Porto Velho (RO) terça-feira, 19 de junho de 2018
×
Gente de Opinião

Opinião

Nabil Bonduki: Doria vai despir a fantasia de prefeito?


Gente de Opinião

SP 247 - O urbanista e ex-vereador de São Paulo Nabil Bonduki criticou nesta terça-feira, 13, o prefeito João Doria (PSDB) pelo anúncio de que irá se candidatar a governador de São Paulo

"O homem das máscaras não pode mais disfarçar. Acaba de anunciar que irá tirar a fantasia que usou nos últimos 14 meses, a de prefeito de São Paulo. Na campanha de 2016, ele enganou os paulistanos, que não o conheciam, com uma máscara de gestor, de joão trabalhador, de não político. O descrédito com a política deu-lhe a vitória no primeiro turno e o direito de administrar o maior município do mundo ocidental", disse Bonduki, em artigo na Folha de S. Paulo. 

Ele lembra que Doria, insatisfeito com o cargo que ocupava, passou a sonhar com voos mais altos. "O vazio da política nacional levou muitos a acreditarem que ele poderia ser o novo 'messias' que salvaria o país. A mosca azul subiu à cabeça. Passou a articular sua candidatura a presidente, realizando 47 viagens para fora da cidade em menos de um ano", afirma. 

"Agora, chegou a hora da verdade. Não sendo unanimidade em seu partido, lançou-se pré-candidato a governador para disputar a indicação do PSDB. Já sem a máscara de gestor, ele terá que despir sua última fantasia, a de prefeito de São Paulo", diz ele. 

Leia o artigo na íntegra. 

Mais Sobre Opinião

 O que as cores nos ambientes falam para nós - Por Elisa Fraga

O que as cores nos ambientes falam para nós - Por Elisa Fraga

Artigo assinado pela arquiteta e urbanista Elisa Fraga, da Guel Arquitetos

Renato Janine Ribeiro: “presidência da República perdeu o respeito da sociedade”

Para o ex-ministro Renato Janine Ribeiro "parte — substancial — da crise que estamos vivendo hoje é o fato de que a presidência da República e seus mi

“Se não fizermos nada haverá cada vez mais desigualdade”

“Se não fizermos nada haverá cada vez mais desigualdade”

Em vários países da OCDE apenas uma em cada quatro pessoas que procuram trabalho recebe algum subsídio, diz Herwig Immervoll, chefe de Políticas Socia