Porto Velho (RO) terça-feira, 20 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

O DESENVOLVIMENTO DA REGIÃO NORTE E DO BRASIL PASSA PELA BR-319 - Por Raniery Coelho


O DESENVOLVIMENTO DA REGIÃO NORTE E DO BRASIL PASSA PELA BR-319 - Por Raniery Coelho - Gente de Opinião
    Raniery Coelho

O Brasil é um país incompreensível. Como, certa vez, observou o maestro Tom Jobim, não é para principiantes. Há certas coisas que jamais se explicam sob a luz da lógica como, por exemplo, o fato de não nos aproximarmos mais dos países vizinhos, como um país continental não aumenta sua rede ferroviária ou como se faz projetos inviáveis e se deixa de lado outros que são imprescindíveis e concretos.

A Amazônia não foge ao padrão do país e seu caso mais exemplar é o da BR-319-Manaus/Porto Velho. Trata-se de uma estrada inaugurada em 1976, ainda no regime militar brasileiro. Aberta entre os anos de 1968 e 1973, com uma imensa quantidade de pontes e desvios, sem manutenção, a rodovia se tornou intransitável, o que prejudicou o processo de desenvolvimento de toda uma população que se instalou em seu entorno. O Governo Federal iniciou as obras de recuperação de trechos da rodovia, com um valor estimado de R$ 697 milhões. As obras estavam amparadas pelo Estudo de Impacto Ambiental (EIA) elaborado pela Universidade Federal de Manaus – UFAM, finalizado em 2009. Porém, movimentos ambientais e indígenas conseguiram suspender as obras alegando falhas nos estudos de impactos ambientais.

O mais estranho de tudo isto é que foram construídas as pontes do Careiro, em Manaus, e a Rondon/Roosevelt, em Porto Velho, investimentos que beiram os R$ 2 bilhões, mas, quase inúteis sem a conclusão da ligação terrestre entre a capital de Rondônia e Manaus. Claro que se deve levar em conta os problemas ambientais, porém, não se pode esquecer que mais de 100 mil pessoas estão ilhadas pela falta da estrada, que, por sinal, é o único caminho terrestre para ligar Manaus ao resto do Brasil e de ligação entre o Pacífico e o Atlântico até o Caribe. Assim, a recuperação da estrada, que está levando, por baixo, mais de 20 anos, é um anseio da população amazônica que a Fecomércio ressalta como essencial para o desenvolvimento da região. Portanto, recuperar os 850 km é tão importante para a região e para o Brasil, mas, apesar de governadores, senadores, deputados, empresários e grande parte da população reclamar da falta de atenção ao tema, das audiências públicas, caravanas, discursos e apelos nada avança. É por esta razão que a Fecomércio, faz um chamamento para uma grande união do Amazonas e Rondônia em prol da conclusão da estrada.

Agora, uma caravana de jornalistas e empresários, com apoio do SERTERO-Sindicato das Empresas de Rádio e Televisão do Estado de Rondônia, da FECOMÉRCIO e outros parceiros, está percorrendo, por cinco dias, do dia onze ao dia 16 de julho a estrada para ver e documentar o seu estado. Os participantes sabem que se trata de uma aventura, pois, precisam levar barracas, alimentação e até combustível para não ficar na estrada que, por sinal, tem trechos considerados críticos que podem impedir veículos de prosseguir.

É uma aventura que, na sua essência, registra, documenta, a distância que separa o Brasil real do Brasil formal. É a prova de que não existe um planejamento regional no país e que a Amazônica continua a não ter prioridade na política nacional. A BR-319 é o maior testemunho de que a região tem um papel marginal nas decisões políticas brasileiras. E que nós, amazônidas, precisamos nos unir para que nossos pleitos sejam considerados nas grandes decisões nacionais.

Mais Sobre Opinião

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.

Brasil,  192 anos dos Cursos  Jurídicos  Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

Brasil, 192 anos dos Cursos Jurídicos Salve o dia 11 de agosto, dia dos advogados

O Brasil, último país a acabar com a escravidão tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma de desigual