Porto Velho (RO) sexta-feira, 23 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

O ENFERMEIRO MARTINS


 

Por Humberto Pinho da Silva
 

Conta a “Arte de Furtar” que em certo lugar havia médico que tratava a ferida de um espinho, a que chamava apostema.

Como precisasse de ausentar-se, disse ao filho que continua-se a cura.

Para se mostrar mais destro, este, vendo o espinho, arrancou-o. O doente sarou imediatamente.

Regressou o pai. Virou-se para o jovem e disse: “ Não vias tu selvagem, que, enquanto se queixava das dores, continuavam as visitas e se acrescentavam as pagas. Secaste o leite à cabra que ordenhávamos.”

Ao ler esta história lembrei-me do Sr. Martins.

O Sr. Martins era enfermeiro do antigo Hospital da Misericórdia de Gaia. Tão entendido era que os invejosos chamavam-no de doutor Martins.

Certa ocasião uma mulher andava muito aflita, porque há meses tratava a dor aguda que tinha no calcanhar, sem resultados positivos.

Numa das visitas, como não houvesse médico disponível, lembraram-se de a levar ao enfermeiro Martins, para fazer o curativo.

Tirou-lhe a ligadura e examinou a ferida.

Pareceu-lhe ver, lá no fundo da chaga, ponto negro. Pegou na pinça esterilizada. Puxou. Saiu-lhe porção de vara de guarda-chuva!

Andara descalça. Sentiu forte dor no pé. Mais tarde teve dores e foi ao hospital.

O caso deu brado e o prestígio do enfermeiro cresceu paralelamente com a inveja.

Noutra ocasião andavam os clínicos atrapalhados. Costureira de profissão, espetara agulha no peito.

Examinanda a radiografia, ia-se lancetar, mas a agulha desaparecia misteriosamente…

Então o Sr. Martins teve ideia genial: Foi com a mulher e mais o médico, ao radiologista. No consultório deste, imediatamente após examinarem a “chapa” – jaz – abriu-se no local exacto.

A agulha arrastada pelo sangue e pelos movimentos, mudava de lugar.

Para finalizar um caso que o comoveu:

Apareceu no posto de enfermagem, homem acompanhado por padre redentorista.

Verificou que tinha os joelhos em estado lastimoso, a escorrer sangue.

O que aconteceu?! O frade ouvira dizer que numa guerra cruel, já tinham morrido milhares de pessoas.

O religioso ao escutar a tragedia, foi para a cela, espalhou milho no chão e ajoelhou-se, para rezar o terço.

O sangue escorria-lhe pelas pernas, mas o monge continuava a rezar…

Mais tarde o Sr. Martins dizia a quem o queria ouvir: - “ Não sou crente nem descrente, mas ao ver o pobre homem, as lágrimas correram-me pela face. Ainda há gente boa! Sua fé fez-me pensar…”

Era assim o Sr. Martins, enfermeiro na antiga Misericórdia de Gaia.

Mais Sobre Opinião

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.