Porto Velho (RO) sexta-feira, 23 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Opinião

Natal sem progresso em Porto Velho


Natal sem progresso em Porto Velho - Gente de Opinião
Professor Nazareno*



Infelizmente quem aqui nasceu ou por qualquer outra razão veio para fincar raízes e espera algum dia ver esta capital como um lugar cheio de progresso, qualidade de vida e desenvolvimento humano é bom ir logo “tirando o cavalinho da chuva”, pois Porto Velho não combina com futuro promissor nem com prosperidade. Com quase um século de existência, parece que é um lugar amaldiçoado. Por aqui nada dá certo nem ninguém se preocupa. Além de suja e imunda, a capital dos rondonienses foi criada para ser a vergonha do Brasil, o lodaçal. Sem água potável e com menos de três por cento de saneamento básico, não se sabe até hoje por que foi escolhida para ser capital de um Estado. Longe de tudo e de todos, poderia ser substituída por Ji-paraná, Cacoal ou a limpa e asseada Vilhena bem no sul do Estado e muito mais próxima da civilização.

A cidade de Porto Velho não tem planejamento urbano nenhum, é um lugar feio, desajeitado, desarrumado, sem nenhuma arborização e que lembra muito bem uma currutela de garimpo ou mesmo um cemitério abandonado. Muito pior do que uma favela, nesta época do ano em vez de limpeza só tem lama e água empoçada. Não tem edifícios altos, mas tem vários viadutos, todos inacabados, enfeando ainda mais o assombroso ambiente urbano. Tem uma ponte de quase um quilômetro de extensão também inacabada, conta com poucas ruas asfaltadas e por incrível que pareça tem emissoras de rádio, de televisão e até internet para os habitantes saberem que existem cidades civilizadas e desenvolvidas no Brasil e no mundo. Maior do que muitos países e com uma minúscula população, ainda assim não sobrevive de forma independente.

Em Porto Velho parece até que não existe Poder Público que se preocupe com a sofrida população da cidade. E todo ano é o mesmo lenga-lenga: não há decoração de ruas, praças e avenidas durante o Natal, não há embelezamento em nenhuma parte, não há confraternização, enfim, não existe nenhuma preparação para as festas de fim de ano. Incrível, mas a cidade tem Prefeito e Vereadores, que “cuidam” do orçamento municipal. Tolice falar sobre suas absurdas atuações. Mas quem os elegeu fomos nós, os eleitores daqui mesmo. Para o ano de 2014, por exemplo, esse orçamento superará um bilhão de reais. Claro que muito pouco ou nada será usado em benefício da população. E ninguém reclama de algo a não ser um ou outro comentário nas redes sociais. Inédito: ser roubado pelas autoridades daqui é sinônimo de felicidade coletiva.

O melhor lugar da cidade é o aeroporto. Se a rodoviária fosse mais asseada e higiênica competiria com o modesto campo de pouso da cidade, também chamado pelos ufanistas e bobos de “Aeroporto Internacional”. Nas férias de final de ano quem pode “monta no porco” e viaja. Este ano, 90 mil pessoas, em média, saíram do lixo e da imundície. Eu mesmo estou em Caxias do Sul na paradisíaca Serra Gaúcha. Juro que não vi até o momento um único animal morto pelas ruas ou sujeira esparramada pelo chão. Também não vi nenhum alagamento. A decoração de Natal daqui é encantadora. Caxias tem água encanada e saneamento básico, luxos inexistentes na nossa capital.

Até os noticiários da TV em Rondônia são exibidos com horas de atraso em relação ao Brasil. Nem o Natal se comemora direito: 800 mil reais foram gastos com uma decoração feia, brega, ridícula, chinfrim, cafona, matuta, velha e ultrapassada. Presente “ching ling” para nós, tolos. O famoso Natal de “gala”. Ninguém sai às enlameadas, violentas e escuras ruas para comemorar algo. E no Ano Novo se lhe desejarem um feliz 1890 não se assuste.

A infraestrutura da cidade, de tão atrasada e rústica, ainda não chegou a essa data. Porto Velho é um belo lugar, mas do século XIX. Ou de bem antes.

*É Professor em Porto Velho.

Mais Sobre Opinião

O bom do silêncio

O bom do silêncio

Bolsonaro disse que não adianta exigir dele a postura de estadista, por que não é estadista.

Meu cargo, minha vida

Meu cargo, minha vida

Bolsonaro se revelou um profundo conhecedor da natureza humana

Cada quadrado no seu quadrado

Cada quadrado no seu quadrado

Os argentinos são como são. E não querem nem aceitam conselhos.

Feliz dia de quem matou os pais!

Feliz dia de quem matou os pais!

Dia em que Suzane von Richthofen e Alexandre Nardoni estão de férias da prisão.