abstenção

Independente de quem saía consagrado das urnas no segundo turno do pleito para a prefeitura de Porto Velho (Hildon Chaves ou Cristiane Lopes), certo

A cidade foi a grande ausente no debate

A cidade foi a grande ausente no debate

Se o Ibope estiver certo em sua aferição, o prefeito Hildon Chaves (PSDB) vai permanecer por mais quatro anos no comando do município de Porto Velho